Autoplay

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Continente revisitado

Publicado em 23/05/2011
Coleção inédita lançada pela Unesco apresenta visão local e contemporânea sobre mais de 3 milhões de anos de história da África.
Continente revisitado
Mapa da África publicado na Europa em 1771. A história do continente sempre foi contada a partir da perspectiva do colonizador branco. Na coleção 'História geral da África', os próprios africanos relatam sua visão dos fatos. (foto: UFL/ Arquivo de mapas)
Verdadeiras 'bíblias' sobre o assunto, os oito volumes que compõem a coleção História geral da África foram lançados e disponibilizados em português na internet, com download gratuito. Para quem deseja compreender melhor a rica e complexa história do continente africano, os livros são um 'prato cheio'.
O sociólogo Válter Silvério, responsável pela versão brasileira da coleção, contou à CH On-line que as obras em português são fruto de uma parceria entre a representação da Unesco no Brasil, o Ministério da Educação e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde é professor.
Continuente revisitado 2
Capa de um dos volumes da coleção.
"Por romper com o estigma da parcialidade, do culto ao exotismo e da racialização sistemática, que ainda contaminam os estudos sobre a África, a coleção é considerada um divisor de águas na historiografia do continente", explica Silvério.
As obras foram escritas por cerca de 350 especialistas africanos, que tomaram a palavra para contar uma nova história de sua terra. Eles abandonaram a perspectiva eurocêntrica (baseada na visão europeia) e, a partir de um ponto de vista local, inauguraram novas interpretações.
Não faltam divergências entre alguns autores sobre detalhes dos temas focalizados. Mas isso, segundo Silvério, acaba por enriquecer ainda mais a coleção.
O sociólogo da UFSCar também celebra o fato de o site brasileiro da Unesco ter batido recorde mundial de downloads de arquivos da organização logo que as obras foram disponibilizadas na internet. Em um mês, houve mais de 80 mil acessos.
Os volumes – cada qual com aproximadamente 800 páginas de texto e ilustrações – levaram 30 anos para ficar prontos e foram originalmente publicados em francês em meados da década de 1980.
A ideia de organizar a coleção nasceu na década de 1960, movida pelo desejo dos recém-independentes estados africanos de contar sua própria história. A Unesco tomou então para si o desafio de produzir uma obra de referência, com o objetivo de ajudar o leitor a compreender melhor a África.

Zimbábue

O caso do Zimbábue é emblemático. Em 2009, o país foi acusado pela comunidade internacional de não seguir as regras do Processo de Kimberley, que certifica a origem de diamantes para evitar a compra de pedras originárias de áreas em conflito. Mas, mesmo havendo muitas provas contra ele, o país africano não foi excluído do processo.
Continente revisitado
Robert Mugabe, líder do Zimbábue há mais de 30 anos. Embora muitos o considerem mero ditador, uma passagem da coleção 'História geral da África' revela que ele ajudou a construir um novo país. (foto: Jeremy Lock/ USAF)
"Por quê?", pode (com razão) indagar o leitor. A maioria das nações africanas se recusou a excluir o país em respeito ao líder Robert Mugabe, que fundou o Zimbábue (antes denominado Rodésia) e apoiou outros processos de independência na África. As regras do Processo de Kimberley preveem exclusão de um membro apenas por decisão unânime.
Embora hoje o presidente do Zimbábue seja visto como um ditador por muitas nações, o apoio que ele recebeu de outros países africanos só pode ser compreendido em um contexto histórico e político específico do continente.
Mugabe conquistou a presidência há 31 anos como herói de guerra e transformou a então branca Rodésia em um Zimbábue negro. Em pouco tempo fez do país a economia mais diversificada e de crescimento mais rápido ao sul do Saara.
Entre tantas outras, questões complexas como a interpretação do papel político de Robert Mugabe podem ser mais bem compreendidas pelo leitor a partir da leitura de textos da coleção História geral da África.

Luan Galani
Especial para a CH On-line/ PR

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.