Autoplay

terça-feira, 9 de agosto de 2011

video

O roedor africano usa do “a toxina da seta veneno” para intimidar predadores:

ScienceDaily (2 de agosto de 2011) - consternação à tentativa predadora à nora fazer uma refeição do rato com crista africano, um roedor que aplicasse a toxina da planta venenosa esponja-como aos cabelos em seus flancos, uma descoberta fêz recentemente por Jonathan Kingdon e colegas dos Museus Nacionais de Kenya, da sociedade da conservação dos animais selvagens, e da universidade de Oxford.

No único exemplo conhecido de um mamífero que adquire uma toxina letal de uma planta para a defesa, os investigadores descobriram aonde o rato com crista africano (ou o rato maned) começ seu veneno: a árvore do Acokanthera, a mesma fonte usada por caçadores de Leste Africano para setas do veneno.
O estudo aparece em linha nas continuações da sociedade real B. Os autores incluem: Jonathan Kingdon, Chris Holland, Tom Gheysens, Máximo Boulet-Audet, e Fritz Vollrath da universidade de Oxford; Bernard Agwanda dos Museus Nacionais de Kenya; e Margaret Kinnaird e Tim O'Brien da sociedade da conservação dos animais selvagens.
“O rato com crista africano é um exemplo fascinante de como uma espécie pode evoluir um jogo original das defesas em resposta à pressão dos predadores,” disse o Dr. Tim O'Brien, cientista sênior da sociedade da conservação dos animais selvagens e de um co-autor no estudo. “O animal e sua toxicidade adquirida são originais entre mamíferos placental.”
Os cientistas têm suspeitado por muito tempo que o rato com crista africano é venenoso, primeiramente devido ao comportamento especializado do animal, tal como a exposição de uma coloração preto e branco em seus flancos quando ameaçados por predadores, e por clientes dos cães que tornam-se doentes ou que morrem após encontros com os ratos. A descoberta nova refere-se à natureza da defesa química. Em vez de produzir o veneno próprio -- como é o caso com os mamíferos venenosos tais como o platypus e o solenodon duck-billed -- o rato com crista africano encontra sua toxina (chamada ouabain) na casca de árvore.
Os investigadores confirmaram a hipótese apresentando um rato selvagem-travado com filiais e raizes da árvore do Acokanthera. O roedor prosigueu rmoer e masticate a casca (evitando as folhas e a fruta) e aplicar o “slaver” em seus flancos. Mais, a equipa de investigação empregou microscópios electrónicos para examinar a estrutura original dos cabelos do flanco. Em fazer assim, encontraram que a estrutura cilíndrica perfurada dos cabelos facilita a absorção rápida do saliva venenoso. Interessante, o ouabain foi usado igualmente por doutores por séculos como um tratamento clínico de encontro à parada cardíaca congestiva.
Além de seus coloração de advertência e cabelos venenosos, o rato com crista africano possui um crânio reforçado grosso, umas vértebras grossas, e uma pele raramente resistente, toda a proteção para o roedor pequeno que vem raramente mais de 2 libras no peso.
Diversos mistérios sobre o roedor enigmático permanecem, incluindo como o animal usa o veneno sem se envenenar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.