Autoplay

sábado, 3 de março de 2012

Posted: 02 Mar 2012 08:22 PM PST
Crânio do Triceratops acima, Torosaurus abaixo
© PLoS ONE/ Longrich et al.

É pessoal, essa história de uma espécie ser a mesma que outra acaba em confusão no mundo da paleontologia, principalmente quando se trata de um caso controverso envolvendo espécies há muito consagradas, como é o caso do Triceratops ser a mesma espécie do Torossauro. E não é que agora os paleontólogos Nicholas Longrich e Daniel Field, da Universidade de Yale, estão contrariando oficialmente a pesquisa do Scannella sobre o assunto? Sim, sim, parece que as duas espécies não são a mesma!!! Ficou curioso? Leia o resto do artigo, o Ikessauro explica tudo com detalhes!

Para quem não está a par das notícias da pelontologia, vou recapitular brevemente o que aconteceu. Em 2010, Jack Horner, paleontólogo famoso por pesquisas com Hadrossaurídeos (em se tratando de terópodes ele é muito desacr
editado) e por sua consultoria ao filme Jurassic Park orientou um aluno de doutorado, John Scannella, na publicação de um artigo em que afirmavam que o Triceratops e o Torosaurus eram a mesma espécie e que as diferenças entre os fósseis eram explicadas pela idade dos animais. Eu até publiquei aqui no Ikessauro um artigo sobre a notícia (link abaixo), que você pode ler antes de dar continuidade a este artigo, a fim de entender melhor.
Bem, o que aconteceu como resultado disso tud
o? Muita confusão, pode acreditar. A mídia começou a noticiar tudo incorretamente, dizendo que o Triceratops (Marsh, 1889) não existia mais, quando na verdade o nome que cairia em desuso seria o do Torossauro (Marsh, 1891), pois o nome criado antes permanece.
Era um mal entendido atrás de outro e como na internet mitos se espalham facilmente a notícia logo ganhou destaque em todo site de jornais, revisas e afin
s. Muita gente reclamou, alguns ficaram de "luto" pelo Triceratops e outros não levaram a pesquisa a sério por haver muitos dados pouco consistentes. Mas ninguém havia se oposto oficialmente à hipótese, através de outro artigo científico. Isso mesmo, HAVIA, no tempo verbal passado. Porque essa semana Nicholas Longrich e Daniel Field, da Universidade de Yale publicaram um estudo fazendo exatamente isso, ou seja, tentando desmentir Horner e Scannella.
Eles afirmam ter estudado 35 espécimes diferentes pertencentes a ambas as espécies e concluíram que são duas criaturas diferentes de fato. O Dr. Longrich disse à BBC News o seguinte: "Nós olhamos em um monte de mudanças nos crânios que ocorreram à medida que os animais cresciam e usamos um software para organizar os crânios do mais jovem ao mais idoso".
"O que encontramos foi que existem sim jovens ex
emplares de Torosaurus e indivíduos muito velhos de Triceratops e isso contraria a ideia de que Torosaurus é um Triceratops adulto."
Crânios atribuídos ao Torossauro apresentam escudo ósseo maior com buracos enquanto que o do Triceratops é menor e sólido.
O Dr. Longrich argumenta que se fossem o mesmo animal, deveríamos encontrar espécimes transicionais em que o crânio está em um estágio intermediário, nem tão pequeno e sólido como o do Triceratops, nem tão grande com buracos são largos como do Torossauro. "Nós revisamos as evidências e não havia nenhuma prova ou indício de indivíduo em período de transição de Triceratops para Torossauro. Há dezenas e dezen
as de crânios e eu imagino que se uma dessas formas transicionais existissem realmente, já teríamos encontrado".
Mas em um ponto não conseguiram encontrar evidência conclusiva de que são duas espécies, que é no quesito de distribuição geográfica no registro fóssil. Fósseis atribuídos à ambas as espécies são encontradas exclusivamente na América do Norte e apesar de que em alguns sítios só uma espécie foi achada, a evidência pode ser interpretada de maneira a apoiar ambos os lados, ou seja, tanto pode indicar duas espécies diferentes quanto apenas uma.
Distribuição geográfica dos fósseis
Triceratops em laranja, Torossauro em azul
© PLoS ONE/ Longrich et al.

John Scannella, da Universidade Estadual de Montana não ficou calado e respondeu à nova pesquisa, dizendo não estar convencido de que ambos os dinossauros são uma única espécie. "Nada no artigo do Longrich e do Field falsifica a sinonimidade de Triceratops e Torosaurus," disse à BBC News.
"O Triceratops e o Torossauros se sobrepõem geograficamente e estratigraficamente; os Torosaurus são mais marudos que outros Triceratops, como demonstrado múltiplas vezes pela examinação da microestrutura dos ossos; e há vários espécimes intermediários que demonstram a transição do escudo sólido do Triceratops para o escudo expandido e furado observado no Torossauro."
Scannella também aponta que um artigo seu, de 2011, descreve o que ele vê como um Triceratops transicional mantido no Instituto Smithsonian, em Washington.
"O espécime apresenta um pequeno buraco no escudo onde Torosaurus tem um buraco grande, mas Longrich e Field sugerem que é simplesmente causado por doenças. Há muitos outros espécimes transicionais, muitos dos quais foram coletados nos últimos anos pelo Museu das Rochosas (Museum of the Rockies).
Michael Pittman do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Londres diz: "Em dinossauros herbívoros quadrúpedes, o esqueleto muda à medida que o animal cresce, isso acontece na maioria dos tetrápodes, incluindo em humanos. Então é importante que essas mudanças de crescimento sejam levadas em conta."
"O novo estudo mostra como os crânios desse grupo de dinossauros provavelmente cresceu e parece falsificar a hipótese de que o Torossauro é um Triceratops adulto. "Os métodos usados no estudo tem um propósito maior por ajudar a reconstruir séries de crescimento em outros dinossauros, o que poderia ajudar a testar hipóteses similares em outros grupos de dinossauros."
O Professor Paul Sereno, um paleontólogo da Universidade de Chicago, disse que a teoria da espécie única "nunca entrou direito na minha cabeça" e disse que a paleontologia às vezes vai longe demais ao eliminar criaturas "que merecem seu status como espécies separadas".
"Além do Torossauro não se encaixar direito na hipótese de um Triceratops geriátrico, os autores também nos lembram de outras características envolvendo os escudos osseos e forma das fenestras que diferem no Torossauro quando comparados a ossos do escudo e depressões nos crânios de Triceratops.
Enfim pessoal, essa é a novidade, o mais novo capítulo dessa "novela" que não se resolve facilmente. Eu diria que ainda vamos mais uns bons anos discutindo essas hipóteses até chegar a um consenso ou até que nova evidência suporte com muita força um dos lados. O artigo científico original (link abaixo) foi publicado na PLoS ONE, o que é boa notícia, pois o acesso é gratuíto. Vale a pena ler se souber bem inglês e manjar de termos técnicos da paleontologia. São apenas 10 páginas, dá pra baixar em PDF e tudo.

Retirei essa notícia do site da BBC News (link nas fontes), mas a tradução é toda minha (Patrick Król Padilha). Pode não ser a melhor tradução do mundo, mas fiz meu melhor, então caso repasse a notícia em português mesmo com suas próprias palavras ou resumido em outro site não esqueça de creditar o tradutor, pois pode não parecer, mas o trabalho de tradução é complexo e toma tempo. Valeu pessoal, até o próximo artigo!

Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.