Autoplay

domingo, 11 de setembro de 2011


Biologia Marinha 
Por Marcus Cabral

Como e por que a biodiversidade no ambiente marinho diminui com o aumento da profundidade do oceano? Dê os fatores envolvidos:
A biodiversidade e as características das espécies de do sistema profundo são determinadas por fatores limitantes, entre os quais se destacam pressão, oxigênio e sedimentos. O principal fator atuante é a pressão nas comunidades de grandes profundidades, responsável pela distribuição das espécies e pela sua fisiologia. Devido à pressão, a taxa metabólica de todos os animais é menor, o que faz que cresçam mais devagar e com um tempo de vida muito maior. O resultado é a ocorrência do crescimento gigantesco dos invertebrados, que podem ser dez vezes maiores que os correspondentes da superfície.

Explique como acontecem as marés, como a lua, o sol e o vento interferem neste fenômeno e como o ritmo da vida (ciclo biológico), neste ecossistema, é dependente dele?
Maré é o fenômeno da subida e da descida do nível das águas de uma região por causa dos efeitos gravitacionais criados pela Lua e pelo Sol exercidos sobre a Terra. A região da Terra que estiver voltada para um desses astros sofre uma atração gravitacional maior do que aquela sofrida pela região mais distante. Essas forças desiguais causam acelerações desiguais que acabam deformando, temporariamente, a distribuição de massas na Terra. O vento é gerado através de diferenças de temperatura das massas de ar. O ciclo lunar e as variações das marés, bem como os ventos e a quantidade de luz solar, sua intensidade e variações são fatores que exercem grande influência sobre o ciclo de vida de muitos animais atuando diretamente no padrão geral de atividade (alimentação, predação e reprodução). Pode-se afirmar a total dependência e relação direta dos ecossistemas com estes fenômenos naturais.

Explique o que se denomina água doce, salobra e salgada?
Água doce – é a água dos rios, lagos e a maioria dos lençóis subterrâneos (salinidade < 0,05%). Água salgada – é a água que contém muitos sais dissolvidos, como a água do mar (salinidade > 3%). Água salobra - Água com salinidade intermédia entre a água salgada (marinha) e a água doce (salinidade entre 0,05% e 3%). É, portanto, uma mistura de água doce com água salgada.  Ocorre em ambientes diversificados, mas principalmente em estuários e lagunas, embora alguns mares sejam, também, constituídos por água salobra. As salinidades estão na Resolução nº 20 do CONAMA de 18/06/86.


Quais são as explicações para a origem do sal na água do mar e como este produto é um recurso natural imprescindível para a sociedade humana?
O sal marinho formado na salina é uma rocha sedimentar química que tem origem na precipitação da água do mar, quando esta sofre evaporação (fenômeno no qual, átomos ou moléculas no estado líquido (ou sólido, se a substância sublima) ganham energia suficiente para passar ao estado vapor). Importância: usado como ingrediente na cozinha e em produtos cosméticos. O sal de mesa também contém por vezes aditivos, tais como iodetos (usados como suplemento alimentar) e vários agentes antiaglomerantes = está envolvido na regulação da quantidade de água do organismo. Aplicações: manufatura de papel e a produção de sabão e detergentes; produção de gás cloro e de sódio, entre muitas outras.

Faça uma descrição dos mares e oceanos:
Oceanos: correspondem a gigantescos volumes de água salgada que se encontram dispersas sobre grande parte da superfície terrestre. No planeta são identificados cinco oceanos, apesar de todos possuírem ligações uns com os outros, são classificados como: oceano Pacífico, Atlântico, Índico, Glacial Antártico e Glacial Ártico.
Mares: São restritos em área, menores profundidades (plataforma continental) e sofrem o efeito da continentalidade, com sedimentação nerítica e carbonática rasa. Os mares não possuem uma homogeneidade quanto à sua composição física no espaço geográfico, dessa forma, os mares são classificados em: Mares fechados: são aqueles que se encontram nos interiores dos continentes, desse modo, não apresentam uma ligação de maneira direta com os oceanos, como, por exemplo, o mar de Aral e o mar Cáspio. Mares abertos: estão diretamente ligados aos oceanos que se encontram nas proximidades. Já no caso dos mares interiores existem restritas passagens que possibilitam uma conexão com os oceanos, a ligação ocorre por meio dos estreitos.

Descreva a divisão do ambiente marinho e exemplo de organismo que pode ser encontrado em cada uma delas:
Podem-se distinguir dois grandes domínios marinhos: um relativo ao fundo (domínio bentônico), e outro relativo às massas de água (domínio pelágico).
A luz chega a penetrar na água do mar até a profundidade máxima de 200 m, estabelecendo o se denomina de zona eufótica. Abaixo de 200 m de profundidade não há luz, e essa região escura é chamada de zona afótica. Na metade superior da zona eufótica vive o fitoplâncton marinho, formado por algas fotossintetizantes que produz praticamente todo alimento necessário à manutenção da vida nos mares. Essa zona também é rica em plâncton não-fotosssintetizante e em grande cardumes de peixes. A região que se estende dos 200 m aos 2.000 m de profundidade é a região batial. Suas águas são frias e pobres em fauna. Os peixes, moluscos e alguns outros animais que ai vivem são sustentados pela matéria orgânica vinda da superfície. Em seguida encontra-se a região abissal, que se estende dos 2.000 m aos 6.000 m e nela encontram-se apenas algumas poucas espécies, que chamam a atenção por suas características exóticas, como peixes bioluminescentes e lulas gigantes. A região mais profunda dos oceanos é conhecida como região hadal. Sua fauna ainda é pouco conhecida, é constituída principalmente por esponjas e moluscos. Os organismos que habitam os mares podem ser classificados em três grandes grupos: plâncton, bentos e nécton. Os plânctons, serem flutuantes, são formados por duas categorias: plâncton fotossintetizante (fitoplâncton – diatomáceas e dinoflagelados) e não-fotossintetizante (zooplâncton – protozoários, crustáceos, celenterados, larvas de moluscos, equinodermos, anelídeos e peixes). Os bentons, organismos do fundo, podem ser sésseis (fixados) ou errantes, formados por algas macroscópicas, celenterados e vermes. Os errantes podem ser crustáceos, equinodermos e moluscos. O nécton, formado por organismos que se deslocam na água e não à mercê das correntezas, são formados pela maioria dos peixes, baleias, golfinhos, certos crustáceos (camarões), peixes, lulas e tubarões.

Por que é importante estudar o costão rochoso (orientação para estudo de meio no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, em outubro ou novembro)?

Costão rochoso é o nome dado ao ambiente costeiro formado por rochas situado na transição entre o meio terrestre e aquático.  É considerado muito mais uma extensão do ambiente marinho que do terrestre, uma vez que a maioria dos organismos que o habitam, estão relacionados ao mar. O ecossistema costão rochoso pode ser muito complexo e, normalmente, quanto maior a complexidade, maior a diversidade de organismos em um determinado ambiente e daí ocorre sua importância para estudos, pois comportam uma rica e complexa comunidade biológica. Além disso, a grande diversidade de micro-hábitats certamente contribui para a determinação da diversidade biológica. Diferentes grupos apresentam adaptações e formas de vida relacionadas ao local que habitam. Entre os meses de outubro e novembro estuda-se o grupo dos anuros (anurofauna) na restinga da Ilha do Cardoso, período em que poças temporárias e permanentes localizadas dentro da floresta e em áreas de clareiras ou na borda da mata apenas nestes meses.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.