sábado, 29 de maio de 2010

Wetland aliens cause bird extinction


BirdLife International has announced, in the 2010 IUCN Red List update for birds, the extinction of Alaotra Grebe Tachybaptus rufolavatus. Restricted to a tiny area of east Madagascar, this species declined rapidly after carnivorous fish were introduced to the lakes in which it lived. This, along with the use of nylon gill-nets by fisherman which caught and drowned birds, has driven this species into the abyss.

"No hope now remains for this species. It is another example of how human actions can have unforeseen consequences", said Dr Leon Bennun, BirdLife International's Director of Science, Policy and Information. "Invasive alien species have caused extinctions around the globe and remain one of the major threats to birds and other biodiversity."

Another wetland species suffering from the impacts of introduced aliens is Zapata Rail Cyanolimnas cerverai from Cuba. It has been uplisted to Critically Endangered and is under threat from introduced mongooses and exotic catfish. An extremely secretive marsh-dwelling species, the only nest ever found of this species was described by James Bond, a Caribbean ornithologist and the source for Ian Fleming's famous spy's name.

And it's not just aliens. Wetlands the world over, and the species found in them, are under increasing pressures.

In Asia and Australia, numbers of once common wader species such as Great Knot Calidris tenuirostris and Far Eastern Curlew Numenius madagascariensis are dropping rapidly as a result of drainage and pollution of coastal wetlands. The destruction of inter-tidal mudflats at Saemangeum in South Korea, an important migratory stop-over site, correlated to a 20% decline in the world population of Great Knot. Huge flocks of these birds once visited northern Australia, but annual monitoring by scientists have found corresponding declines in numbers.

"Wetlands are fragile environments, easily disturbed or polluted, but essential not only for birds and other biodiversity but also for millions of people around the world as a source of water and food", said Dr Stuart Butchart, BirdLife's Global Research and Indicators Coordinator.

Fonte: http://www.birdlife.org/news/news/2010/05/red-list-for-birds-2010.html

A extinçaõ de Alaotra grebe: você se importa?

Alaotra Grebe extinction – Do you care?

Wed, May 26, 2010

oday we announced that Alaotra grebe, a waterbird from Madagascar, is officially extinct on the Red List (more).

The Dodo is the undoubted ‘celebrity’ among extinct species with its depiction in books, cartoons and the well-used expression ‘Dead as a Dodo’.

Less well known about the Dodo is that it heads up a group of single island flightless birds that became extinct either at the hands of man, or by the introduction of predators that came along with the arrival of people to their islands. More than 130 species of birds have become extinct since AD 1500, mostly because of human actions…

A closer look at the extinct bird list reveals a suite of familiar bird groups such as petrels, herons, ducks, moorhens, pigeons, doves, parrots, thrushes, warblers and starlings that have been lost. Alaotra Grebe also joins two other species of grebe which have become extinct as recently as the last quarter of the 20th Century – Colombian Grebe and Atitlan Grebe.

Next week marks the anniversary of another – more famous – bird extinction. On 3 June 1844, the last pair of Great Auks was slaughtered, the female still incubating an egg at Eldey Rock of the coast of Iceland. One of the most intriguing of the planet’s vanished birds, whose first name was the original penguin, ironically one of the best loved groups of birds on our planet.

If a penguin species were to become extinct it would very likely enter the celebrity status alongside the dodo. Alaotra Grebe will have been unknown to most people but, like a great painter whose work is recognised only after they have died, it will now become better known because of its extinction.

The extinction of Alaotra Grebe is a reminder of the perilous state that many species find themselves in now. Today’s Red List update includes 190 species which are listed as Critically Endangered. This includes Junín Grebe which has a population of les than 250 individuals and recent surveys indicate a further population decline.

The BirdLife Partnership is committed to stopping any extinction (click here to find out more).

Today marks a black day in this year of International Year of Biodiversity.

When we publicise news of threat or extinction the first question posed by the media will be: “Why should we care?”

Please add your thoughts on why people should care when a species goes extinct using the comments list below.

Site Norte-Americano sobre Aves

Acessem: http://www.birdlife.org/


Acessem: http://www.paleodb.org/cgi-bin/bridge.pl?action=displayReference&reference_no=31911

B. Andres et al. 2010
Full reference
B. Andres, J. M. Clark, and X. Xu. 2010. A new rhamphorhynchid pterosaur from the Upper Jurassic of Xinjiang, China, and the phylogenetic relationships of basal pterosaurs. Journal of Vertebrate Paleontology 30(1):163-187 [R. Butler/R. Butler]
ID number: 31911
Created: 2010-02-05 06:28:00
Publication type: journal article
Taxonomy: stated with evidence
Language: English

Taxonomic names (7)
Anurognathus, Caelidracones, Lonchognatha, Macronychoptera, Novialoidea, Sericipterus, Sericipterus wucaiwanensis

Taxonomic opinions (28) - view classification
'Angustinaripterus belongs to Rhamphorhynchinae' according to B. Andres et al. 2010
'Anurognathidae belongs to Caelidracones' according to B. Andres et al. 2010
'Anurognathus belongs to Anurognathidae' according to B. Andres et al. 2010
'Austriadactylus belongs to Lonchognatha' according to B. Andres et al. 2010
'Batrachognathus belongs to Anurognathidae' according to B. Andres et al. 2010
'Breviquartossa belongs to Novialoidea' according to B. Andres et al. 2010
'Cacibupteryx belongs to Rhamphorhynchinae' according to B. Andres et al. 2010
'Caelidracones belongs to Breviquartossa' according to B. Andres et al. 2010
'Campylognathoides belongs to Novialoidea' according to B. Andres et al. 2010
'Dendrorhynchoides belongs to Anurognathidae' according to B. Andres et al. 2010
'Dimorphodon belongs to Macronychoptera' according to B. Andres et al. 2010
'Dorygnathus belongs to Rhamphorhynchinae' according to B. Andres et al. 2010
'Eudimorphodon belongs to Lonchognatha' according to B. Andres et al. 2010
'Harpactognathus belongs to Rhamphorhynchinae' according to B. Andres et al. 2010
'Jeholopterus belongs to Anurognathidae' according to B. Andres et al. 2010
'Lonchognatha belongs to Pterosauria' according to B. Andres et al. 2010
'Macronychoptera belongs to Lonchognatha' according to B. Andres et al. 2010
'Novialoidea belongs to Macronychoptera' according to B. Andres et al. 2010
'Peteinosaurus belongs to Lonchognatha' according to B. Andres et al. 2010
'Preondactylus belongs to Pterosauria' according to B. Andres et al. 2010
'Pterodactyloidea belongs to Caelidracones' according to B. Andres et al. 2010
'Rhamphorhynchidae belongs to Breviquartossa' according to B. Andres et al. 2010
'Rhamphorhynchinae belongs to Rhamphorhynchidae' according to B. Andres et al. 2010
'Rhamphorhynchus belongs to Rhamphorhynchinae' according to B. Andres et al. 2010
'Scaphognathus belongs to Rhamphorhynchidae' according to B. Andres et al. 2010
'Sericipterus wucaiwanensis belongs to Sericipterus' according to B. Andres et al. 2010
'Sericipterus belongs to Rhamphorhynchinae' according to B. Andres et al. 2010
'Sordes belongs to Breviquartossa' according to B. Andres et al. 2010
Collections (2)
89993, 93870

Ceratopsídeo mexicano tinha chifres gigantes


Uma nova espécie de dinossauro ceratopsídeo, grupo que apresenta golas ósseas e chifres, foi descoberta no México e possui os maiores chifres já vistos entre os dinossauros. O animal foi batizado de Coahuilaceratops magnacuerna e viveu há 72 milhões de anos. Para saber mais sobre este incrível animal, leia a postagem completa.

Quer saber mais???
Leia o resto do texto no Blog do Ikessauro:

Biomapas da Amazônia

Acessem: http://www.petrobras.com.br/biomapas

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Mata Atlântica perdeu 20 mil hectares desde 2008


Agência FAPESP – Dados parciais do projeto Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, referentes ao período 2008-2010, revelam que a Mata Atlântica perdeu 20.857 hectares de sua cobertura vegetal, o que equivale à metade da área do município de Curitiba (PR).

O número foi divulgado no dia 26 de maio pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em evento promovido pela Fundação SOS Mata Atlântica.

O número é parcial porque o Inpe analisou imagens feitas por satélites de 72% da Mata Atlântica, com a atualização dos mapas de nove entre os 17 Estados nos quais o bioma está presente: Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Minas Gerais foi o Estado que mais perdeu cobertura nativa e, ao lado do Paraná e de Santa Catarina, está entre as unidades da Federação que mais desmataram esse bioma. Cabe ressaltar que Minas Gerais teve 80% de sua área analisada, e o Paraná, 90%, o que significa que o desmatamento pode ter sido maior.

O Inpe analisou até o momento 94.912.769 hectares. Os Estados do Nordeste não foram estudados por causa da incidência de nuvens sobre a região, o que impediu a análise. O instituto prevê a conclusão dessa avaliação até o fim do ano.

O projeto Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica surgiu em 2004 por meio de uma parceria entre a Fundação SOS Mata Atlântica e a Divisão de Sensoriamento Remoto do Inpe.

Mais informações: www.dsr.inpe.br e www.sosma.org.br.

Brecha para o neandertal

Comparação entre o genoma humano e a versão inicial do sequenciamento genético dos neandertais permite a identificação de genes exclusivos dos homens e sugere que pode ter havido reprodução entre as duas espécies.

Por: Camilla Muniz

Publicado em 06/05/2010 | Atualizado em 06/05/2010

Que características tornam o homem humano? A resposta a esta pergunta, tão buscada pelos cientistas, pode estar começando a tomar forma. Através de uma comparação entre genomas de humanos, chimpanzés e neandertais, uma equipe internacional formada por 56 pesquisadores constatou que o homem moderno possui genes únicos que o diferenciam de outras espécies hominídeas. A descoberta pode ser a chave para a compreensão da identidade humana.

O estudo foi possível graças ao pioneirismo da equipe em iniciar o sequenciamento do genoma dos neandertais, espécie mais próxima dos homens modernos na escala evolutiva. Envolvidos nessa tarefa há quatro anos, os pesquisadores apresentaram a versão inicial da sequência genética em dois artigos publicados na edição da revista Science publicada nesta sexta-feira (07/05).

O sequenciamento ainda permitiu à equipe identificar heranças genéticas dos neandertais nos humanos. Os pesquisadores calculam que entre 1% e 4% do DNA dos homens deriva do genoma desses seus parentes mais próximos. O achado sugere que houve reprodução entre as duas espécies há aproximadamente 80 mil anos.

Ossos de neandertais encontrados em caverna na Croácia
O sequenciamento do genoma dos neandertais foi realizado a partir de pequenas amostras de pó extraído de três ossos datados de mais de 38 mil anos (foto: Max-Planck-Institute EVA).

Conquista sem precedentes

Os avanços em obter a sequência gênica dos neandertais ocorre apenas dez anos depois da decodificação do genoma humano. O trabalho foi baseado na análise de mais de quatro bilhões de nucleotídeos (estruturas formadoras do DNA) extraídos do pó de ossos de três neandertais do sexo feminino.

Os fósseis, datados de mais de 38 mil anos, foram encontrados na caverna Vindija, na Croácia. A versão inicial do sequenciamento representa cerca de 60% do genoma completo.
“Pela primeira vez, podemos identificar as características genéticas que nos distinguem dos outros organismos”

"Ter uma primeira versão do genoma do neandertal satisfaz um sonho de longa data. Pela primeira vez, nós podemos identificar as características genéticas que nos distinguem de todos os outros organismos, incluindo os nossos parentes mais próximos na escala evolutiva", disse Svante Pääbo, líder da pesquisa e diretor do Departamento de Genética do Instituto Max-Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha, em comunicado à imprensa.

Durante o estudo, os pesquisadores usaram técnicas avançadas para eliminar das amostras o DNA de bactérias e microorganismos que colonizaram os ossos ao longo do tempo.

Além disso, para evitar contaminação com DNA humano no laboratório, os experimentos foram conduzidos em 'salas limpas', ambientes controlados onde o nível de poluentes e contaminantes é mínimo. Medidas como essas são importantes para reduzir possibilidades de distorção nos resultados.

A equipe sequenciou também o genoma de cinco humanos nativos do sul da África, África Ocidental, Papua-Nova Guiné, China e França. A comparação do genoma dos neandertais com o dos homens modernos mostrou que a espécie extinta compartilha mais variantes genéticas com não-africanos do que com africanos. A relação mais próxima entre neandertais e não-africanos é a mesma, independentemente de serem originários da Europa, Ásia ou Oceania.

Para os pesquisadores, essa é uma evidência de que os neandertais e os primeiros homens modernos entraram em contato após o Homo sapiens emigrar da África, mas antes da dispersão de diferentes grupos em direção à Europa e Ásia. A estimativa é que o contato tenha ocorrido entre 100 e 50 mil anos atrás, no Oriente Médio, onde achados arqueológicos já comprovaram a coexistência das duas espécies.
“É legal pensar que alguns de nós têm um pouco de DNA neandertal”

"É legal pensar que alguns de nós têm um pouco de DNA neandertal, mas, para mim, a oportunidade de buscar evidências de seleção positiva ocorrida logo após as duas espécies se separarem é provavelmente o aspecto mais fascinante deste projeto", destaca o líder da pesquisa.

Os cientistas agora desejam descobrir quais características genéticas nos diferenciam das outras espécies e podem ter nos dado certa vantagem evolutiva. O estudo permitiu a identificação de 212 regiões do genoma humano que podem ter desempenhado papel importante na evolução humana. Essas regiões incluem genes relacionados a funções cognitivas, ao metabolismo e ao desenvolvimento de estruturas ósseas como crânio, clavícula e caixa torácica.

"Em todos estes casos, ainda é preciso muito, muito mais trabalho. Isto é realmente apenas uma dica de quais genes devem ser estudados agora, e tenho certeza que nós e muitos outros grupos farão isso”, afirma Pääbo.

Camilla Muniz
Ciência Hoje On-line

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Reis da savana

Agência FAPESP – Leões? Elefantes? Girafas? Nenhum deles. Os majestosos animais mais frequentemente associados com a savana africana não têm um papel tão importante quando o assunto é a importância para o ecossistema.

Pelo menos não tanto como a do verdadeiro rei da savana nesse caso, que é o modesto cupim. Segundo uma nova pesquisa, o pequeno inseto contribui enormemente para a produtividade do solo por meio de uma rede de colônias uniformemente distribuídas.

Os cupinzeiros estimulam de modo importante a produtividade vegetal e animal em nível local, enquanto que sua distribuição por uma área maior maximiza a produtividade do ecossistema como um todo, indicam os pesquisadores.

A conclusão do estudo, publicado na revista de acesso livre PLoS Biology, confirma uma abordagem conhecida da ecologia de populações: frequentemente são as menores coisas que importam mais.

“Não são os predadores carismáticos – como leões e leopardos – que exercem os maiores controles em populações. Em muitos aspectos, são os pequenos personagens que controlam o cenário. No caso da savana, aparentemente os cupins têm uma tremenda influência e são fundamentais para o funcionamento do ecossistema”, disse Robert Pringle, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, um dos autores da pesquisa.

Os cupinzeiros estudados no Quênia central têm cerca de 10 metros de diâmetro e se encontram distribuídos com distâncias de 60 a 100 metros entre eles. Cada estrutura abriga milhões de insetos e são muitas vezes centenárias.

Depois de observar um número inesperado de lagartos nas vizinhanças de cupinzeiros, Pringle e colegas passaram a quantificar a produtividade ecológica relativa à densidade da estrutura.

Os pesquisadores observaram que cada cupinzeiro dava suporte a densas agregações de flora e de fauna. Plantas cresciam mais rapidamente quando estavam mais próximas aos montes e as populações de animais e as taxas de reprodução diminuíam à medida que se afastavam dos mesmos.

O que os pesquisadores observaram em campo foi ainda mais fácil de perceber por meio de imagens feitas por satélite. Cada cupinzeiro se encontrava no centro de uma “explosão de produtividade floral”.

O mais curioso é que essas manifestações de produtividade são organizadas, distribuídas uniformemente como se fossem as casas de um tabuleiro de xadrez.

O resultado é a formação de uma “rede otimizada de plantas e animais intimamente ligados à distribuição ordenada dos cupinzeiros”, segundo Pringle.

Os cientistas estão estudando os mecanismos que levam à distribuição centrada nos cupinzeiros. Uma suspeita é que os cupins distribuem nutrientes, como fósforo e nitrogênio, que beneficiam a fertilidade do solo.

“Cupins costumam ser vistos como pragas e ameaças à produção agrícola, mas a produtividade – tanto em cenários selvagens como dominados pelo homem – pode ser muito mais intrincada do que se estimava”, disse Pringle.

O artigo Spatial Pattern Enhances Ecosystem Functioning in an African Savanna (PLoS Biol 8(5): e1000377.doi:10.1371/journal.pbio.1000377), de Robert Pringle e outros, pode ser lido em http://biology.plosjournals.org.

Pterossauro do Marrocos foi apresentado à comunidade científica

Pterossauro do Marrocos foi apresentado à comunidade científica

Posted: 27 May 2010 06:46 AM PDT
Uma nova espécie de réptil voador pré-histórico ou pterossauro, foi descoberta no Marrocos e agora foi apresentada ao público e à comunidade científica em uma publicação na revista científica PloS ONE. Confira o resto da postagem para saber mais sobre este animal.

O bicho foi batizado de Alanqa saharicafrom, que significa Fênix do Saara, com base nas palavras árabes Al Anqa, que significa Fênix, a ave mitológica que morre no fogo e renasce das próprias cinzas, e, embora este bicho não fosse ave, o nome até que é legal!
O réptil media ao todo cerca de 6 metros de envergadura e tinha uma mandíbula de 34 centímetros, que usava provavelmente para capturar peixes e pequenos animais durante o Cretáceo, há 95 milhões de anos, pois naquele tempo o Deserto do Saara era bem mais úmido, cheio de rios, plantas e animais, um verdadeiro paraíso tropical.

Quer saber mais???
Leia o resto do texto no Blog do Ikessauro:

Mistério marciano é resolvido


Agência FAPESP – Um mistério de quase 40 anos em Marte acaba de ser resolvido. Cientistas conseguiram reconstruir a formação de duas características inusitadas no polo norte do planeta: uma série de espirais e um abismo maior do que o Grand Canyon.

Em dois artigos publicados na edição desta quinta-feira (27/5) da revista Nature, John Holt, da Universidade do Texas, e colegas descrevem como usaram dados obtidos pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter, da Nasa, a agência espacial norte-americana, para desvendar a composição da camada de gelo no norte marciano.

Na Terra, os mantos são formados principalmente pelo fluxo de gelo, mas em Marte, segundo a nova pesquisa, outras forças têm moldado as calotas. A calota ao norte é uma pilha de gelo e camadas de poeira com até 3 quilômetros de profundidade, que cobre uma área maior do que a do Estado de Minas Gerais.

Ao analisar em computador os dados de radar colhidos pela sonda, os pesquisadores puderam, como se estivessem retirando as camadas de uma cebola, verificar como a cobertura de gelo evoluiu com o tempo.

Uma das partes mais notáveis no polo norte marciano é a Chasma Boreale, uma depressão tão extensa como o Grand Canyon norte-americano, mas mais profundo.

Desde que foi descoberta, em 1972, cientistas estimavam que a depressão teria sido formada a partir do derretimento do fundo do manto de gelo pelo calor vulcânico. Mas o novo estudo indica que tanto a Chasma Boreale como as espirais foram criadas principalmente pela ação de fortes ventos, durante milhões de anos.

A nova pesquisa aponta também que a calota de gelo no norte marciano não é composta por muitas camadas relativamente planas, mas que conta com características mais complexas, entre as quais camadas com espessura e orientação diferentes ou camadas que simplesmente desaparecem em alguns pontos.

“Não se sabia da existência de uma estrutura de camadas tão complexa, que registram a história de acúmulo de gelo, erosão e ação do vento. A partir de agora, poderemos recuperar uma história detalhada do clima em Marte”, disse Holt.

Em 1982, Alan Howard, da Universidade da Virgínia, propôs em um artigo que as misteriosas espirais teriam sido formadas pela ação do vento, mas o trabalho foi ignorado pela comunidade científica, que bancava a hipótese da origem vulcânica. O novo estudo mostra que Howard estava certo.

Segundo Holt e colegas, a formação em espiral deriva dos ventos existentes na região, formados por ar denso e relativamente frio que circula a partir dos polos e por sobre as calotas.

A ação do vento é afetada pela força de Coriolis, perpendicular ao sentido do movimento do planeta. Na Terra, isso leva à formação de furacões, que giram em direções opostas nos hemisférios. Em Marte, essa força influencia nos ventos e nas depressões criadas, que assumem a forma de espirais.

Os artigos Onset and migration of spiral troughs on Mars revealed by orbital radar (vol 465 | doi:10.1038/nature09049) e The construction of Chasma Boreale on Mars (doi:10.1038/nature09050), de John Holt e outros, podem ser lidos por assinantes da Nature em www.nature.com.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Jay Gould e a Paleontologia

Jay Gould e a Paleontologia

Stephen Jay Gould, um dos mais estimados, prestigiados e populares escritores de divulgação científica do após-guerra, depois de lutar por mais de dez anos contra um câncer, veio a falecer aos 60 anos, no dia 20 de maio de 2001. Nova-iorquino da gema, cidade onde nasceu em 10 de setembro de 1941, celebrizou-se entre o público admirador da ciência por seus ensaios com títulos instigantes, imaginativos, curtos, densos, extremamente atraentes de ler-se, que ele vinha publicando desde 1974. Recolhendo-os, eventualmente, recheou com eles mais de 20 livros, quase todos um sucesso internacional de vendas, tornando-o um nome universal, traduzido para os principais idiomas. Gould, além de cientista afamado. era acima de tudo um apaixonado pelas causas gerais da humanidade, tornando-o o que um seu ex-colega seu denominou de “o perfeito cidadão público”

No Castelo de Löbau

A histórica reunião deu-se no Castelo de Löbau, na Saxônia, para onde um Copérnico envelhecido retirar-se com o seu discípulo Rético. Este era um daqueles aventureiros do Renascimento que, chegado à cidade de Frauenburg, em 1539, onde Copérnico residia, passara a insistir para que o velho mestre consentisse em editar o seu manuscrito sobre a Revolução das Órbitas Celestes. Mas que nada. Teimoso, o cônego Copérnico não queria de maneira nenhuma expor-se às conseqüências últimas da sua teoria. Naqueles tempos de intensa luta religiosa, quando, desde 1517, Martin Lutero fizera tremer o colosso papal, incendiando a Europa com uma guerra teológica, não seria ele, um modesto astrônomo desprotegido quem iria enfrentar os maus humores da época, instigando ainda mais os exaltados, dizendo que a Terra se movia . O amigo castelão e Rético, depois de longas conversações com o grande sábio, nas quais aqueles apaixonados pelas maravilhas cósmicas apresentaram todos os prós e contras à publicação, conseguiram arrancar de Copérnico uma promessa de um futuro “sim”. Um dos pontos a que Copérnico se prendia para não entregar os escritos ao prelo ( eles estavam prontos desde 1507) era a sua profissão de fé nos princípios da Escola Pitagórica que proibia aos sábios divulgar seus conhecimentos para fora do círculo dos iniciados.

Inspirara-se, disse Copérnico, numa carta, que ele mesmo traduzira, de Lísis para Hiparco, onde o grego seguidor de Pitágoras enfatizara os perigos da água pura da ciência ser derramada para baixo, sobre os ignorantes, os não-iniciados, o vulgo enfim, sem que isso redundasse em proveito para o conhecimento. Depois de segurar o manuscrito por 36 anos na gaveta, Copérnico capitulou, autorizando que o imprimissem em Nuremberg em 1543.
Um escritor para o grande público

Pois foi exatamente contra este primado ultra-elitista e reacionário que mandava confinar os textos e demais conteúdos científicos nas redomas dos gabinetes e dos laboratórios, é que Stephen Jay Gould insurgiu-se. É fato sabido que, até em nossos dias democráticos e ainda porosos ao socialismo, as corporações acadêmicas, em qualquer parte do mundo, nunca vêem com bons olhos o que se dedica à divulgação científica. Tem-no como uma espécie de Quinta Coluna, um inimigo nas trincheiras que fica, às escancaras, transmitindo aos estranhos (as massas, ao povo, ao vulgo) aquilo que deveria ser preservado como um segredo exclusivo dos sábios ou do Estado.
Professor de Harvard, Gould em nenhum momento hesitou em contribuir para a Natural History Magazine ,e outras revistas, com seus elucidativos ensaios (foram mais de 300, que foram editados em mais de 20 livros) sobre o evolucionismo e as polêmicas que o envolvem. Esclareceu, todavia, que não estava disposto a fazer concessões excessivas porque tinha consciência de que “popularização” tornara-se “sinônimo de ruim, simplista, trivial, barato e adulterado”, assegurando que ele se orientaria por outro principio: “Tornarei”, assegurou ele, “ a linguagem acessível definindo ou eliminando o jargão: não simplificando conceitos”.

Divulgador científico

Isto feito, Stephen Jay Gould, paleontólogo de profissão, seguiu ao longo da sua produtiva e prolífera vida, mantendo um coluna mensal intitulada This view of life, a tradição inaugurada nos tempos modernos pelo filósofo Voltaire (Elementos da filosofia de Newton, 1738), e, mais remotamente por Galileu com o Sidereus Nuncius (Mensageiro das Estrelas, 1610),
Ambos, tanto o iluminista como Gould, conseguiam a façanha de transmitir por meio de expressões simples e em prosa clara, os intrincados meandros da ciência. Em popularidade e celebridade ele pode ser comparado ao seu contemporâneo Carl Sagan, astrônomo e cientista espacial, outro escritor e cientista visionário, odiado pelos acadêmicos devido ao seu natural brilho estrelar, falecido em 1996, e, como Gould, vitimado por um câncer(*). Ambos acreditavam que a missão deles, como escritores de divulgação científica, era fazer o público ser “ menos temeroso da ciência para que não a vejam como arcana, monolítica e distante, mas como algo importante em suas vidas”. E, certamente, se assim não o fizessem, se não ocupassem os espaços existentes na mídia, deixariam o povo ao desabrigo, sujeito às maquinações dos bruxos, às artimanhas dos curandeiros, à perigosa convicção dos charlatães, dos ocultistas, dos quiromantes, e de toda a caterva que vive às custas da ignorância popular – “aos relatos espúrios que enganam os ingênuos”, como disse Sagan (in O mundo assombrado pelos demônios, p.20).

(*) Gould fez blague com Sagan, seu colega, dizendo que o amigo por ser um rapaz alto e elegante escolheu a astronomia, enquanto Gould, gorducho e baixo, apeteceu-se pela paleontologia.
Jay Gould e a Paleontologia - O equilíbrio pontual

Gould, entretanto, não foi somente um divulgador. Desde menino revelou-se um amante dos dinossauros. Tudo se deu a partir do dia em que o seu pai o levou a ver um Tyrannosaurus rex no American Museum of Natural History, de Nova Iorque, quando ele fez cinco anos. Sendo natural a adesão dele ao darwinismo, única doutrina cientifica e social séria seguida pelos norte-americanos. Procurou corrigi-lo, defendendo o Punctuated equilibria - a tese do equilíbrio pontual que o tornou famoso no meio dos estudiosos de ciência natural -, segundo a qual a evolução não se faz necessariamente aos poucos, de acordo com o phyletic gradualism, o gradualismo, como ainda hoje acreditam os neodarwinistas. As circunstâncias, o clima, a geografia, o inesperado, podem provocar o rápido surgimento de uma espécie, ou alterações substantivas na estrutura e na aparência delas. Pareceu-lhe bem plausível que algumas delas passassem por uma brusca mutação para depois estabilizarem-se, seguindo por séculos a fio sem conhecerem outras alterações. Ao gradualismo dos darwinistas ortodoxos ele opôs o espontaneísmo e o stop and go do pontualismo.

O gene regulador

E.Haeckel (1834-1919), o evolucionista alemão admirado por Gould
Defendeu, além disso - restaurando o antigo e desacreditado conceito de heterocronia, apresentado pelo alemão Ernst Haeckel em 1886 - a existência de um gene regulador, chamado de homeótico, provocado pela mudança do ambiente. Trata-se de uma espécie de autocorretivo que permite que certas espécies sofram modificações especiais, apresentando novos fenótipos, que só se processam localmente, não incidindo sobre as demais. Tudo isso levou-o, a este entusiasta da história natural, a defender um novo paradigma para o progresso, um modelo que enfatizasse não mais a complexidade mas a diversidade da vida, dando munição aos ambientalistas com sua crítica à visão excessivamente antropocêntrica que mantemos sobre as coisas do mundo. Ao ver a historia da vida como algo não necessariamente progressivo e muito menos previsível, como era crença entre os naturalistas evolucionistas da época de Darwin, afirmou que as criaturas da terra estão evolvidas em meio a uma série de eventos contingentes e fortuitos que as alteram significativamente. Do mesmo modo que Darwin pagou seu tributo a fé otimista no progresso ininterrupto do seu tempo, Gould, cedendo ao relativismo e ao multiculturalismo ( que desde os anos 60 tomou de assalto os campi universitários dos Estados Unidos), assegurou que a suprema excelência da vida dá-se pela variedade e diversidade dela. De certo modo ele foi o introdutor do politicamente correto nos estudos evolucionistas do seu tempo.
Um ardente polemista

Jay Gould, lembrando a impetuosidade dos ianques, gostava de desafios, de lançar-se em eruditas polêmicas, brandindo para tanto o martelo dos paleontólogos. Além dos que ele denominou de fundamentalistas darwinianos e dos racistas, os seus adversários favoritos eram os criacionistas, os teólogos cristãos que, especialmente nos estados do sul dos Estados Unidos, combatem o evolucionismo por acreditá-lo doutrina atéia. Afinal a teoria da evolução, ao dotar o Homem de um passado simiesco, equiparando-o às demais espécies existentes na Terra, desmente o Gênese. Para o paleontólogo, ao revés, o Homem é fruto da Natureza e de si mesmo, não de um sopro divino. Ou como ele disse a respeito de Darwin, endossando-o “Nada de leis supremas sobre o bem das espécies ou dos ecossistemas, nenhum regulador sábio e vigilante nos céus – apenas organismos lutando”(Zoonomia” in O Sorriso do Flamingo, Cia das Letras, p.31) e exceções. De fato, ele era um deslumbrando pela vida, Gould era mesmo ouro!

sexta-feira, 21 de maio de 2010


João Batista Canto - Pedagogo


Publicação: 5/10/2009. Atualização: 5/10/2009.

Trabalho realizado em comemoração ao Dia da Ave - 5 de outubro de 2009.

Na presente pesquisa procuramos destacar as aves que dão nome a logradouros públicos: ruas, avenidas,alamedas, praças, vielas, passagens de pedestre, na cidade de São Paulo especificamente, e na Grande São Paulo. Para não sermos repetitivos fixamos uma norma ou seja: o logradouro citado no início será sempre rua, os demais serão mencionados, por exemplo, Avenida, Praça, etc. Está lançado, ainda o Distrito a que pertence o logradouro na cidade de São Paulo e os municípios da Grande São Paulo.

ACAUÃ – Foi merecedor de uma música, interpretada por Gal Costa. Distrito de São Miguel Paulista e Itapecerica da Serra.

ÁGUIA – nome comum dado a algumas aves de rapina, carnívoras. As águias são símbolos usados em diversas culturas e contextos. No Brasil como símbolo e mascote do GRES Portela, como símbolo e mascote do Club São José Esporte Clube, como símbolo e mascote do Vitória Futebol Clube (ES). Ainda é animal nacional dos EUA e mascote e símbolo do Clube Sport Lisboa e Benfica. Distrito do Jaraguá, municípios de Osasco, Poá; Passagem em Diadema e São Bernardo._

ÁGUIA CHILENA – É uma águia encontrada nas regiões montanhosas e campestres. Ela se distribui pela Cordilheira dos Andes até Colômbia e Venezuela e norte da Argentina e sul do Brasil. É conhecida como gavião da serra. Pode ser achada nas montanhas da Chapada Diamantina – Bahia e ainda em Minas Gerais. Roberto Carlos e Erasmo Carlos compuseram uma música dedicada a esta ave. Distrito de São Miguel.

ÁGUIA DOURADA – Ave de rapina, existente em Portugal, Eurásia, norte da África e América do Norte. A Águia é protegida pelo governo dos EUA e são consideradas ameaçadas de extinção. Distrito de São Mateus e município de Mauá.

ALBATROZ – Distrito do Ipiranga, Diadema, Itapecerica da Serra e Passagem em São Bernardo do Campo.

ALCAIDE – É o gaturamo-serrador, em alguns lugares conhecido como tieté. Este nome também é designação de um povoado da Província em Portugal. Distrito de Santo Amaro.

ALCATRAZ - Distrito do Jabaquara;

ALCATRAZES – Distrito de Santo Amaro; Distrito da Saúde.

ALEGRINHO – é um pássaro pequeno, modesto no tamanho e canto. Travessa na Vila Prudente.

ANAMBÉS – Distrito do Tatuapé.

ANAMBÉ PRETO – Distrito de Jabaquara.

ANDARILHOS – São pássaros comumente encontrados nos Estados de Goiás, Bahia, e Mato Grosso. Praça em São Caetano.

ANDORINHA – Este exemplar recebeu uma composição merecida de Lamartine Babo e João de Barro, o Braguinha: “Uma andorinha não faz verão”. Vários intérpretes. Edu Lobo também compôs uma canção. Hebe Camargo interpretou outra: “Andorinha preta”. Altemar Dutra dedicou a canção “Vai Andorinha”. Distrito de Perus, Municípios de Santo André, Santana do Parnaíba, Guarulhos, Osasco e Ribeirão Pires, Travessa em Jandira.

ANDORINHA CRISTAL – Acesso no Distrito do Grajaú.

ANDORINHAS - Distrito de Parelheiros, Praça em São Caetano do Sul.

ANDORINHAS DOS BEIRAIS – Distrito de Santo Amaro.

ANDORINHA DA MATA – Distrito de Itaquera.

ANDORINHA PEQUENA – Distrito de Capão Redondo.

ANDORINHA COLEIRA – Distrito de Santo Amaro.

ANDORINHAS – Distritos do Grajaú e São Miguel, Alameda no distrito do Tremembé. Praça em São Caetano do Sul, Avenida em São Bernardo no Parque dos Pássaros e uma passagem. Além dessas designações, vamos encontrar em Guarulhos, Mauá e uma Passagem em Diadema.

ANDORINHAS MIGRATÒRIAS – Distrito de Tremembé.

ANDORINHÕES – Jardim Jabaquara.

ANHEMBI – É nome de uma cidade do Estado de São Paulo. Distrito de Santo Amaro, Municípios de Osasco, Guarulhos e Santana do Parnaíba.

ANHINGA – Distrito de Grajaú.

ANHUMAS – Distrito de Vila Prudente, nome também dado a uma cidade do Estado de São Paulo.

ANUM BRANCO – Distrito de Santo Amaro.

ANUM DOURADO – Distrito de Santo Amaro.

ANUM PRETO – ou anu preto e anu no Pará. Recebeu uma homenagem de Lia Marchi, Juliana Saenger e Roberto Correa (compositores). Distrito de Santo Amaro.

ARAÇARI – Distrito de Itaim Bibi.

ARACUÃ – Distrito da Saúde.

ARAPAÇU – Distrito de Vila Formosa.

ARAPONGA – Cidades de Mauá, Osasco, Itaquaquecetuba e Santo André.

ARAPONGAS – Distrito de Brasilândia, cidades: São Bernardo do Campo, Diadema, Santo André, Carapicuíba, Embu, Guarulhos, Itapecerica da Serra. É também o nome de uma cidade no Estado do Paraná.

ARARA – Guarulhos, Osasco e uma viela em Guarulhos.

ARARA AZUL – O compositor Pedro Acelino Garcia homenageou esta ave com “Ararinha Azul”. Distrito Itaquera e município de Santo André.

ARARA PIRANGA – Distrito do Lageado e cidade de Santo André.

ARARAS – Distritos do Cambuci e Marsilac; municípios de Itaquaquecetuba, Ribeirão Pires; Alameda em Santana do Parnaíba, Travessa em Diadema. Avenida em São Bernardo do Campo,

no Parque dos pássaros e mais uma passagem em São Bernardo.

ARARAS AMARELAS – Distrito do Grajaú.

ARARAUNA – Distrito do Lajeado e via de pedestre no Distrito de Brasilândia.

ARARINHA AZUL – Pedro Acelino Garcia compôs uma bela música dedicada a esta ave: “Ararinha-azul”.Ave belíssima de porte e colorido é exclusiva do Brasil. Exuberante no seu colorido foi alvo de tráfico internacional de animais. Considerada em extinção. Seu habitat natural é a caatinga seca e as florestas ciliares abertas de pequenos afluentes temporários do Rio São Francisco, ocorrendo do extremo norte da Bahia ao sul do rio citado. Distrito do Jardim Ângela.

ASA BRANCA – Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira dedicaram uma música: “Asa Branca”, imortalizada pelo primeiro .Distritos de Jaguaré, Vila Carrão e Cangaíba.

ASSUM PRETO – Pássaro contemplado com uma música, letra de Humberto Teixeira na voz de Luiz Gonzaga; mais tarde Gilberto Gil também a interpretou. Distrito do Jaguaré.

ATOBÁ – Distrito de Perus.

AVESTRUZ – A maior ave existente. Distrito de Perus e Cachoeirinha. Municípios de Cotia e Osasco.

AVINHADO – Distrito de São Miguel Paulista e Osasco.

AVINHADOS - Alameda em Mairiporã.

AVOANTE – Distrito de Brasilândia.

AZULÃO – Heckel Tavares e Luiz Peixoto compuseram uma música dedicada a este pássaro encantador. Foi interpretada por José Tobias.Edu Lobo criou uma bela canção ao Azulão. Este mereceu uma composição de Jayme Ovalle e Manuel Bandeira e interpretação também de José Tobias. Outros artistas a interpretaram como Nara Leão e Inezita Barroso. Distrito de Grajaú e cidades de Cotia, São Caetano do Sul, Poá e Mairiporã.

AZULÕES – Distrito de Jabaquara e Praça em São Bernardo do Campo.

BARBUDINHO - Distrito de Socorro.

BATUIRA – Distrito da Saúde, cidades de Poá, Santo André São Bernardo; alameda em Itapecerica da Serra e Travessa em Guarulhos.

BACURAU – Conhecido como curiango, curiango comum, ju-jau. Ibijau, mede-leguas e acurana. Distrito de Itaquera e município Santo André.

BAGACEIRO – Presente quase em todo o Brasil, do extremo norte até São Paulo e Paraná. Distrito de Perus.

BEIJA-FLOR – É sempre uma referência cultural: aparece na cédula de 1 real, na música “cuitelinho” do folclore popular mineiro. Na música brasileira: ”Ai que saudade d’ocê”. Aparece no símbolo da prefeitura de Betim (Minas Gerais). Distritos de Anhanguera, Grajaú, Parelheiros, Perus; Municípios de Cotia, Embu, Guarulhos, Itapecerica da Serra, Itapevi, Itaquaquecetuba, Mauá, Osasco, Poá, e em São Bernardo do Campo no bairro Recanto dos Pássaros e, também uma passagem.

BEIJA-FLOR NATAL – Distrito do Grajaú.

BEIJA-FLORES – Alameda no Distrito do Tremembé.

BEM-TE-VI – Geraldinho Lins interpretou música em sua homenagem. A música “Jardim da fantasia” foi gravada em São Paulo por Paulinho Pedra Azul, no período em que viveu em São Paulo: “Bem te vi...bem te vi”. A dupla Leandro e Leonardo interpreta uma bela música homenageando o Bem te vi. Outra artista, Tetê Espíndola interpreta outra canção: “Bem te vi”. Distritos: Grajaú, Jaguaré, Parelheiros, Perus, Moema; Estrada dos bem-te-vis no Jardim Ângela. Municípios de Embu, Guarulhos, Osasco, Santo André. Em São Bernardo há uma passagem com este nome, e Diadema e Mauá contemplam com uma travessa.

BEM-TE-VI AMARELO – No Distrito do Grajaú existe um acesso com este nome.

BEM-TE-VI MARROM – Distrito do Grajaú.

BEM-TE-VIS – Em São Bernardo do Campo.

BICO DE LACRE – São Bernardo do Campo.

BIGODINHO – Travessa no Distrito de Tucuruvi.

BIGUÁ – Distrito de São Miguel Paulista e Santo André e São Caetano.

BIGUATINGA – É ave palmípede. Distrito de São Miguel Paulista.

BREJAL – Distrito do Tatuapé. É ainda, nome de uma vila do município de Coroados, Estado de São Paulo.

CABEÇA ENCARNADA – Travessa no Distrito de Itaquera.

CABOCLINHO – Distrito de Santo Amaro.

CABURÉ – Distritos de Jabaquara e São Miguel Paulista..

CABURÉS DO SOL – Distrito de Santana.

CAMBACICA – Distrito de São Miguel Paulista.

CAMBAXIRRA – Distrito de São Miguel Paulista.

CANÁRIO – “Meu canário” é a canção composta por Jaime Silva que Mariza Monte interpreta em sua homenagem. Distritos: Grajaú, Perus, Parelheiros, Moema e municípios de Caieiras, Diadema, Guarulhos Osasco, Santana do Parnaíba.

CANÁRIO BELGA – A origem é a Bélgica, é claro, entretanto apenas a linhagem a que ele pertence é que veio de lá, pois os antepassados têm raízes nas Ilhas Canárias. Em virtude da sua origem estrangeira não precisa de autorização do Ibama para tê-lo em gaiolas. Distrito de Grajaú ( Rua e Acesso)

CANÁRIO DA TERRA – “Canarinho prisioneiro” é uma música interpretada por duas duplas: Praião e Prainha e Chico Rey e Paraná. Uma Praça no Distrito da Cangaíba.

CANÁRIO DO BREJO – Distrito de Grajaú.

CANÁRIO DO REINO – Nome este inspirou uma música interpretada por Edson Cordeiro e Tim Maia. Composição de Carvalho e Zapatta. Distrito da Brasilândia.

CANÁRIO NATAL – Distrito de Grajaú.

Canário Persa – Distrito do Jabaquara.

CANÁRIOS – Embu, F. de Vasconcelos, Mauá, Ribeirão Pires, Cotia e uma Praça em São Bernardo .

CANELEIROS – Pertencem à família dos cotingídeos, entre eles o pavó, a araponga. Município de São Bernardo.

canjica – Distrito de São Miguel.

carauna – Também chamado de tapicuru foi contemplado no

Distrito de Pinheiros.

CARAXUÉs – Distrito de Santo Amaro.

cardeal – Distrito do Grajaú, Parelheiros, Tucuruvi. Municípios de Diadema, Embu, Guarulhos, osasco, Itaquaquecetuba ( avenida) e passagem em São Bernardo.

cardeal tangará – Distrito de Brasilândia.

CARDEAIS – Alameda no Distrito de Tremembé, Alameda em Mairiporã, e Praça em São Bernardo.

cardeais do campo – Distrito de Tremembé.

casaca de couro – O pássaro é conhecido, também, como jacapanim. Distrito de Tremembé.

Cauré – Este pássaro, na amazonia é conhecido como coleirinha. Distrito do Tucuruvi.

Chororó – Distrito de São Miguel Paulista.

Chupim – Distrito de Grajaú.

cisne azul – Distrito de Grajaú.

cisne branco – Distrito do Butantã.

cisne imperial –. Município de Jandira.

cisne negro – Distrito do Jaraguá e Município de Jandira.

cisne real – Distrito de Jabaquara, municípios de Embu e Ferraz de Vasconcelos.

Codorna – Distrito de São Miguel e Município de São Bernardo.

coleirinha – Distrito de São Miguel e Parelheiros.

coleirinhas – Praça em São Bernardo.

coleiro de brejo – Travessa – Distrito do Tatuapé.

colibri – Distritos: Moema, Parelheiros, Penha. Municípios de Guarulhos, Diadema e Alameda em Itapecerica da Serra.

Colibris –. Município de Ferraz de Vasconcelos.

colibris da serra – Distrito de Tremembé.

corruíra – Recebe uma citação na música: “O pulo do gato” com Tião Carreiro e Pardinho. Município de Santo André.

corruíras – Distrito de Jabaquara e Município de São Bernardo.

corruíra do brejo – Distrito de Itaquera.

corruiraçu – Distrito de Brasilândia.

corrupião – Distrito de São Miguel e Município de Santo André.

coruja – Passagem em São Bernardo.

coruja do campo – Distrito São Rafael.

corujas – Avenida em Pinheiros e Município de São Bernardo; Avenida do sítio das corujas no Distrito de Grajaú.

cotinga – É o chamado anhambé-azul, e conhecido também como bacaca, catingá, curuá ou quiruá. Distrito de São Miguel.

cotinguinha – Distrito da Saúde.

COTOVIA - É uma ave típica da Europa. Mereceu o apreço e foi contemplada com uma avenida no Distrito de Moema. Aparece ainda, com uma Alameda em Itapecerica da Serra e no município de Diadema (rua).

cotovia branca – Distrito de Grajaú.

cotovias – Distrito de Santana.

curiangos – Distrito de Itaquera.

curió – Correu mundo sua fama de tuba canora. Tem o direito de ser colocado na galeria dos nossos grandes mestres cantores. São cantores de ofício e de raça. Distrito de Parelheiros e Perus, municípios de Embu, Guarulhos e Osasco. Em Diadema uma Avenida e uma Travessa.

curió cristal – Distrito de Grajaú.

curiós – Distrito de Santana, municípios de Cotia, Taboão da Serra. Praça em São Bernardo.

ema – Com música de João do Vale e diversos intérpretes como Jackson do Pandeiro, Zé Ramalho “O canto da ema” é lembrado. Distrito de José Bonifácio, município de Santo André, passagem em São Bernardo, Avenida no Distrito de Grajaú e Viela em Guarulhos.

falcão – Município de Cotia, município de São Bernardo no recanto dos pássaros e mais uma passagem.

falcão peregrino – Esta ave é também chamada de falcão real. Distrito de Grajaú.

falcões – Distrito de Anhanguera e município de Guarulhos.

FLAMINGO – Municípios de Cotia, Santo André. Avenida no Distrito de São Miguel e São Bernardo e uma passagem em São Bernardo.

Foguetinho – Este pássaro os mineiros chamam de caminheiro. Distrito de Socorro.

fragata – Distrito de São Miguel.

furriel – Distrito de São Miguel.

gaivota – Nas praias e nas encostas marítimas são vistas sempre em grupo. Distritos: Moema, Jardim Ângela, Parelheiros, Perus, além dos municípios de Diadema, Embu, Guarulhos, Osasco e Poá.

gaivota-cinza – Distrito de Parelheiros.

gaivota-preta – Município de Guarulhos.

gaivotas – Avenida e viela no Distrito de Grajaú; rua e passagem em São Bernardo.

gaivotas atlanticas – Distrito de Tremembé;

gaivotas do céu – Distrito de Grajaú.

gaivotas do lago – Distrito de Grajaú, no Parque Residencial do Lago.

galo azul – Distrito de Marsilac.

ganso – Rua Ganso do Norte (nome genérico do flamingo) – Distrito de Ermelino Matarazzo.

gansos – Distrito do Carrão.

garça – Esta ave é lembrada na música composta por Villa Lobos e Dora Vasconcelos e interpretação de Nei Matogrosso. Municípios de Guarulhos, Carapicuíba (duas ruas), Itaquaquecetuba, Osasco, Poá, São Caetano.

garça branca - É o nome de uma composição de Gralha Azul e sua interpretação. Vieira e Vieirinha interpretam outra música em homenagem à garça branca. Cláudio Nucci interpreta outra música tendo como título “Garça Branca”. Raul Torres e Florêncio também homenageiam a ave. Acesso no Distrito de Parelheiros.

garça morena – A garça morena é a mesma que a garça azul. Distrito de Guaianases.

garça real – Distrito do Carrão.

garças – Distritos de Parelheiros, Grajaú no Parque Residencial do Lago. Municípios de Carapicuíba, Ferraz de Vasconcelos, São Bernardo no Parque dos Pássaros e uma passagem neste último.

gaturamo – Município de Santo André.

Gaturamos – Distrito de São Miguel.

gaudério – Este pássaro é chamado no norte de azulão, em Minas de carixo ou corixo e corrixo, no Rio é conhecido como vira, em São Paulo como vira e chopim. Distrito Cidade Dutra.

Gavião bELO – O gavião foi lembrado em uma cantiga de roda, composição de Sidney Miller e interpretação de Nara Leão. Distrito de Grajaú.

gAVIÃO AZUL – Travessa: Distrito de cachoeirinha.

gAVIÃO pESCADOR – Distrito de Itaquera.

GAVIÃO REAL – Distrito de Perus e município de Santo André.

GRALHA – Ave bela e inteligente a gralha tem no Brasil oito espécies, entre elas a Gralha Azul. Esta ave é símbolo do Estado do Paraná através da Lei 7.957 de 21 de novembro de 1984. Distrito de Pirituba e município de Diadema.

gRALHAS – São Bernardo e Alameda das gralhas no Distrito de Marsilac.

GUANAMBI – Distrito de Itaquera, Praça em São Miguel, São Bernardo. É nome ainda de um município na Bahia.

GRAUNA – Distrito de Moema, município de Guarulhos; Travessa Canto da Graúna no Distrito

do Tatuapé.

GRAÚNA DA MATA – Distrito do Grajaú.

GRAÚNAS – Município de São Bernardo do Campo.

GUARÁ ou AGUARÁ – Distrito da Casa Verde e municípios de Guarulhos e Itaquaquecetuba.

GUARANDI – Município de Ferraz de Vasconcelos.

GUARATÁ – Município de Guarulhos.

GUARUBA – Distrito de Guaianases.

GUAXE – Município de Cotia.

GURINHATÃ – Ou Guriatã, Conhecido também como Gaturamo (Pernambuco e Bahia). É chamado em Rondonia de tico-tico do campo e em Pernambuco de saíra amarela. Tal pássaro inspirou uma antiga cantiga de 1930, criada por Ratinho: “Guriatã de coqueiro/Fugiu da sua gaiola/Bateu asa e foi-se embora/”. Inspirou também o escritor Marcus Accioly a escrever o livro Guriatã, onde é o próprio pássaro quem canta/conta a história de um menino. Eis uma bela voz de ouro.Distrito da Brasilândia.

HARPIA – É a ave mais pesada e uma das maiores aves de rapina do mundo. É conhecida como gavião-real ou uiraçu-verdadeiro. Encontrada na Américas do Sul e Central. Distrito de São Miguel e município de Santo André.

HARPIAS AMAZONENSES – Seu habitat, no Brasil é principalmente no Amazonas. Distrito do Tremembé.

IBIJAÚ – É um gênero de pássaro da América do Sul. Distrito de Moema.

INHAPIM – Conhecido como: primavera, rouxinol de encontro-amarelo (Amazonas), encontro (RGS), soldado e xexéu de banana. Distrito do Carrão e município de Cotia.

INHAMBU – Segundo alguns pesquisadores pode ter existido na região de Moema, daí constar seu nome como rua no Distrito de Moema. João Só lhe prestou um tributo com uma música. Com composição de Serrinha e Campos a dupla sertaneja Chitãozinho e Xororó presta homenagem com seu estilo sertanejo na música “Inhambu-Xintã e o Xororó”. Tonico e Tinoco, dupla mais antiga gravou esta música. Inezita Barroso também o fez. Município de Santo André; Passagem em Santana do Parnaíba.

INHAMBUGUAÇU – Distrito de Cidade Ademar.

INHAÚMA – Distrito da Barra funda. É nome também de dois municípios um em Minas Gerais e outro no Rio de Janeiro.

INHUMA – Esta ave é símbolo do Estado de Goiás, por Lei Estadual de 1968. Município de Guarulhos na Grande São Paulo.

INHUMAS – Distrito de Vila Maria e Município de Goiás.

IPEQUI – Distrito de São Miguel.

IRAPURU – Distrito da Freguesia do Ó, Municípios de Ribeirão Pires, Osasco e Guarulhos.

IRATAUÁ – Ave exclusiva da Amazônia e também chamado na de uiratauá. Pássaro colorido de amarelo e preto. Distrito de Brasilândia.

IRAÚNA – Conhecido como graúna. Distrito de Itaim Bibi, município de Santo André e Alameda em Itapecerica da Serra.

IRERÊ – Avenida no Distrito da Saúde.

JABURU – Conhecido como tuiuú, tuiuguaçu, tuinim. Distrito de Jardim Helena.

JACAMAR – Distrito de Santo Amaro.

JAÇANÃ – Avenida Distrito de Tucuruvi; Municípios de Diadema, Embu, Itapevi e por duas ruas em Santo André.

JACUPEMBA – Em Santo André.

JACUTINGA – Pode ter existido na região de Moema, nome de rua no mesmo distrito e Municípios de Arujá, Guarulhos (duas ruas), Taboão da Serra e Santo André.

JANDAIA – Distrito da Liberdade.

JAÓ - Distrito de Campo Grande e Município de Santo André.

JAPIM – Esta ave tem o dom de imitar as outras aves e chega até a imitar vozes de outros animais, Certa história popular ameríndia inspirou Humberto de Campos a escrever um soneto: “O Japim”, (um Conto do Alto Tocantisns). Japim também é chamado de XEXÉU. Distrito de Vila Medeiros.

JAPIRA – Distrito do Tucuruvi. Município de Carapicuíba, Taboão da Serra e viela em Guarulhos. Este nome também é designação de um município do Estado do Paraná.

JAPU – É um pássaro grande e imponente uma das mais belas figuras da aviária brasileira. Interessante e curioso é o ninho deste pássaro: confecciona-o pendurado, verdadeiro artefato, uma espécie de uma bolsa. Distrito de Socorro.

JOÃO DE BARRO – É um pássaro forneiro, trabalhador, inteligente, construtor de sua moradia característica. Justa homenagem lhe foi atribuída com uma composição de Teddy Vieira/Cury: “Para ser feliz como eu”... Muitas lendas cercam este pássaro. Distrito de Parelheiros. Municípios de Cotia Osasco e Passagem em São Bernardo do Campo.

JOÃO TENENÉM – Conhecido também como joão tiriri, bentererê e bentereré. Travessa no Distrito de Santo Amaro.

JURITI – Uma canção amazônica do nome desta ave homenageou-a com letra de Jorge Hurley. Rua em Perus e municípios de Poá Santo André e São Bernardo, Avenida no Distrito de Moema.

J URITI AZUL – Distrito de São Miguel.

JURITI DO CAMPO – Distrito de Grajaú.

JURITI MARROM – Acesso em Grajaú.

JURITI PIRANGA – Distrito de Cangaíba.

JURITIS – Vila dos Palmares próxima de Santana do Parnaíba.

JURITIS PAULISTAS - Distrito do Tremembé.

Observação: Curioso notar que em Perdizes existe uma rua designada Choro da Juriti – nome de uma peça de teatro, e referência a Ave Juriti.

JURUAÇU – É bom lembrar que Juruaçu é designação tupi do papagaio, Juru de Ajuru. Distrito de Santo Amaro.

JURUVIARA – Distrito de São Miguel Paulista.

MAÇARICO – Ave pernalta, aquática e arisca inspirou a dança originária de Cametá. Habitante dos rios do Pará e Amazonas, com movimento saltitante e acelerado deu origem ao movimento coreográfico desenvolvido em pares e de forma acelerada. Distrito de Grajaú, rua localizada no Bairro que se chama Jardim Sabiá.

MACUCO – Provavelmente existiu na região de Moema em outros tempos, pois vive nas matas e tem habitat restrito. Municípios de Embu, Santo André e Itapevi e Avenida no Distrito de Moema.

MACUCOS – São Bernardo e Poá.

MAGUARI – Distrito de Santo Amaro.

MANDARINS – Na ciência este pássaro presta sua contribuição. O mapeamento genético traz surpresas também na investigação dos mistérios da natureza. É o caso do sequenciamento do genoma do mandarim, pássaro originário da Oceania que nasce sem saber cantar e ele tem que aprender - como o mesmo se dá com a fala dos seres humanos. Potencialmente o estudo do mandarim vai ajudar a entender as raízes genéticas da dislexia e da gagueira nas pessoas. Nome de uma Praça em São Bernardo.

MARIA PRETA – Praça no Distrito de São Miguel e Município de Ferraz de Vasconcelos.

MARRECAS – Distrito de Guaianases.

MARTIM PESCADOR – Distrito do Tatuapé.

MATIMPERERÊ – Conhecida pelo canto que lembra a palavra “Saci” o que lhe valeu o nome. Está presente em todo o Brasil. Distrito da Brasilândia.

MELRO – Com a composição de Pedro Martins e interpretação de Deolinda este pássaro é homenageado. Município de Dadema.

MELROS – Distrito de Sapopemba.

MERGULHÃO – Município de Santo André.

MONOS – Estrada dos Monos no Distrito do Parque do Carmo.

MUTUM – Distrito de São Miguel.

NAGAÇA – Distrito do Jardim Ângela.

NARCEJA – Distrito de São Miguel.

PAPA-CAPIM – Distrito de Grajaú.

PAPA-PIRI – Distrito de São Miguel.

PAPA-TAOCA – Este pássaro é chamado também de Papa-Formiga. Distrito de Cidade Dutra.

PAPAGAIO – Com alguma freqüência esta ave aparece nas piadas de humor com participação ativa e engraçada. Mas sempre é objeto de afeição de muitos seres humanos que o querem muito bem. E agora recentemente deu origem a um livro intitulado: “Alex e eu” da cientista norte americana Irene Pepperrg, relatando o convívio de 30 anos com um papagaio africano desvendando o cérebro da ave. Mostrou então como o cérebro pode funcionar quando estimulado, independentemente de seu tamanho.Distrito de Perus e Município de Poá.

PAPAGAIOS – Distrito do Parque São Lucas, Alameda em Mairiporã, Vielas nas cidades de Mauá e Guarulhos.

Observação: Rua Terra dos papagaios – uma das primeiras denominações do Brasil, dada pelos europeus, tendo em vista encontrarem grande número dessas aves em nosso território.

Rua Ilha dos papagaios. Fica no Distrito do Parque São Lucas, divisa com Santo André.

PARDAIS – Municípios de Guarulhos e São Bernardo.

PARDAL – Pássaro exótico da Ásia no Brasil chegou por encomenda do prefeito Pereira Passos a um amigo de Paris. Encontrou o pardal o meio propício para crescer e multiplicar-se. Vive em nosso meio, hoje como se pertencesse a fauna da América. Com a música “Pássaro da Vida”, Sérgio Lopes cita o pardal: “Ah meu pardal”. Distritos do Canindé, Parelheiros. Municípios de Guarulhos, Osasco e Poá.

PARDAL CINZA – Acesso no Distrito de Parelheiros.

PASSARINHO – “Canta, canta passarinho”, em estilo forró Geraldo Azevedo e Carlos Fernando (compositores) homenagearam estas aves, com interpretação de Elba Ramalho; também lhe foi dedicado uma composição, estilo MPB de Tuzé de Abreu interpretado por Gal Costa. Município de Cotia. (Beco)

PASSARINHOS – Distrito de São Miguel e Praça no Butantã.

PÁSSARO DA PAZ – Distrito de Cachoeirinha.

PÁSSARO PRETO – A dupla Vieira e Vieirinha contemplam com um tributo com “Canta pássaro preto”. Distrito de Cangaíba, em Ribeirão Pires e Viela em Mauá.

PÁSSARO SOL – Um pássaro da família dos anambés-preto.Ao amanhecer o dia levanta vôo e afunda-se na imensidão, desaparecendo entre as nuvens, só descendo por volta do meio dia, segundo a crença. Foi fazer uma visita ao sol, daí a origem do seu nome. Distrito Penha.

PASSAROLA – Distrito do Tatuapé.

PÁSSAROS - Djavan compôs uma música dedicada a este pássaro. Sendo que o Quarteto em Cy a interpretou. Mas não só nisto. “Notícias do Brasil, os pássaros trazem” composição de M. Nascimento e Fernand Brant, interpretado por Wagner Tiso, além de Miltom Nascimento. E mais. Claudia Leite interpretou uma música dedicada aos pássaros. Distrito da Mooca, Grajaú, Itaim Bibi. Cidades de São Bernardo do Campo, Guarulhos, Diadema e mais uma travessa em São Bernardo.


PATATIVA – Com este título, Vicente Celestino eternizou uma canção entre as gerações mais antigas. Distrito de São Miguel e Parelheiros, Municípios de Guarulhos e Osasco.

PATATIVA DO AGRESTE – Distrito do Grajaú.

PATATIVAS – São Bernardo, Taboão da Serra e Jandira.

PATOS – Rua Ilha dos Patos, no Distrito de Pirituba. Rua dos Patos: Município de Guarulhos.

PATOS DE MINAS – Distrito de São Mateus e município de Guarulhos. É também o nome de um município mineiro.

PATO BRANCO – Distrito de Santana.

PATURI – Distrito de Socorro e em Carapicuíba, no Parque dos Paturis.

PAVÃO – É uma espécie não originária do Brasil, mas natural do Sri Lanka e da Índia. Recebeu sua homenagem, sendo dado o nome a uma Avenida no Distrito de Moema.

PAVÃO DO PARÁ – Distrito do Jaguaré.

PAVÃO O NORTE – Município de Osasco.

PAVÓ – Gosta de viver bem no topo das árvores, no coração da floresta, é de ânimo tranqüilo. Distrito de São Miguel.

PELICANO – Distrito de São Miguel.

PERDIZ – Município de Poá.

PERDIZES – Distrito da Barra Funda. Municípios de Cotia, Embu, São Bernardo, Arujá e Praça em Jandira.

PERIQUITO – Distrito de Moema, Municípios de Cotia, Embu e Poá, via de pedestre no Distrito de Jabaquara.

PERIQUITO VERDE – Também conhecido como periquito rico. Distrito do Jabaquara.

PICA – PAU – Deu origem a criação na década de 40 a um desenho animado. Distrito de Parelheiros e Perus.

PICA – PAUS – Distrito do Jabaquara e Praça em São Bernardo.

PICHARROS – Distritos: Tremembé e Parelheiros.

PINTASSILGO – Distrito de Parelheiros e Moema.

PICHOCHÓ – Distrito do Tucuruvi.

PIXOXÓ – Município de Diadema.

PIXOXÓ DA SERRA – Distrito de Parelheiros.

POAEIRO – Distrito de Itaquera.

POMBA DO AR – Distrito do Butantã.

POMBA DO CABO – Distrito do Grajaú.

POMBA DO MAR – Distrito Cidade Dutra.

POMBA MINEIRA – Distrito de São Miguel.

POMBA TROCÁZ – Distrito Cidade Dutra.

POMBA DO SERTÃO – Rolando Boldrin interpretou uma música dedicada ao “pombo do mato”. Distrito de Cachoeirinha.

POMBO – Praça em Moema.

POMBO CORREIO – Mereceu uma homenagem na composição de Moraes Moreira/Dodô/Osmar, uma interpretação de Moraes Moreira. Gilberto Alves também gravou uma música em homenagem ao pombo correio, Distrito de São Miguel.

POMBOS – Município de Guarulhos.

PREBIXIM – É o mesmo pássaro chamado de sabiá-tinga. Distrito de Itaim Bibi.

PRÍNCIPE – Este pássaro é designado também de verão. Distrito de Perus.

QUEM-QUEM – Distrito de Itaquera.

QUERO-QUERO – É ave símbolo do Estado do Rio Grande do Sul, através da Lei 7.418 de dezembro de 1980. Foi homenageado na composição de Celito Espíndola, Dino Rocha e Paulo Simões. Esta música foi interpretada por Chalana de Prata e Paulo Simões. “Quero quero gralha azul” é outra música de letra magnífica de Neto Fagundes. Distrito de Jaguaré.

QUIRIQUIRI – Distrito de Grajaú.

QUIRUÁ – Vive esta ave nas florestas da costa atlântica da Bahia ao Rio de Janeiro. Distrito de São Miguel.

RENDEIRA – Atangará-tinga e rendeira branca são designações desta ave. Distrito de Brasilândia.

ROLINHAS – Uma chula marajoara lhe é dedicada pelo compositor e poeta Waldemar Henrique. Distrito de Jabaquara. Distrito de Jabaquara e São Bernardo.

ROUXINOIS – Distrito de Moema e município de São Bernardo.

ROUXINOIS AMARELOS – Distrito de Tremembé.

ROUXINOL – É um pássaro típico da Europa. Gilberto Gil interpreta a melodia em sua homenagem. Milton Nascimento também compôs “O rouxinol”. Distritos de Moema e Parelheiros, Municípios de Santo André, Diadema, Osasco, Mogi das Cruzes, Mauá, São Bernardo, Guarulhos, Embu. Avenida no Distrito de Jaguaré e uma passagem em São Bernardo.

SABIÁ – “Sabiá na gaiola” é uma canção sertaneja dedicada a esta ave, composta por Adelaide Chiozzo. Um samba “Um ser de luz” João Nogueira lhe dedicou. “À noite belo canto do sabiá” é outra música dedicada ao sabiá pelo Berço do samba de São Mateus. “Sabiá” recebeu homenagem de Luiz Gonzaga e Zé Dantas. Chico Buarque e Tom Jobim criaram uma música de título: ”Sabiá”. Roberta Miranda compôs “Sua Majestade o sabiá”, além de sua interpretação temos as de: Chitãozinho e Chororó e Jair Rodrigues. Distritos: Moema, Parelheiros, Jaçanã, Tucuruvi e duas no Grajaú, nos bairros: Chácara Cantinho do Céu e Cidade Luz. Avenida no Distrito de Moema.

SABIÁ BRANCO – Distrito do Jaguaré.

SABIÁ CASTANHO – É a denominação de uma via de pedestre no Distrito de Brasilândia.

SABIÁ COLEIRA – Pião Carreiro e Mulatinho dedicam uma música esta ave. Distrito do Jardim Ângela.

SABIÁ DA PRAIA – Distrito de José Bonifácio.

SABIÁ DAS PAINEIRAS – Distrito do Grajaú.

SABIÁ DO CAMPO – Distrito de Brasilandia.

SABIÁ LARANJEIRA – O sabiá é a ave Nacional do Brasil, teve consagração literária nos versos inesquecíveis do poeta Gonçalves Dias: “Minha terra tem palmeiras/Onde canta o sabiá.” (...) Na música este pássaro conhecido e querido, de canto suave faz parte de composições musicais: “Canto do sabiá” – Jorge Mautner; “Eu e o sabiá” - Chitãozinho e Chororó; “Sabiá” de Luiz Gonzaga e Humberto Dantas, gravado também em 1971 por Clara Nunes e mais recentemente por Marina Elali, neta de Dantas.Distritos: Parelheiros e São Miguel.

SABIÁ PIRANGA – Via de pedestre no Distrito do Tucuruvi.

SABIÁ PARDO – Travessa no Distrito de Brasilândia.

SABIÁ POCA – Distrito de Cidade Dutra.

SABIÁPIRI – Este pássaro é conhecido, também como sabiá laranjeira. Distrito de Jardim Ângela.

SABIÁS – Rua Sabiás da Cantareira, no Distrito de Tremembé.

SABIÁUNA – Distrito de São Miguel.

SACI – É uma ave esperta e como tal enganadora, às vezes aproveitadora, pois guarda seus ovos em ninho alheio. Facilmente engana pelo canto e nunca se sabe com certeza onde esteja. Distrito do Jaraguá.

SAÍ-AÇU – Distrito do Jardim Ângela.

SAÍ DE SETE CORES – Distrito de Itaim Bibi.

SAÍ-GUAÇU – Distrito de Grajaú.

SAÍRA – Distrito de Itaquera.

SAÍRAS – No município de São Bernardo.

SANHAÇO – AZUL – Distrito do Jardim Ângela, Travessa no Distrito do Jaguaré.

SANHAÇO DO COQUEIRO – Distrito do Itaim Bibi.

SANHAÇOS – Praça em São Bernardo.

SANHAÇU – Município de Cotia.

SARACURA – Distrito de Cidade Dutra e município de Cotia.

SARACURA – SANÃ – Distrito de São Miguel.

SARACURAS – Em São Bernardo uma rua e uma passagem.

SERIEMA – A esta ave foram dedicados: com a inesquecível dupla Tonico e Tinoco, composição de Mario Zan e Nhô Pai: “Seriema” Mais tarde Tetê Espíndola a interpretou. Outra, “Seriema”: com Chico Lobo ( compositor e intérprete ) – E ainda, música em estilo rasqueado, composição de José Mendes e Leonel Santos, interpretação do próprio Mendes: “Canto da Seriema”.Distrito de Itaquera.

SIRIRI – Distrito de Ermelino Matarazzo e é também o nome de um município de Sergipe.

SOFRÊ – Por este nome o corrupião é chamado na Bahia. Todos os corrupiões são bons cantadores, muitas vezes são imitadores do canto de outras aves bem como trechos de músicas. Por exemplo, o Hino Nacional. Distrito de São Miguel.

SOMBRIO – Distrito de Sapopemba e Município de Guarulhos.

SOVI – Esta ave é um gavião, denominado também de gavião-sauveiro. Distrito de São Miguel.

SURUCUÁS – Estão estas aves entre as mais belas. Há várias espécies e são aves das florestas. Ficam em posição intermediária, isto é, nem nas copas das árvores e nem no nível do solo. Distrito de Itaquera.

SURURINA – Ave conhecida como tururem na Bahia e tureiri e sovi (Amazonas e Pará). De canto nostálgico esta ave recebeu uma citação na música “Luar do sertão”, uma toada composta em 1914 por Catulo da Paixão Cearense e João Pernambuco e imortalizado pelo inesquecível Luiz Gonzaga. Travessa no Distrito do Rio Pequeno.

TACHÃ – Denominado também de Inhuma-poca. Distrito de São Miguel.

TAIAÇU – É nome de uma ave da espécie do Socó-boi, cuja voz parece um mugido. É também o nome de uma cidade do interior paulista.

TAIAÇUIRA – Esta é uma ave conhecida como Jacu-estalo, Jacu-porco e jacu-molambo. Distrito de São Miguel.

TANGARÁ – É nome também de um município do Rio Grande do Norte. Distritos: Parelheiros e Vila Mariana. Municípios de Cotia, Diadema, Itaquaquecetuba, Poá. Em Santo André uma Praça e em Guarulhos uma viela.

TANGARÁS – Em São Bernardo no Parque dos Pássaros e mais uma passagem no Jardim Laura III.

TAPIRANGAS – Município de São Bernardo.

TEQUE-TEQUE – Distrito de Perus.

TICO-TICO – Zequinha de Abreu e Gomes compuseram um samba imortalizado por Carmem Miranda: “Tico-tico no fubá.” Distritos de Perus, Parelheiros, uma Praça em São Miguel. Municípios de Osasco, Ribeirão, Pires, Mauá.

TICO-TICO DO CAMPO – Distrito da Brasilândia.

TICO-TICOS – Praça em São Bernardo.

TIÊ – Este belo pássaro vermelho escarlate com asas e caudas negras é visto nas capoeiras e beiras de matas de Santa Catarina a Paraíba. Recebeu uma citação na composição de Heckel Tavares e interpretação de vários artistas como Luiz Gonzaga, Nara Leão e Fagner. Distrito do Belém.

TIÊTINGA – Distrito de São Miguel e Município de Cotia.

TIJUCA – Município de São Bernardo, viela em Carapicuiba.

TIJUCA PAULISTA – Distrito de Santana.

TIJUCAS DO SOL – Distrito de Sapopemba. Município de Guarulhos.

TINGUAÇU – Conhecido como alma de gato. Distrito do Jardim Luis.

TIRIBA – Distrito de Ermelino Matarazzo.

TRINADOS – Correspondem aos sons melodiosos produzidos por alguns pássaros; são gorgeios, trinos. Distrito de Parelheiros.

TUCANO – Distritos de Grajaú e Parelheiros (neste um Acesso). Municípios de Cotia, Guarulhos,

Poá, Santo André e uma Passagem em São Bernardo.

TUCANO-PRETO – Distrito de Parelheiros.

TUCANOS – Distrito da Penha, Alamedas no Jaguaré, Parelheiros e Tremembé. Município de Diadema e Carapicuíba.

TUIM – Distrito de Moema.

TUINS – Município de Jandira.

UIRAÇU – é o gavião de penacho – do tupi auirá + açu . Distrito do Jardim São Luis.

UIRAPURU – “Uirapuru, uirapuru seresteiro, cantador do meu sertão” letra de música de Jacobina e Murilo Latino, interpretação dos cantores do ébano; Este pássaro encantou também outros artistas. O maestro Villa-Lobos compôs em 1917, o poema sinfônico “Uirapuru” baseado no material do folclore coletado em viagens pelo Brasil. Waldemar Henrique, poeta e compositor dedicou também uma canção: ”Uirapuru”. Um samba enredo de 1975: “ O mundo fantástico do Uirapuru” composição de Tatu/Nezinho/Campo e interpretação de Jamelão foi outra homenagem ao belo pássaro.

Distritos: Parelheiros, uma Praça no Morumbi, uma passagem na Cidade Dutra e um

Acesso em Parelheiros. Municípios de Diadema, Embu, Itaquaquecetuba, Jandira, Poá, Ribeirão Pires, uma Praça em Santo André e uma Alameda em Itapecerica da Serra.

UIRAPURUS – Taboão da Serra, São Bernardo e Ferraz de Vasconcelos.

URU – É uma ave simpática, é parente selvagem das galinhas domésticas. É raro encontrá-la. Aparece somente nas primeiras horas do dia. No Brasil, esta família tem quatro espécies: o capoeira, o uru-da-guiana, o uru de topete e uma quarta espécie, encontrada em Roraima e Amapá, de cor areia. É de uma vila no município de Pirajuí, Estado de São Paulo. Distrito da Brasilândia e município de Itaquaquecetuba; e Guarulhos possui uma viela com o seu nome.

URUBURETAMA – Distrito de Guaianases, município de Guarulhos e nome de um município no Ceará.

URUTAÍ – Distrito da Brasilândia. Municípios de Santo André e Guarulhos e ainda é denominação de uma cidade do Estado de Goiás.

VIRA-FOLHAS – Distrito da Cidade Dutra, bem ao extremo.

VIRAPAÇU – Conhecido como Arapaçu ou Pica-pau. Praça em São Miguel.

XEXÉU – É o nome pelo qual o japim é conhecido. Está presente em toda a Amazônia indo para o sul até Mato Grosso do Sul e Goiás, sendo que de Pernambuco ao sul da Bahia também está presente. Distrito de Vila Maria.

ZABELÊ – É o nome dado ao Jaó-do-litoral, habitante da Mata Atlântica primitiva. Recebeu um tributo na composição de Torquato Neto: ”Zabelê”. Gil a interpretou, além de Nana Caymi. Distritos de Campo Belo, Jardim Helena e município de Santo André.

Fonte: http://www.ceo.org.br/



Luiz Fernando de Andrade Figueiredo

Publicação: 6/3/2009. Atualização:6/3/2009.

Com a exuberante biodiversidade que ocorre no território brasileiro, onde se encontra, por exemplo, em torno de 20% das espécies de aves do planeta, o povo brasileiro não poderia deixar de encontrar inspiração, para nomear as localidades e acidentes geográficos, nesses bichos e plantas.

Oitenta e dois municípios brasileiros têm nomes referentes a aves, o que equivale a 1,4%. O estado campeão com maior número de nomes referentes a aves é Minas Gerais com dezoito nomes, seguido por São Paulo, com doze. Seguem PR (8), BA (7), GO, PB, RS (5), ES, MT, PI, RN (3), MA (2), CE, PA, PE, RJ, RO, RR, SC, SE (1). Portanto, 20 estados têm pelo menos um nome referente a ave. Entretanto, proporcionalmente ao número de municípios em cada estado, Roraima é o estado que tem uma porcentagem maior de nomes referentes a aves (6,67%, 1 em 15). Seguem-se ES (3,85%), PB (2,24%), MT (2,13%), MG (2,11%), GO (2,03%), PR (2,01%), RO (1,92%), SP (1,86%), etc. Minas Gerais, campeã no número absoluto, fica em quinto lugar nessa avaliação, proporcionalmente a seus 853 municípios! Surpreendentemente, o estado do Amazonas, que abrange a maior extensão da floresta amazônica, não tem nenhum município com nome referente a ave! Há que se considerar, entretanto, como relata Mello (1967), que "quase todas as cidades do Estado do Amazonas tiveram, de início, uma denominação que a civilização julgou conveniente substituir, privando-lhes pelo menos, de possuírem um nome verdadeiramente original." A origem de muitos municípios, ao menos em Minas Gerais e São Paulo, se deu, após a região estar ocupada por um certo número de fazendas e, sentindo-se os fazendeiros católicos a necessidade de maior assistência espiritual, um deles doa parte de sua fazenda para a construção de uma capela. Ao redor desta vão surgindo as casas. (Barbosa 1971) Isto explica o fato de que uma característica recorrente em muitos nomes é que originalmente estavam ligados ao nome de algum santo ou santa. Posteriormente o nome é simplificado. Por exemplo, Santo Antonio da Parnaíba dos Patos, depois Santo Antonio dos Patos, depois Patos e por fim Patos de Minas. Aracaju é a única capital com nome referente a ave. Alguns municípios com nomes de aves têm nomes iguais: Inhaúma (MG e RJ), Tangará (RN e SC). Cinco municípios têm nomes referentes a provavelmente uma única ave, a anhuma, Anhima cornuta: Anhumas (SP), Inhaúma (MG e RJ), Inhuma (PI) e Inhumas (GO). Sete outras referem-se de forma genérica a ave de uma mesma família: Lagoa dos Patos (MG), Pato Bragado (PR), Pato Branco (PR), Patos (PB), Patos de Minas (MG), Patos do Piauí (PI), São João dos Patos (MA).

A origem de muitos dos nomes aqui compilados ainda é duvidosa, faltam maiores detalhes de sua origem. Muitos são decorrentes da língua indígena, que na verdade não era uma só, mas sim tinha várias famílias, línguas e dialetos, podendo uma mesma palavra ter diferentes significados em diferentes regiões e diferentes épocas, como adverte Fernando Costa Straube (inf. pessoal). Algumas interpretações são tentativas e precisam ser melhor investigadas. Em alguns casos, a administração municipal manifestou-se a favor de alguma interpretação e essa decisão é aqui acatada. Qualquer contribuição para esclarecer essas dúvidas e ampliar as informações sobre as relações desses nomes de municípios com as respectivas aves a que se referem, serão bem vindas. Certamente, em muitos casos, investigações ornitológicas são também necessárias e poderão contribuir para o esclarecimento da origem de alguns nomes, como se demonstra em alguns dos verbetes.

Acauã, PI

O nome teria sido escolhido pelo fato de que, próximo à estação de trem ali construída, de 1932 a 1940, havia árvores conhecidas como baraúnas e nestas um casal de acauãs fazia seu ninho. Todos os dias, pela manhã e tarde, cantavam seu notável canto, chamando a atenção dos primeiros moradores. (SESC Piauí) O nome, de origem tupi, é onomatopéico e refere-se ao Herpetotheres cachinnans (Sampaio 1987).

Trata-se de um falcão (família Falconidae). É famoso por seu canto lamurioso e prolongado, que para alguns é prenúncio de mau agouro. Ouça a voz do acauã no Xeno-Canto.

Águia Branca, ES

O nome originou-se do fato da região ter sido colonizada por poloneses e por existir na bandeira polonesa uma águia branca representada. (IBGE - Cidades @) Águia é nome genérico dado a algumas aves de rapina da ordem Falconiformes, sendo mais usado para designar espécies dessa ordem em outros países, já que nossas aves de rapina maiores são em geral chamadas de gaviões. Não se refere a nenhuma espécie em particular. Vide abaixo a bandeira da Polônia (essa bandeira, com o brasão, é destinada a uso em sedes diplomáticas, consulares e outras no exterior, e algumas outras situações particulares).

Aiuruoca, MG

De ajuru (os papagaios) + oca (casa, morada). "Morada dos papagaios, refúgio das araras". (Costa 1997) Próximo à cidade se encontra a serra dos Papagaios, nome que também confirma a presença dessas aves na região. Nessa região foi criada a Estação Ecológica do Papagaio, que é contígua ao Parque Nacional do Itatiaia, no estado do RJ.

O papagaio em questão é o papagaio-de-peito-roxo, Amazona vinacea, outrora bem comum na região. (Marcelo Ferreira de Vasconcelos, inf. pessoal).

Amargosa, BA

O nome originou-se de lenda de que existia uma pomba muito comum na região, que tinha esse nome pelo sabor de sua carne. Essas eram caçadas e os caçadores faziam o convite aos outros dizendo "vamos às amargosas?". (Ferreira 1957-1963)

O nome pomba-amargosa é dado a Patagioenas plumbea.

Andorinha, BA

Nome dado a diversas espécies da família Hirundinidae. São aves pequenas, insetívoras, caçando seu alimento em vôo. Uma das mais comuns é a andorinha-pequena-de-casa, Pygochelidon cyanoleuca.

A cidade originou-se de uma fazenda em frente à qual havia um rochedo branco chamado de “Morro das Andorinhas”, onde no final da tarde as andorinhas vinham pousar (IBGE - Cidades @). Essa fazenda transformou-se em ponto de encontro de tropeiros e viajantes e em volta dela começou a formar-se um pequeno povoado que deu origem à cidade (Site oficial).

É possível que as "andorinhas" que vinham dormir no morro sejam na realidade andorinhões (família Apodidae). Osmar Borges (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) informou que ao visitar essa localidade em 2004, constatou um grande número de andorinhões-de-coleira (Streptoprocne zonaris) voando bem baixo sobre a rodovia. A cidade fica no sopé de uma grande cadeia de serras de quartzito, lugar propício para estas aves. É, portanto, uma dúvida ornitológica a ser melhor investigada.

Anhembi, SP

Do tupi inhambu'y ou anhambi'y, "rio dos inhambús", ou "rio dos anhambis", neste último caso referindo-se a uma espécie de veado. Essa segunda interpretação recebe menos apoio por parte dos estudiosos. (Squeff & Ferreira 2003)

Inhambu é nome dado hoje a algumas aves da família dos tinamídeos, gênero Crypturellus. Três espécies são citadas para o município: inhambu-guaçu, inhambu-chororó e inhambu-chintã (Magalhães 1999). A primeira e última são aves florestais e a segunda habita campos. É, portanto, improvável que essas tenham sido as espécies envolvidas com a denominação da localidade, pois são em geral inconspícuas e não haveria certamente concentração delas próximo do rio para justificar o nome. Entretanto, Sampaio (1987) ao tratar desse topônimo, que também foi usado para designar o rio hoje chamado Tietê, na região da atual capital paulista, relaciona esse nome com a palavra inhamby, às vezes pronunciada inhambu, que designaria a perdiz, Rhynchotus rufescens, também um tinamídeo dos campos, e que seria muito abundante nos campos de Piratininga. Note-se que um bairro de São Paulo tem o nome de Perdizes. De fato, o município de Anhembi se situa em região onde originalmente existiam áreas de cerrado, ambiente típico dessa espécie.

Anhumas, SP

Do tupi anhyma (Squeff & Ferreira 2003). O nome foi dado pela presença das aves assim chamadas na região (IBGE - Cidades @, site oficial). É possível que o nome tenha sido dado em referência à existência ali de um rio homônimo (Ferreira 1957-1963, Squeff & Ferreira 2003). Refere-se a Anhima cornuta. O município se formou a partir de duas fazendas, uma das quais se chamava Anhumas. Foi provavelmente um bandeirante que batizou o rio com esse nome, "com certeza, também pela quantidade de anhumas que existiam na região e que hoje estão extintas". (Squeff & Ferreira 2003)

Aracaju, SE

Do tupi ará (arara ou papagaio) + acayú (caju). Cajueiro dos papagaios (Sampaio 1987) ou cajueiro das araras (IBGE - Cidades @).

Araçariguama, SP

Do tupi arasari-gû-a-ama (arasari: araçari, gû: comer, aba: lugar). "Futuro lugar de comer dos araçaris". O nome originou-se de uma fazenda homônima ali existente. Refere-se assim a uma característica da região, por ser "ponto de rota migratórias dos araçaris". (Squeff & Ferreira 2003) Sampaio (1987) interpreta como o comedouro ou cevadouro de araçaris. Um araçari é representado no brasão do município, bastante estilizado, mas pode-se supor ser Pteroglossus castanotis, pelo vermelho na base do bico.

Araguari, MG

Do tupi aráguá-r-y, a "água ou rio da baixada dos papagaios" (Sampaio 1987). Consta que o nome deve-se a existir no local grande número de periquitos que eram assim chamados (IBGE - Cidades @). A denominação do município foi dada em 1888.

Esse nome é citado para o periquitão-maracanã (Aratinga leucophthalma).

Araponga, MG

Do tupi: ara-ponga, alteração de guirá-ponga, "o pássaro martelante", cujo canto soa como a pancada de um martelo (Sampaio 1987). A denominação estaria relacionada com a Serra do Araponga, localizada no território do município (Biblioteca do IBGE). Antes chamada São Miguel do Araponga (1886), passou a chamar-se Araponga em 1962 (Barbosa 1971). Provavelmente o nome da serra e consequentemente do município decorre da presença ali da araponga (Wikipedia).

Araponga é o nome popular de Procnias nudicolis.

Arapongas, PR

O hino da cidade faz referência a aves:

Cidade dos Passarinhos
És o orgulho do sertão
Alegres e bem juntinhos
Cantamos tua fundação

A bandeira do município retrata aves brancas, certamente arapongas, Procnias nudicolis:

Arara, PB

Do tupi, palavra onomatopéica (Sampaio 1985). Consta que existiam na região muitas árvores chamadas baraúna, que serviam de abrigo aos viajantes. O local era conhecido como Baraúna das Araras, em virtude do grande número dessas aves ali existentes, por volta do ano de 1860. (IBGE - Cidades @) Essa árvore pode ser Schinopsis brasiliensis (Lorenzi 1992).

Arara é nome genérico de diversas espécies da família Psittacidae, entre estas as maiores da família. Uma característica delas é terem a cara nua, ou seja, desprovida de penas. A bandeira do município retrata uma araracanga (Ara macao) ou uma arara-vermelha-grande (Ara chloropterus). Nenhuma das duas tem ocorrência hoje ou há evidências de que tenham ocorrido na Paraíba. Outras araras, podem, entretanto, ter ocorrido neste estado, como a arara-azul-grande, Anodorhynchus hyacinthinus e a arara-azul-de-lear, Anodorhynchus leari (Vide Araruna).

O hino do município já refere em sua primeira estrofe a essa origem do nome:

Inspirada em uma ave

A tua história surgiu

A pujança de teus filhos

O teu nome difundiu

Reservando o teu espaço

Na História do Brasil

Araras, SP

Há na região um ribeirão homônimo, também chamado de Arary ("rio das araras"). Teve nomes anteriores também referindo-se a arara: Sítio das Araras, Capela Nova das Araras, Nova Senhora do Patrocínio das Araras. "A insistência do nome Araras, que se deve à existência de muitas dessas belas aves na região..." (Squeff & Fonseca 2003).

Não é possível determinar a que espécie em particular de arara o nome se refere. Pode referir-se a alguma das araras maiores encontradas no estado de São Paulo, como a arara-de-barriga-amarela, Ara ararauna, a arara-vermelha-grande, Ara chloropterus, ou outras menores, como a maracanã-do-buriti, Primolius maracana e a maracanã-nobre, Diopsittaca nobilis.

Arari, MA

Segundo Macedo (2005), não se sabe a origem do nome. Informa ainda esse autor que segundo Antenor Nascentes o termo de origem tupi pode significar ave, peixe ou planta. Segundo a (Wikipedia) é palavra do tupi que significa "arara pequena" .

Esse nome é atribuído a Ara ararauna (Pinto 1938).

Araricá, RS

A população costumava dizer Ararica. Está ligado "a uma ave colorida, verde com penas azuis". O significado indígena é "bebedouro no vale do papagaios". (IBGE - Cidades @, Cherini 2007)

A espécie envolvida na origem do nome deve ser a maracanã-do-buriti, Primolius maracana. Essa espécie esta hoje certamente extinta nesse estado (Belton 1994, Bencke 2003). De fato ela tem a cor geral verde, com asas azuis, o que concorda com a informação de Wikipedia. Havia na região, por época do povoamento do local, muitas palmeiras, ambiente propício a essa espécie, o que inclusive motivou o nome antigo de Nova Palmeira (Wikipedia). Araricá se encontra na área de distribuição original da espécie no estado (Bencke 2003).

Araruna, PB

Do tupi: arara + una. "Arara negra". "Essas aves era abundantes na região" (IBGE Cidades@). No município encontra-se a serra de Araruna. Humberto Fonsêca de Lucena, historiador de Araruna, informa que a denominação da Serra de Araruna, decorre do fato de existirem, à época da povoação da região, muitas dessas araras que, apesar do significado do nome, têm plumagem inteiramente azul escura, que vistas à distância parecem negras. Informa que o estudioso Clerot (Clerot, L. F. F. 1969. 30 anos na Paraíba. Rio de Janeiro: Ed. Pongetti) indica tratar-se a araruna da Ara chloroptera, espécie que teria povoado as matas da região. Lucena, por sua vez, acredita que a arara que deu origem à localidade deve ser a arara-azul-grande, Anodorhynchus hyacinthinus. Informa que há duas lendas sobre o surgimento de Araruna. Uma delas é contada por Irineu Pinto, em artigo publicado no jornal "A União", de 21 de março de 1909: segundo a tradição oral existiu outrora uma pedra onde uma arara costumava pôr, conhecida por pedra da araruna, e daí o nome dado ao lugar . Outra diz que caçadores que passavam numa trilha do planalto avistaram um bando de ararunas. Aquela trilha ficou conhecida como a trilha das ararunas, onde hoje se situa a cidade. Lucena lembra que Herckmans (Elias Herkmans, holandês, governador da Paraíba no período do domínio holandês), no seu trabalho "Descrição Geral da Capitania da Paraíba" refere-se a corvos, considerando que essas aves poderiam ser as ararunas. Entretanto, não há nenhuma outra referência a aves assim denominadas, sendo possível que o autor tenha se referido ao urubu, Coragyps atratus. Informa também que atualmente não existem mais araras em Araruna, fato já constatado pelos diversos ornitólogos que têm visitado essa região do nordeste. Afirma não ter dúvidas de que existiram araras-azuis na localidade, já que vem de longe no tempo as histórias sobre elas. Weber Girão (inf. pessoal) também acredita que tenham ocorrido nessa região tanto Anodorhynchus hyacinthinus, quanto a arara-azul-de-lear, Anodororhynchus leari, citando como indicadores disto a referência dada pelo naturalista Spix, que em seu Glossário das Línguas Brasileiras, descreve a etimologia de Araripe como "lugar de araras". Também pelo relato de Tomás Pompeu Souza Brasil, que publicou que ararunas eram frequentes em Ouricuri (PE), vindo às vezes ao Ceará (Ensaio Estatístico da Província do Ceará, 1863). José Fernando Pacheco (inf. pessoal) considera a arara-azul-de-lear a mais provável de ter ocorrido no município de Araruna.

A bandeira do município mostra uma ave estilizada, certamente representando a arara negra.

Araruna, PR

Consta que o nome foi dado pela presença dessas araras na região. Segundo Elisiário Soares (inf. pessoal), que é ararunense, havia na prefeitura local uma araruna pintada na parede, depois substituída por uma outra espécie, possivelmente Anodorhynchus hyacinthinus. Segundo Elisiário, as ararunas não são mais vistas na região há muito tempo, ele próprio nunca as viu por lá. Entretanto, mais para noroeste do estado elas ainda são vistas e têm sido monitoradas por ornitológicos.

O hino do município faz menção à ave em uma das estrofes:

Da ave azul de plumagens multicores
Araruna tens o nome abençoado
Este hino de amor e de louvores
Diz o quanto te quer bem o filho amado.

Aratiba, RS

Há duas interpretações: "terra luminosa" (ara = luz, claridade, dia) e "lugar de muitos periquitos" (ara = arara pequena, periquito) (Cherini 2007). A interpretação oficial é esta segunda, que informa que o nome Aratiba, dado em 1944, "segundo estudo etimológico, significa lugar de muitos periquitos" (CNM).

Caracaraí, RO

Nome que era dado pelos indígenas locais a um pequeno gavião, muito comum na região (Ferreira 1957-1963). Osmar Borges (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) informa que esse nome é atribuído ao Milvago chimachima, também chamado carrapateiro. O brasão e a bandeira da cidade ostentam certamente esta ave:

Condor, RS

Aves da família Cathartidae. Mais aplicado ao condor-dos-andes (com ocorrência muito ocasional no Brasil) ou ao condor-da-califórnia.

"Segundo uma lenda, o nome do município teria sua origem no 'furacão' de 1931, que arrasou tudo por onde passou numa faixa de aproximadamente duzentos metros de largura. Um condor, grande e majestosa ave de rapina, que tem seu 'habitat' na Cordilheira dos Andes, próximo ao Oceano Pacífico, e que pertence à família das águias, teria sido arrastado na época pela fúria do vento e trazido para esta localidade. Em função da presença desse enorme pássaro naquele episódio inesquecível, teria ficado o nome de 'Condor', mais tarde adotado para denominar nosso atual Município." (IBGE - Cidades @, site oficial)

Entretanto, segundo o 8º DISME, do Instituto Nacional de Meteorologia (Solismar Damé Prestes), fundado em 1909, não há registro, naquele órgão, do referido "furacão".

Cujubim, RO

O nome é em homenagem a uma ave da fauna amazônica, muito comum nas selvas de Rondônia (CNM). O brasão do município retrata uma ave.

Deve referir-se a Aburria cumanensis, ave da família Cracidae.

Garça, SP

Uma comitiva de desbravadores, passando pela região, se instalou às margens do rio do Peixe e, ao descobrir um novo afluente, mudou de rumo, seguindo o curso do novo rio, ao qual denominaria, mais tarde, ribeirão das Garças, em virtude do grande número de exemplares dessas aves encontradas então na região. (Ferreira 1957-1963, Squeff & Fonseca 2003)

Garça é nome genérico para diversas espécies da família Ardeidae. Umas das mais comuns e vistosas e que pode ser a que motivou o nome ao ribeirão é a garça-branca-grande, Ardea alba.

Gavião, BA

Nome dados a diversas aves de rapina da ordem Falconiformes. Uma hipótese é de que o nome veio de uma fazenda homônima:

"Pouco se sabe sobre a origem de Gavião. Não existem dados probatórios ou algum tipo de registro dos fatos contados até porque não se sabe onde ficava a fazenda Gavião". Um rico viajante teria passado pelo local em 1812 e, tendo gostado do lugar compra uma propriedade próxima de uma quixabeira onde à tarde muitos gaviões vinham dormir. Tendo observado esse fato nomeou sua fazenda de fazenda Gavião. (Gavião Bahia)

Guanambi, BA

Do tupi: guanumby, guanamby, gainumby. "O indivíduo preto azulado". Refere-se ao beija-flor. (Sampaio 1987) Macedo (2005) confirma que segundo Antenor Nascentes, o termo significa beija-flor. A cidade era originalmente chamada de Beija-Flor. O historiador, poeta e ex-prefeito de Guanambi, Domingos Antônio Teixeira, defende também, em seu livro Respingos Históricos, que essa denominação refere-se de fato à ave assim chamada. Segundo esse historiador, o terreno sempre úmido de vazante, contíguo ao local do arraial, permitia a existência de flores silvestres e, em conseqüência, a presença de muitos beija-flores. (site oficial) Não há informação de que se refira aqui a alguma espécie em particular.

Guará, SP

Do tupi: gûará e agûará. "Segundo informes da prefeitura", o município recebeu este nome porque, perto da estação ferroviária, que ali estava sendo construída, havia um lagoa, onde se encontrava uma grande quantidade de uma espécie de garça (o guará, gûará) e por onde sempre rondava uma matilha de lobos-guará (agûará). O nome teria nascido da simples homofonia dessas palavras. (Squeff e Fonseca 2003) Guará pode referir-se também à "garça vermelha, a ave aquática" (Sampaio 1987). Mas certamente não se refere aqui à ave hoje bem conhecida por esse nome, Eudocimus ruber, que na verdade não é uma garça, por ser essa ave no sudeste e sul do Brasil restrita às regiões litorâneas (Sick 1997).

Guarapari, ES

Tupi: guará (pássaro, garça) + parí (cercado, curral). "Cercado ou curral dos pássaros, bacia onde as garças se reúnem". (Sampaio 1987) Ou guaraparim, parim = manca. "A garça manca, ou de perna quebrada". (Sampaio 1987) Milton Amaro, em nota em sua tradução de Saint-Hilaire (1974), afirma que "Guarapari, e não como se tem escrito Goaraparim, vem da palavra indígena guará: pássaro da praia chamado Ibis rubra ou Iantalus ruber pelos naturalistas, e de pari: armadilha (armadilha de pegar guarás). É de se observar que devia ser por extensão que a palavra guarani pari, que passou à língua portuguesa no Brasil, acha-se aplicada aos guarás, pois significa, a falar certo, armadilha de vime para pegar peixe (Veja Viagem pelas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais). O nome Guarapari significa, bastante, que outrora existiam guarás nas imediações dessa cidade; entretanto, atualmente não se vê mais nenhum na Província do Espírito Santo." Trata-se então da ave hoje conhecida por guará, Eudocimus ruber. Sua extinção nessa região deve ter se dado, entre outros motivos, pelo fato de serem muito caçados, como informa o próprio Milton Amaro (Saint-Hilaire 1974): referindo-se à presença destas aves no sudeste do Brasil: "... e como os matam sem piedade, para obter-lhes as penas, e lhes comem os ovos, ao que se diz, de gosto agradável, é de acreditar que logo um dos mais belos ornamentos da costa do Brasil terá inteiramente desaparecido desta região." Guará pode significar também pássaro de arribação (segundo Montoya e Saint Hilaire), que aparece à beira mar e de variadas cores. (Ferreira 1957-1963) A primeira referência escrita da ocorrência de Eudocimus ruber no Espírito Santo que se tem notícia foi feita por Augusto Ruschi, em uma lista de aves do estado, não publicada. Pacheco & Bauer (2001) revisando essa lista, concluem para essa espécie que, a despeito dela não ter sido registrada por nenhum outro autor, é de provável ocorrência pregressa no estado. O brasão e bandeira do município retratam, essa ave. (site oficial)

Guaratinga, BA

Do tupi: guará (garça) + tinga (branca). Garça branca. (Sampaio 1987, Ferreira 1957-1963) Segundo Sampaio (1987) pode ser corrupção de guirá-tinga, o pássaro branco. Entretanto, não há nenhum pássaro branco na região, que pudesse chamar a atenção ao ponto de motivar a denominação da localidade. Provavelmente refere-se à garça-branca-grande, Ardea alba.

Guaratinguetá, SP

Do tupi gûyrá-ting-etá = muitas garças brancas (Ferreira 1957-1963). Desde do início de seu povoamento, em 1600, Guaratinguetá tinha uma grande quantidade de garças (Thereza Maia e Tom Maia. 2001. Guaratinguetá através dos séculos. Museu Frei Galvão). Essa denominação era dada à região pelos indígenas (Ferreira 1957-1963). A espécie em questão deve ser a garça-branca-grande, Ardea alba. Essas são referenciadas em um monumento na cidade. Garças são também retratadas na bandeira do município.

Guaratuba, PR

Do tupi: guará (garça) + tyba (abundante). "Garças em abundância, o sítio das garças". (Sampaio 1987) Segundo Sick (1997), refere-se aqui ao Eudocimus ruber, que teria sido abundante certa época nessa localidade. Straube (1999) também considera "bastante provável a formação do topônimo provindo de guara (Eudocimus ruber) + tyba (grande quantidade). O site oficial endossa essa origem do nome: "Em Guaratuba os Guarás viviam aos milhares, mas foram extintos pela ação do homem que os caçavam para comercializar suas penas. Outra ação que contribuiu para o desaparecimento dessa ave, foi a coleta de seus ovos pra servir de alimentos e venda para o exterior." O brasão e bandeira municipais retratam o guará. Um desenho dessa ave também é mostrado no referido site.

Guiratinga, MT

Do tupi: guirá (pássaro) + tinga (branco). "Pássaro branco, garça". (Sampaio 1987)

Provavelmente refere-se à garça-branca-grande, Ardea alba.

Gurinhatã, MG

Do tupi guir-enhe-etá. "Ave que canta muito". (Sampaio 1987; Toponímia de Minas Gerais, de Joaquim Ribeiro da Costa, Imprensa Oficial, Belo Horizonte) Ave chamada também de gaturamo (Sampaio 1987). Segundo Edelweis Teixeira, o nome indígena significa "sanhaço azul" e se referiria a "Euphonia aurea", hoje Euphonia chlorotica. (IBGE Cidades@).

Gaturamo é um nome que refere-se a diversas espécies da família Fringillidae, gênero Euphonia.

Iapu, MG

Do tupi ya-pú. "Aquele que é ruidoso, o indivíduo barulhento". (Sampaio 1987) O nome teria sido dado em referência a uma ave existente na região, "um pássaro preto, de cauda amarela, que em outras localidades mineiras recebe o nome de guacho" (Ferreira 1957-1963). Curiosamente foi desmembrado do município de Inhapim, que também tem nome de ave (Barbosa 1971).

Japu é um nome dado a algumas espécies da família Icteridae, principalmente a Psarocolius decumanus, ave que de fato se destaca pela cauda amarela. O brasão do município mostra uma ave negra com amarelo na asa, que corresponderia ao encontro, Icterus cayanensis.

Inhambupe, BA

Inhambu-pe: nas perdizes (O tupi na geographia nacional, Theodoro Sampaio, 1901). A perdiz, Rhynchotus rufescens.

Inhapim, MG

O site oficial do município indica desta forma a origem do nome: "O nome do município se deve um abundante pássaro que viveu naquelas redondezas, nos dias de hoje é raro sua existência, mais com algum esforço ainda é encontrado e cujo nome rendeu à cidade sua denominação. O nome científico do pássaro Inhapim é: icterus cayanensis." Apresenta também fotos dessa ave. Segundo Costa (1997) a origem pode ser de iãpir (cabeceira do rio, cumiada de onde vem o rio), ou yapi ou y-apira (nascentes ou cabeceiras dos rios).

Nome popular de Icterus cayanensis. Da família Icteridae.

Inhaúma, MG

Segundo a lenda, o nome teria se originado de aves que existiam ali, que vinham da nascente do ribeirão que passa pela cidade (Ferreira 1957-1963). Próximo de Sete Lagoas, havia um sítio com um grande número desta aves o que teria originado o nome da cidade. Santos (1997) refere que o nome seria devido a um tipo de barro ali existente, próprio para fabricação de panelas, denominado nhae-u pelos indígenas (Sampaio 1987).

Inhaúma é um nome dado a Anhima cornuta.

Inhuma, PI

O nome foi dado devido ao grande número dessas aves, Anhima cornuta, no local (Ferreira 1957-1963) em torno de 1908 (CNM).

Inhumas, GO

O nome foi dado pela presença dessas aves na região: "Este nome, aliás, mais sugestivo e apropriado, nasceu do espírito influente do saudoso jornalista Moisés Santana que assim quis perpetuar na lembrança de todos o fato curioso de só aqui até então serem encontradas as taciturnas e interessantes inhuma ou anhuma, aves de porte elegante, quase negras, cujo canto desperta profunda nostalgia. Ao chegar-se às redondezas da cidade, ouve-se logo o canto gutural dessa ave de beira-brejos, como se fora para saudar o viajor que imediatamente procura buscá-la nas grimpas das árvores". (IBGE - Cidades @, Site oficial) Refere-se a Anhima cornuta.

Irapuru, SP

Do tupi gûyrapuru (Squeff & Fonseca 2003). Irapuru ou uirapuru são nomes dados a diversas espécies de aves. Há duas interpretações para a origem do nome do município. Uma delas é que trata-se do Cyphorhinus arada, ave amazônica famosa por seu canto. O hino do município indica essa versão:

Do Amazonas, veio o teu nome
Pequena ave de canto forte,
Dizem os índios em suas lendas
Nos traz a paz, e muita sorte.

Em outra interpretação, tratar-se-ia talvez de Pipra fasciicauda, ave também conhecida por esse nome popular. A bandeira do município mostra uma ave e a respeito dessa bandeira diz-se o seguinte: "As faixas amarela, vermelha e cinza, correspondem às cores principais do pássaro Irapuru, de onde originou-se o nome do município. O triângulo verde, representa o "habitat" do citado pássaro, bem como a nossa economia agrícola e uma das cores frequentes no Irapuru fêmea." (trecho em A História de Irapuru)

Referindo-se à ave amazônica, o nome teria sido dado pela sonoridade da palavra e pelas lendas referentes a essa ave, já que não ocorre na região (Squeff e Fonseca 2003).

Jaçanã, RN

Do tupi ya-çá-nã, o indivíduo que grita alto, o gritador.(Sampaio 1987) Deve assim referir-se à voz pronunciada dessa ave da jaçanã, Jacana jacana, também conhecido como cafezinho. Gustavo Szilagyi (inf. pessoal), cronista de assuntos ambientais do RN, informa que nas visitas que fez ao município, ouviu dos moradores que a cidade se desenvolveu no entorno de algumas áreas onde há acúmulo de água no período das chuvas no sertão potiguar e que nessas áreas era comum encontrar as jaçanãs. Os vaqueiros e viajantes que passavam perto dessas águas comentavam que estavam nas terras dos jaçanãs. Diz ainda ter ele próprio visto muitas dessas aves na localidade.

Jacupiranga, SP

Em tupi significa jacu vermelho (Ferreira 1957-1963). Îacu = jacu, pyranga = vermelho (Squeff & Fonseca 2003). "Dessa espécie não se têm registros recentes e talvez esteja extinto" (Squeff & Fonseca 2003). Há também na região um rio com esse nome (Biblioteca IGBE). Jacupiranga é um nome atribuído mais propriamente a Penelope pileata, uma ave amazônica. Há na região uma lenda do "Jacu-Piranga", à qual é atribuído o nome do rio. Pela descrição da ave na lenda, pode se tratar na verdade do pavó, Pyroderus scutatus, uma ave negra com peito vermelho. A bandeira do município retrata uma ave negra com peito vermelho.

Jacutinga, MG

Do tupi: yacú-tinga, "jacu branco". (Sampaio 1987) O nome provém de aves que existiam em um ribeirão próximo à localidade. Inicialmente a localidade era chamada de Ribeirão da Jacutinga. (Ferreira 1957-1963). Anteriormente chamada de Santo Antonio do Jacutinga, mudando para o nome atual em 1923 (Barbosa 1971). É também o nome de uma rocha friável, argilosa, servindo de jazida ao ouro, entre a rocha de itabirito (Sampaio 1987).

Jacutinga é um nome popular dado a algumas espécies da família Cracidae. Provavelmente se refere aqui a Aburria jacutinga.

Jacutinga, RS

O nome foi dado por tropeiros e moradores da localidade, devido à existência ali de "grande quantidade de aves com esse nome" (Biblioteca IBGE).

Jandaia, GO

Do tupi nhand-ái = correndo sempre, o andejo, o errante. (Sampaio 1987) Papagaio andejo ou periquito-rei (Cidades Brasileiras - Origem e Significado de Seus Nomes). Ave da família dos psittacídeos.

Jandaia do Sul, PR

Do tupi nhand-ai, papagaio andejo ou periquito-rei (Cidades Brasileiras - Origem e Significado de Seus Nomes). A jandaia era ave existente na região, muito estimada pelos silvícolas, também conhecida pelo nome de periquito-do-papo-amarelo. E o acréscimo "do Sul" veio para diferenciar de Jandaia, em GO. (Ferreira 1957-1963) Deve referir-se a Aratinga solstitialis.

Japi, RN

Do tupi ia-pu = o barulho, o ruído, o que faz rumor (Ferreira 1957-1963), ou y-apy = as cabeceiras, as nascentes (Sampaio 1987).

Japira, PR

O nome teria se originado do fato de que quando se encontrava em construção a estrada de ferro naquela região, o engenheiro responsável, estando ali acampado em uma fazenda, observou que defronte ao acampamento havia uma palmeira com muitos ninhos da ave chamada de japira ou guaxe. Achando o fato interessante, pois procurava um nome para a nova estação ferroviária, sugeriu esse nome a seus superiores, tendo sido atendido. (Ferreira 1957-1963). Do tupi japyra, guaxe, pássaro da família Icteridae: Cacicus haemorhous. (Cidades Brasileiras - Origem e Significado de Seus Nomes)

Jeriquara, SP

Do tupi îurará + kûara (toca, buraco). A origem do nome é controvertida. Jeri, "segundo a prefeitura" designa uma espécie de papagaio, portanto, "toca dos papagaios". Mas parece ser também "toca das tartarugas, dos cágados", îurará= tartaruga, cágado. Entretanto, conforme "informações da prefeitura" nunca se viram tartarugas ou cágados na região. (Squeff & Fonseca 2003)

Juruti, PA

Do tupi yuru-ty (Sampaio 1987, Biblioteca IBGE), que significa "o pescoço teso", em alusão ao aspecto que assume a pomba quando canta (IBGE - Cidades @). De fato, ao vocalizar, essas pombas esticam o pescoço, como o galo doméstico. Diversas espécies, principalmente as dos gêneros Leptotila e Geotrygon, são denominadas de juriti ou juruti. Sampaio (1987) indica também "o colo branco", que neste caso se referiria a uma espécie em particular.

Lagoa dos Patos, MG

A origem do nome remonta ao ano de 1903, quando foi construída uma barragem em um ribeirão do local. Devido a uma suave depressão existente no terreno, formou-se uma ampla lagoa, na qual "repentinamente, juntou-se grande quantidade de patos selvagens, além de outras aves aquáticas". "Embora, por uma razão desconhecida, essa lagoa tenha se transformado com o passar dos anos em um grande pântano, forçando o inevitável êxodo das aves para outras regiões, o espetáculo diário proporcionado pela revoada dos dos patos ficou na lembrança dos moradores e, no ano de 1924, o nome de Lagoa dos Patos foi definitivamente fixado para o lugar por missionários que lá estiveram em missão religiosa". (Biblioteca IBGE)

Macuco, RJ

O nome decorreu da instalação ali de uma estação de trem com esse nome em 1860, nome esse que por sua vez deve ter decorrido dessa região ser conhecida como Sertões do Macuco (Wikipedia). Havia também ali um rio chamado Macuco. (Ferreira 1957-1963) O brasão e bandeira ostentam uma ave que deve ser o macuco:

Morro da Garça, MG

O nome decorre da existência nesse município do morro com esse nome, peculiar por encontrar-se isolado em meio à planura do cerrado. Esse morro foi citado em algumas passagens na obra de João Guimarães Rosa, escritor mineiro. O nome do morro, por sua vez, deve ter se originado ou dado motivo à denominação da fazenda da Garça, localizada no sopé desse morro. (Chaves et al. sd)

Mutum, MG

O nome teria surgido em decorrência de "um pássaro abundante naquelas paragens" (Ferreira 1957-1963). Do tupi my-tu. "Pele negra". Essas aves seriam abundantes na localidade, justificando o nome. O Frei Cláudio da Conceição escreveu: "Mutum é maior e a mais linda ave do ar; é o volume de um peru; os machos são todos pretos com cocar da mesma cor que os enfeita; descansando nas árvores mostram a figura e o garbo de um galo. As fêmeas, de côr parda e mais pequenas, carecem de cocar." (Gabinete Histórico, Frei Cláudio da Conceição, tomo X, 2ª edição, p. 35. Apud Barbosa 1971).

Mutum é nome popular de diversas espécies de aves da família Cracidae. Nessa região do estado, o nome mutum deve referir-se ao mutum-de-bico-vermelho, Crax blumenbachii.

Nova Mutum, MT

Inicialmente chamada de Mutum, a localidade foi criada pela empresa Colonizadora Mutum. Posteriormente a própria população optou pelo nome de Nova Mutum, marcando assim um desligamento da localidade da empresa que a criou. (Biblioteca IBGE) Não parece, portanto, que o nome seja decorrente da presença da ave na região.

Papagaios, MG

Há uma versão que diz que havia na localidade uma pousada cuja proprietária tinha um papagaio domesticado e que os viajantes ao se referirem ao lugar diziam ter se hospedado na "casa do papagaio". (Ferreira 1957-1963) Essa versão é contestada, alegando-se que "ao ser verdadeira a lenda, haveria de estar o nome do povoado no singular; o plural no topônimo só se explicaria pela abundância dessas aves, não se explicaria que a existência de uma delas numa única moradia se constituísse em fato capaz de caracterizar um topônimo. De uma ou de outra forma, a origem do topônimo prende-se à existência de aves dessa denominação." (Biblioteca IBGE)

Pelo menos três espécies de papagaios (gênero Amazona) têm distribuição na região, mas um dos mais comuns e também apreciado como ave de cativeiro é o papagaio-verdadeiro, Amazona aestiva, que deve ser a espécie implicada neste caso.

Pato Bragado, PR

Pato, nome dado a diversas espécies da família Anatidae. Bragado refere-se ao animal que tem pernas de cor diferente do resto do corpo, ou com malhas vermelhas atravessadas na barriga. (Cidades Brasileiras - Origem e Significado de Seus Nomes)

Pato Branco, PR

O nome origina-se do rio que banha o município que tem esse mesmo nome (Ferreira 1957-1963).

Patos, PB

Segundo a tradição, o nome originou-se de uma lagoa, hoje aterrada, conhecida como Lagoa dos Patos, em virtude da grande quantidade dessas aves (Ferreira 1957-1963). A bandeira do município retrata patos.

Patos de Minas, MG

"A origem do nome, segundo lenda antiquíssima, provém da grande quantidade de patos que existiam no território, encontrados habitualmente em uma grande lagoa, a três quilômetros da margem do rio Paranaíba. Atraídos pela caça abundante e variada, os tropeiros que levavam suas tropas para o interior de Minas Gerais faziam pouso à beira dessa lagoa, construindo ranchos em que se abrigavam" (Ferreira 1957-1963). Outra explicação, que não contradiz a primeira é de que o nome teria surgido pelo fato da cidade ter crescido em torno da Lagoa dos Patos, onde, segundo descrições históricas, existia uma grande quantidade de patos silvestres. O "de Minas" foi acrescentado para diferenciar de Patos, na Paraíba. (site oficial) Patos são retratados no brasão e bandeira do município. Não há, portanto, referência nessa denominação a uma espécie em particular, mas ao grupo de aves da família Anatidae, da qual Minas Gerais tem em seu território a ocorrência de pelo menos uma dúzia (Mattos et al 1993). Uma curiosidade é que em 1943 o nome do município foi mudado para Guaratinga, que também refere-se a uma ave. Houve, entretanto, reação popular, mudando-se novamente a denominação para Patos de Minas.

Patos do Piauí, PI

O município originou-se do povoado denominado Patos (Biblioteca do IBGE).

Pavão, MG

Os habitantes pioneiros do lugar alimentavam-se também de caça e numa das caçadas mataram uma ave parecida com o pavão, às margens do córrego principal, o que motivou denominar este de Córrego do Pavão e daí a denominação do povoado que ali se formou (Biblioteca do IBGE).

Se verdadeira a história de que uma ave parecida com o pavão foi de fato caçada, pode tratar-se do mutum-do-sudeste, Crax blumenbachii, que tem ornamentos na cabeça que poderiam então lembrar o pavão. O município se encontra em área de distribuição dessa espécie.

Perdizes, MG

O nome foi dado pela abundância das aves assim chamadas na região. Consta que no passado vinham grupos de caçadores com cães treinados para caçarem essas aves, donde a região ser conhecida como Campos das Perdizes. (IBGE - Cidades @)

Trata-se de espécie cinegética e campestre, Rhynchotus rufescens.

Periquito, MG

Até recentemente era um distrito do município de Açucena, ganhando a emancipação em 1995. Mas o núcleo populacional do atual município de Periquito teve início em 1939. O crescimento deve-se em boa parte a ter sido ali construída uma estação de trem, que também recebeu o nome de Periquito. Não há informação disponível sobre a origem do nome.

Rio Pomba, MG

Situado ao lado do rio de mesmo nome. Há explicações anedóticas para o nome. Uma delas conta que aventureiros, após matarem algumas pombas, foram lavá-las no rio, tendo algumas caído aí sendo levadas pelas águas.

Santa Cecília do Pavão, PR

A região onde se fundou a localidade inicialmente chamada de Pavão era conhecida como Água do Pavão. A primeira capela ali construída recebeu o nome de Santa Cecília, nome esse que foi usada então para a localidade. Ao constituir-se em município, esse foi denominado de Santa Cecília do Pavão, em homenagem à santa e em referência ao primeiro nome da localidade. (Biblioteca IBGE)

Pavão é nome popular de diversas aves da família dos faisões, que têm como principais características serem de belo colorido e sua performance de levantar as penas da cauda em leque quando cortejam a fêmea. É ave exótica.

Santa Rita de Jacutinga, MG

O termo Jacutinga se refere a "uma espécie de ave abundante nas matas municipais" (Biblioteca IBGE).

Jacutinga é o nome popular de Aburria jacutinga.

Santo Antonio do Aracanguá, SP

O nome deve ter sido dado pela existência ali do ribeirão e da estação ferroviária, chamados de Aracanguá (Squeff & Fonseca 2003). Consta na história do município, que ali existia uma população abundante de um psitacídeo de cabeça vermelha, que era chamado pelos indígenas da região, da tribo Caigang, de aracanguá. Desta forma o ribeirão afluente do rio Tietê, onde esse papagaios se concentravam, foi chamado de ribeirão do Aracanguá.

Consta que bandos de uma espécie de psitacídeo, ainda comum na região, em certa época do ano pernoitam na praça central da cidade (site oficial). Arthur Bispo (inf. pessoal), que já visitou diversas cidades da região, acredita que a espécie em questão possa ser o o periquito-rei, Aratinga aurea, que é bastante comum no noroeste do estado, inclusive no interior de cidades ou a jandaia-de-testa-amarela, Aratinga auricapillus, mais rara, mas também frequente em praças urbanas, principalmente onde existam palmeiras. Ambas são comuns em praças de algumas cidades, onde também pernoitam, como Valparaíso e Auriflama, junto com Aratinga leucophthalma.

São João dos Patos, MA

O nome provém do nome de lagoa que existia ali, com esse mesmo nome. (IBGE - Cidades @)

Sapucaia do Sul, RS

A origem da denominação do município não é clara. Pode referir-se à presença ali de muitos exemplares da árvore sapucaia, mas há também a hipótese de referir-se à presença de grande número de aves, atraídas por frutos silvestres que abundavam no município.

Tangará, RN

"Tangará é o nome de um pássaro que se caracteriza pelo costume de andar aos saltos, conhecido como pássaro pulador." (IBGE - Cidades @)

Deve referir-se a Chiroxiphia pareola.

Tangará, SC

O nome foi dado em 1943 em substituição a Rio Bonito, pelo fato desse já se referir a município do Rio de Janeiro. Essa troca desagradou a alguns, pelo fato do tangará (Chiroxiphia caudata) não ocorrer na localidade. Mas o nome foi justificado pela índole alegre e festeira dos tangaraenses o que combinaria com o comportamento de fazer danças coletivas do tangará. (site oficial) O site oficial do município mostra na seção de sua história, uma foto do tangará.

Tangará da Serra, MT

O nome foi dado inicialmente a um loteamento (IBGE - Cidades @). Segundo a Wikipedia o qualificativo "da Serra" foi dado para diferenciar o nome do município de Tangará (SC). O hino do município faz referência ao tangará e o brasão mostra três aves estilizadas cujo padrão de cor é muito parecido com o das duas espécies de Chiroxiphia (C. caudata e C. pareola). É mais provável que se refira a Chiroxiphia caudata, ave do sudeste, de onde procederam os primeiros colonizadores (IBGE - Cidades @).

Tangará, Tangará!
Maravilhoso pássaro que voa
Retumbante a pedra solteira
Que está divisando esta terra tão boa.

Tucano, BA

A origem do nome ainda é discutida. Para alguns decorre de uma aldeia dos índios "tucanos" (Ferreira 1957-1963). Entretanto, os índios assim denominados não ocorreriam aí, por serem do noroeste da Amazônia. A outra hipótese é de referir-se às aves da família dos ramphastídeos, que eram comuns nas matas que ali existiam. (Wikipedia)

Osmar Borges (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) informa que os índios que foram aldeados nessa localidade foram os Kiriri ou Cariri cuja Terra remanescente de Mirandela fica no município vizinho de Banzaê. Informa também que a vegetação original era bastante complexa com formações diversas em uma área relativamente pequena: caatinga arbórea, cerrado e floresta semidecídua (hoje totalmente desmatada). As florestas do vale tinham conectividade direta com a Mata Atlântica do Litoral Norte, donde a possibilidade de ocorrência ali do tucano-de-bico-preto, Ramphastos vitellinus ou mesmo do araçari-do-bico-branco, Pteroglossus aracari. Mas o mais provável é que o nome tenha se originado do tucanuçu, Ramphastos toco, que deveria ocorrer nos cerrados em cima das chapadas (possivelmente ainda ocorra), pois a fitofisionomia é de cerrado sensu strictu que se estende desde o norte de Salvador até ao sul do Raso da Catarina.

No site Tucano BR.com, referente ao município de Tucano, o Ramphastos toco é apresentado como a ave que originou o nome do município.

Uirapuru, GO

O nome do município foi inspirado na ave amazônica conhecida por esse nome popular, cujo "canto está envolvido em magia e lenda". (AGEPEL)Todas as ruas da cidade têm nomes de pássaros.

Uiraúna, PB

Segundo o Dicionário Corográfico do Estado da Paraíba, o nome veio da expressão indígena guira-una = pássaro preto. Provavelmente trata-se do anú-mará. (Ferreira 1957-1963) Essa denominação foi dada ao município em 1943 (CNM).

Anumará é nome popular de Curaeus forbesi, icterídeo com distribuição geográfica muito restrita.

Uru, SP

Do tupi uru. O nome decorre do rio Uru, afluente do rio Tietê. Esse, por sua vez, recebeu esse nome das primeiras expedições que subiam o rio Tietê e que teriam encontrado essas aves em suas margens. Anteriormente chamava-se Santo Antonio do Uru. (Squeff & Fonseca 2003)

Embora seja um nome atribuído a mais de uma espécie de ave, nesse estado se refere sem dúvida a Odontophorus capueira.

Uruaçu, GO

Segundo Macedo (2005) trata-se de nome tupi que significa "pássaro grande".

Uruburetama, CE

Do tupi urubu + retama (terra natal, pátria). "Terra dos urubus". (Biblioteca IBGE, Wikipedia) Inicialmente chamou-se Serra dos Corvos (CNM). Fica próxima à serra de Uruburetama, que possivelmente serve de pouso e local de nidificação de urubus.

Urutaí, GO

Há lenda de que o nome decorre do fato de que tropas de boiadas e carreteiros paravam para descansar na região e, como jogavam restos de carne e ossos, os urubus vinham se alimentar e as pessoas falavam: "o urubu tá aí". Já segundo o folclorista Bariani Ortêncio, o nome deriva da língua indígena que quer dizer "rio dos urutaus". Essa lenda não está registrada em livros, mas apenas em trabalhos monográficos da Universidade Estadual de Goiás. (IBGE Cidades@)

Vila Pavão, ES

O nome provém do fato de que a primeira casa ali construída, onde os tropeiros pernoitavam, tinha em sua varanda o desenho de um pavão. A cidade foi colonizada principalmente por pomeranos e por um número menor de italianos, vindos do sul do ES e MG. (Wikipedia) É possível então que estes tenham sido os autores do desenho do pavão.

Xexéu, PE

O nome foi dado "em homenagem ao pássaro com o mesmo nome que impressionava a todos que passavam pela cidade pelo seu canto harmonioso". (Biblioteca IBGE). O hino do município faz menção à ave:

Meu Xexéu, no vôo majestoso
Desafio não é uma quimera
Se há batalha me inscreve à luta
Que a vitória sorrindo te espera.

Esse nome é dado em Pernambuco a Cacicus cela, da família Icteridae.

Zabelê, PB

O nome teria surgido pelo fato de haver nestas terras muitos juazeiros que frutificavam no mês de maio, caindo os frutos no solo onde serviam de alimento para uma ave típica da região com esse nome popular. (IBGE - Cidades @)

Trata-se certamente do tinamídeo Crypturellus noctivagus.

Casos duvidosos e curiosos

Araçoiaba da Serra, SP. Uma etimologia possível é: aba (cabelo), soîa (coberto), arás (arara, periquito). Outra, defendida por Theodoro Sampaio é de que seria "um tipo de montanha que encobriria o dia". O nome do município é proveniente do morro de Araçoiaba. (Squeff & Ferreira 2003).

Arandu, SP. Não está resolvida a questão da origem do nome. Uma interpretação é que seria decorrente de palavra guarani que significa: memória, sabedoria, inteligência. Outra é de que decorre de origem tupi, significando "ruído das arás, ou das araras". Ará= periquito ou arara, ambu= ruído, rumor, referindo-se ao ruflar das asas dessas aves. (Squeff & Ferreira 2003). O site oficial interpreta como barulho dos papagaios. Outra interpretação é de que havia no local onde se originou a cidade, um rio com margens barrentas, conhecidas por "barreiros", ambiente muito atrativo para aves. Arandu seria o nome de barreiro em tupi (citybrazil.com.br).

Araranguá, SC. O nome provém do rio homônimo que corta a região (Ferreira 1957-1963). Do tupi: arara + nguá (vale, baixada). "Baixada das araras". Também: ará’ranguá (barulho das araras). Segundo o historiador Alex Rocha, mapas antigos da época em que os portugueses apenas retiravam madeira do Brasil mostram um lugar onde hoje se situa o município, chamado de Terras de Dararogá. É provável que esse nome, pronunciado pelo nativo com rapidez, tenha sido sofrido alterações ao longo do tempo, transformando-se e Araranguá. Fato que fala a favor dessa hipótese é que antes do final do século XIX a localidade era chamada de Ariringuá e, antes ainda, Iriringuá. Dararogá pode significar, entre outras coisas, "rio de terra escura" ou mesmo ser referência a um pássaro. Assim, na opinião do historiador, é pouco provável que Araranguá signifique "terra de araras", como se acredita. (site oficial)

Araraquara, SP. Do tupi ara kûara, ou arara kûara ou arará kûara (Squeff & Fonseca 2003). Um nome de formação curiosa e polêmica. O que deu, inclusive, motivo de estudos particulares. Um cidadão araraquarense, Pio Lourenço da Correa mostrou, em sua "Monografia da palavra Araraquara" que a interpretação de "arara" como a ave da família dos psitacídeos e "quara" como buraco, foi a origem da confusão. No seu entender, arara é a conjunção de duas vozes tupis: ara e ara, que a prolação defeituosa juntou, sendo seu significado: dia, luz, sol, aurora. Daí "buraco do dia", que literária e extensivamente traduziu-se por "morada do sol". Há testemunhos também de que o lugar se chamava Araquara. Essa grafia já está registrada no Dicionário Geográfico do Império do Brasil. Com o tempo, os novos habitantes, descendentes de portugueses, alongaram a palavra ao invés de abreviá-la, certamente por ignorarem a língua tupi e julgarem tratar-se de fato de araras. (Ferreira 1957-1963) Questionou-se, entretanto, que ara em tupi significa dia e não sol e que "morada do dia" seria uma construção metafórica, incoerente com as línguas americanas, que representam o mundo de forma concreta. Por fim, há a interpretação de que o nome significa "toca ou buraco das ararás", uma espécie de formiga. (Squeff & Fonseca 2003). A interpretação oficial parece ser mesmo de Morada do Sol, pois a bandeira e brasão do município ostentam a imagem de um sol e o hino faz referência a essa origem do nome.

Araraquara, tu nasceste
de uma lenda e uma poesia
crença tupi que além das serras
surgindo o sol ali morava o dia

Araraquara adorada
tu és morada e filha do sol
explendoroza é tua alvorada
e repousante o teu arrebol

Biguaçu, SC. A origem do nome é controvertida. Segundo uma versão significaria "biguá grande". A ave biguá ainda existe no rio ali existente, homônimo. Já segundo o padre Raulino Reitz, em seu livro Alto Biguaçu (1988), o nome seria de uma árvore semelhante ao jambolão, popularmente chamada de baguaçu. Uma terceira versão, mais recente, de autoria do jornalista Ozias Alves Júnior (JB Foco) e do prof. Aryon D. Rodrigues, especialista em língua tupi, afirma que biguaçu provém de guambygoasu = grande cerca de paus, ou cerca grande. (site oficial)

Cabreúva, SP. Nome da árvore que significa "árvore da coruja". Kaburé = coruja, yba = árvore.

Choró, CE. Do tupi = correntoso, impetuoso, ruidoso (Sampaio 1987). Macedo (2005) indica ser derivado de chororó = rio murmurante. De fato, existe próximo o rio Choró, que pode ter sido assim denominado por ter as características que o nome sugere. É citada a existência de "um pássaro muito comum no sertão nordestino, que quando canta parece um murmúrio" (Wikipedia). Os termos choró e chororó de fato estão ligados a espécies de aves. Choró refere-se em Pernambuco à choca-barrada, Thamnophilus doliatus (Farias et al. 2000), chororó, isoladamente ou como parte de nomes compostos, refere-se a diversas espécies (vide neste site) e podem ter sido atribuído a essas espécies pelas características de suas vozes.

Chorozinho, CE. O nome decorre do fato da cidade ter crescido ao lado do rio Choró. Pode ser o diminutivo de choró-choró, que seria uma espécie de ave (Biblioteca IBGE). Vide Choró, PE.

Parari, PB. É desconhecida informação relacionando esse nome ao nome de uma ave, mas a história de que a localidade originou-se do Sítio das Pombas, existente já em 1709, e que o nome dado ao sítio e ao povoado por muitos anos foi devido à grande quantidade dessas aves visitarem o poço do rio que banha a região (IBGE - Cidades @), indica que Parari pode referir-se à avoante, Zenaida auriculata. Parari é um nome indicado para essa espécie já por H. von Ihering, em publicação de 1898.

Quaraí, RS. O nome, de origem indígena, tem diversas interpretações: "rio das pedras ou buracos", ou "das garças", ou ainda "rio do sol". (Cherini 2007)

Sinimbu, RS. Há controvérsias sobre o significado do nome. Pode ser espécie de camaleão, ou vagalume, ou ave, ou em referência a um presidente da província, que tinha esse sobrenome. (Cherini 2007) Na compilação de nomes populares de aves brasileiras feita pelo CEO, esse nome não foi encontrado. Na interpretação oficial (CNM) a hipótese de se tratar de uma ave é pouco provável, tendo em vista que um nome baseado em uma ave só seria dado se essa fosse abundante na região, ficando assim na tradição local, fato do qual muitos imigrantes discordam. Uma última versão é de que seria uma homenagem ao Sr. Dr. João Lino Vieira da Cansação de Sinimbu, então Presidente de Província de São Pedro do RS, na época em que foi determinada a colonização de Sinimbu. Esta última é a mais aceitável tendo em vista que não existem registros oficiais, nem comprovações de outras hipóteses.

Urubici, SC. Numa das versões para a origem do nome, uma expedição pioneira era acompanhada por indígenas e um deles, ao avistar um galináceo típico da região, teria exclamado: "urubici", que significa "pássaro lustroso". Em outra versão o nome teria sido aproveitado do nome do rio homônimo ali existente. (site oficial)

Referências bibliográficas

Barbosa, W. A. (1971) Dicionário histórico-geográfico de Minas Gerais. Belo Horizonte: Promoção-da-Família Editora.

Belton, W. (1994) Aves do Rio Grande do Sul. São Leopoldo: Unisinos.

Bencke, G. A., Fontana, C. S., Dias, R. A., Maurício, G. N. & Mähler Jr, J. K. F. (2003) Aves. p.189-479. In: Fontana, C. S., Bencke, G. A. & Reis, R. E. eds. Livro vermelho da fauna ameaçada de extinção no Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Edipucrs.

Chaves, M. L. S. C., Benitez, L., Andrade, K. W. & Meneghetti Filho, I. (sd) Morro da Garça: geologia e a visão mística de Guimarães Rosa no centro geodésico de Minas Gerais. (Disponível on line)

Cherini, G. (2007) A origem do nome dos municípios. Porto Alegre: Imprensa Livre.

Costa, J. R. (1997) Toponímia de Minas Gerais. Edição revista e atualizada por Joaquim Ribeiro Filho. Belo Horizonte: BDMG Cultural.

Farias, G. B., Brito, M. T. & Pacheco, G. L. (2000) Aves de Pernambuco e seus nomes populares. Recife: OAP.

Ferreira, J. P. (org) (1957-1963) Enciclopédia dos municípios brasileiros. 36 volumes. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/ (coleção digital)

Ihering, H. (1898) As aves do Estado de São Paulo. Rev. Mus. Paul. 3:113-476.

Lorenzi, H. (1992) Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2 vol. Nova Odessa: Editora Plantarum.

Macedo, A. A. 1998 (2005) Dicionário de nomes, origens e significados dos municípios brasileiros. São Paulo: Edicon.

Magalhães, J. C. R. (1999) As aves na Fazenda Barreiro Rico. São Paulo: Plêiade.

Mattos, G. T, Andrade, M. A. & Freitas, M. V. (1993) Nova lista de aves do estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação Acaraú.

Mello, O. A. S. (1967) Topônimos amazonenses (Nomes das cidades amazonenses, sua origem e significação). Manaus: Edições Governo do Estado do Amazonas.

Pacheco, J. F. & Bauer, C. (2001) A lista de aves do Espírito Santo de Augusto Ruschi (1953): uma análise crítica. p. 261-278. In: Albuquerque, J. L. B. & Straube, F. C. (eds). Ornitologia e Conservação: da Ciência às estratégias. Tubarão: Unisul.

Pinto, O. M. O. (1938) Catálogo das aves do Brasil e lista dos exemplares que as representam no Museu Paulista. 1a Parte. São Paulo. Secretaria da Agricultura. Departamento de Zoologia.

Saint-Hilaire, A. 1818 (1974) Viagem ao Espírito Santo e Rio Doce. Belo Horizonte: Itatiaia.

Sampaio, T. (1987) O tupi na geografia nacional. 5º ed. São Paulo: Editora Nacional.

Sick, H. (1997) Ornitologia brasileira. Edição revista e ampliada por José Fernando Pacheco. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Squeff, E. (org) & Ferreira, H. P. (col) (2003) A origem dos nomes dos municípios paulistas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Straube, F.C. (1999) "Guará": origem histórica do vocábulo e formação de alguns tonônimos paranaenses. Boletim do Instituto Histórico e Geográfico Paranaense (IHGP, Curitiba) 50:91-100.

Colaboradores e Agradecimentos

Arthur Bispo, Deodato Souza (BA), Elisiário Soares (PR), Fernando Costa Straube (PR), Glauco Pereira (PE), Giovani Cherini (Dep. Estadual RS, que gentilmente cedeu um exemplar do livro de sua autoria), Glayson Ariel Bencke (RS), Gustavo Szilagyi (RN), Humberto Fonsêca de Lucena (PB, historiador de Araruna), José Fernando Pacheco (RJ), Marcelo Ferreira de Vasconcelos (MG), Osmar Borges (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), Benato Pizarro (Reserva Rio das Furnas, SC), Rolf Grantsau (SP), Solismar Damé Prestes (Instituto Nacional de Meteorologia), Valmir Sampaio (prefeito de Amargosa, BA), Weber Girão (CE).

Sugestão de citação bibliográfica

Figueiredo, L. F. A. (2009) Municípios brasileiros com nomes referentes a aves. São Paulo: Centro de Estudos Ornitológicos. Disponível em: http://www.ceo.org.br. Acesso em: [data do acesso].

Fonte: http://www.ceo.org.br/