Autoplay

sexta-feira, 6 de abril de 2012

BIOTA-FAPESP lança e-book sobre organismos bentônicos

02/04/2012
Por Fábio de Castro
Agência FAPESP – O programa BIOTA-FAPESP lançou o e-book (livro eletrônico) Biodiversidade e ecossistemas bentônicos marinhos do Litoral Norte de São Paulo, Sudeste do Brasil. Em 550 páginas ilustradas, a publicação apresenta um inventário integrado da fauna associada aos substratos marinhos – os organismos bentônicos – no Litoral Norte paulista. Essa biota, altamente diversa e complexa, inclui organismos importantes nos ciclos biogeoquímicos dos mares e oceanos.


Obra disponível gratuitamente apresenta de forma acessível resultados de Projeto Temático que realizou inventário sobre a biodiversidade e os ecossistemas bentônicos marinhos do Litoral Norte paulista (reprodução)

O conteúdo é resultado do Projeto Temático “Biodiversidade bêntica marinha no Estado de São Paulo”, financiado pela FAPESP entre 2000 e 2005 e coordenado por Antonia Cecília Zacagnini Amaral, do Departamento de Zoologia do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Organizado por Amaral e por Silvana Henriques Nallin, do Laboratório de Biologia Marinha do Instituto de Biologia da Unicamp, a produção do e-book envolveu mais de uma centena de pesquisadores das áreas de zoologia, taxonomia e ecologia.

Segundo Amaral, os bentos têm um papel fundamental no fluxo de energia, em diferentes níveis tróficos, das cadeias e teias alimentares marinhas e estuarinas. O livro consolida os dados obtidos no âmbito do Programa BIOTA-FAPESP por um levantamento amplo, consistente e integrado dessa biota no Litoral Norte paulista.
“O objetivo principal do trabalho consistiu em disponibilizar os dados obtidos no projeto de uma forma mais sintética e básica, para que eles ficassem acessíveis a alunos de graduação, especialistas de todos os níveis e principalmente para os órgãos governamentais, que podem utilizar essas informações para o desenvolvimento de políticas públicas de conservação”, disse Amaral à Agência FAPESP.
O formato de e-book foi escolhido para que fosse possível ampliar ao máximo o acesso do público. “Os resultados mais específicos do projeto de pesquisa – que trataram de temas como dinâmica populacional, reprodução de organismos e descrição de novas espécies – foram publicados em revistas internacionais. O e-book, por outro lado, apresenta informações de fácil compreensão”, afirmou Amaral.
“Fizemos coletas, no Litoral Norte de São Paulo, na gama mais variada de substratos marinhos que conseguimos, no maior número possível de praias, em áreas arenosas, em costões, no substrato submerso e na fauna associada a algas. Depois de reunir todo o material, convidamos taxonomistas especializados em diversos grupos para analisá-los”, disse.

Ecossistemas

Além de uma introdução sobre o contexto do Litoral Norte de São Paulo e uma descrição das metodologias utilizadas na obra, o livro é dividido em duas partes principais: “Biodiversidade” e “Ecossistemas”.
“Na parte sobre a biodiversidade, 63 taxonomistas tratam do conhecimento adquirido sobre a diversidade das espécies. Para determinados grupos biológicos, não havia especialistas em São Paulo, por isso convidamos pesquisadores de outros estados e países que eram ligados ao BIOTA-FAPESP. Esses especialistas, além de participar do projeto, capacitaram alunos brasileiros para trabalhar com esses grupos”, explicou Amaral.
A parte sobre biodiversidade descreve o estado atual do conhecimento sobre a taxonomia de cada um dos grupos mais comuns de organismos bentônicos nos diferentes ecossistemas da região.
“O que dá mais consistência a essa descrição do estado do conhecimento sobre a macrofauna bentônica é que sua produção contou com a participação de especialistas em cada um dos grupos. O trabalho não foi feito de forma generalizada”, afirmou Amaral.
A parte sobre ecossistemas reúne um conjunto de artigos de cunho ecológico, elaborado a partir do trabalho de base feito sobre a taxonomia. “A seção ecológica do livro tem foco nos ambientes e relaciona todos os grupos de espécies que constam na parte sobre a biodiversidade, em relação aos diferentes ecossistemas”, disse Amaral.
Com esses dados, é possível associar a ocorrência de determinadas espécies a ambientes específicos, com diferentes morfodinâmicas.
“Se temos um ambiente específico, como uma praia de areia fina e compacta, na qual as ondas se dissipam, podemos determinar quais são as espécies que provavelmente se adaptam a essas condições e que têm maior probabilidade de ali ocorrer”, disse Amaral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.