Autoplay

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Espécies aquáticas

Os peixes de água doce da Mata Atlântica

 

 Assista ao vídeo
Escolha a sua conexão:
normal
rápida


Formato WindowsMedia
"Normalmente quando se fala em mata atlântica pensa-se em mico-leão-dourado, orquídeas , pássaros...e muito pouca gente sabe que existe uma fauna riquíssima associada aos ambientes aquáticos", afirma o biólogo Naércio Aquino Menezes, do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo.

Resultado de trinta anos de pesquisa envolvendo técnicos do Museu, o livro "Peixes de Água Doce da Mata Atlântica” deve se tornar referência na literatura científica, porque traz uma lista preliminar de todas as espécies que ocorrem no bioma. O livro retrata onde e em que condições elas vivem. São 309 espécies, 267 delas só ocorrem na Mata Atlântica e 49 estão ameaçadas.
"Existe uma espécie de um peixinho pequeno chamado canivete, um lambarizinho pequeno que foi descrito na caixa d´água da floresta de Grajaú no Rio de Janeiro e é só encontrado lá. Esta espécie certamente corre risco muito grande de extinção!" conta Menezes.

“Outra espécie é o que o nordestino ou pessoal que vive mais no litoral chama de peixe da chuva. Após a fecundação o macho e a fêmea morrem e os ovos são depositados na lama e por ocasião da primeira chuva do periodo seguinte os ovos eclodem. É o desenvolvimento embrionário mais rápido que se conhece" conclui.

Para Naércio Menezes a grande redução da população de peixes da mata atlântica se deve à destruição da floresta: "existem os insetos que caem das árvores, o alimento chamado de alóctone e sombreamento que é fundamental. Uma vez desprovido de mata e floresta o ambiente torna-se inóspito, super-aquecido, a luminosidade muito grande altera fundamentalmente o ciclo biológico das espécies", diz Laércio

São páginas de informações preciosas para orientar ações de conservação. Para o representante da Conservação Internacional, Ong que ajudou a financiar o trabalho, este é mais um instrumento para garantir a proteção dabiodiversidade.

“Nós evoluimos junto com outras espécies e é importante que a gente possa conviver de maneira harmoniosa com elas: protegendo essas espécies e garantindo a sobrevivência delas, nós vamos estar garantindo as nossa própria sobrevivência" conclui Luiz Paulo Pinto, diretor do Programa da Mata Atlântica da Conservação Internacional

Informações :

O livro "PEIXES DE ÁGUA DOCE DA MATA ATLÂNTICA"
pode ser encontrado no Museu de Zoologia da USP
Tel.: (11) 6165-8144 


Autor:
Editora-Chefe:Vera Diegoli.Pauta: Marici Arruda. Edição de Texto: Maria Emília Celestino. Pós-produção: Marcos Cabral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.