Autoplay

sábado, 15 de dezembro de 2012


Estudando o Passado

Foto por Aline Ghilardi
Foto por Aline Ghilardi

Paleontologia, “o estudo da vida antiga”

Depois de explicar pacientemente o que eu faço e ressaltar a clara (para mim) diferença entre Arqueologia (Indiana Jones!) e a Paleontologia, eu normalmente aguardo pela próxima reação: “Mas para que serve estudar o que já morreu?”. Essa pergunta geralmente vem acompanhada de um tom de deboche*
Por maior que seja meu aborrecimento, eu entendo que esse é um questionamento comum para quem não está acostumado com o universo da ciência ou que está por demasiado inserido na filosofia da vida prática/cotidiana. Até mesmo alguns cientistas se atrapalham e negam o valor da ciência base! Tendo isso em vista, considerei importante elaborar este post para discorrer sobre alguns pontos e esclarecer essa questão:

- O que estuda a Paleontologia?
Para começar a Paleontologia não estuda só dinossauros, como já ressaltei diversas vezes aqui no blog. Apesar dos “lagartos terríveis” serem a vedete da nossa Ciência, a Paleontologia estuda tudo o que está relacionado com a vida antiga. Desde seres microscópicos e seus rastros químicos, até organismos macroscópicos e sua organização em ecossistemas. Isso, sem esquecer dos estudos de biomecânica, de interpretação de paleoambientes, de eventos de extinção, de paleopatologias, de estratigrafia, de sistemática e evolução, de mudanças climáticas, de biogeografia…. etc.

- Olhar para o passado, na verdade, é vislumbrar o futuro
Estudar o passado tem tudo a ver com a nossa vida. Não é possível entender “de onde viemos” se não olharmos para trás. São os eventos do passado que determinam o que somos hoje.
As leis da física que regem o nosso planeta foram essencialmente as mesmas. Procurar compreender o que já aconteceu é uma forma de compreender o que vai acontecer.
As respostas biológicas, dadas algumas restrições, também seguem essa regra, e a Paleontologia procura entender isso ao longo do tempo:
A diferença da Paleontologia e da Biologia é o seu nível de resolução temporal. A Paleontolgoia pega emprestada a dimensão do tempo profundo de sua ciência mãe, a Geologia. Em uma perspectiva quadri-dimensional, diversas respostas emergem com maior facilidade. Assim torna-se possível avaliar mais criticamente questões como: “Como surgem as espécies?”, “Como elas desaparecem?”, “Como elas se adaptam?”, “Como evoluem?” ou “Como se comportam em momentos de crise?”. Entender esses processos nos coloca em foco com a história da vida na Terra.
Qualquer avaliação tomada a partir do restrito limite temporal humano seria uma grande tolice.

- Ciência de Base
Para muitos, as justificativas que forneço não passam de meros devaneios filosóficos. Afinal, não estou curando nenhuma doença e nem produzindo computadores novos.
- Então é perda de tempo e dinheiro investir nessa área?
Não, de forma alguma. Muito pelo contrário, esse é um investimento absolutamente seguro, mas tem uma resposta a longo prazo.

A ciência que não produz um benefício imediato para sociedade, como é o caso da maior parte dos estudos paleontológicos, pode ser chamada de ‘ciência de base’. A ciência de base não é menos importante que a ‘ciência aplicada’. Na verdade, esta última se apoia absolutamente no que produziu a primeira. 

O problema é que isso nem sempre fica tão claro…: Veja, por exemplo, o trabalho de Gregor Mendel. Quem diria que seu estudo sobre ervilhas fosse a base da engenharia genética atual? É importante lembrar que ciência se constrói uma peça por vez. Até que pudéssemos chegar ao ponto de compreender tão bem o nosso genoma, à que pudessemos manipulá-lo, muitas pesquisas tiveram que ser realizadas: tanto com coloração de ervilhas, como com mutações em moscas-da-fruta e o tipo de pelagem em coelhos.
A teoria da evolução de Darwin, por exemplo, se apoiou em muitos estudos paleontológicos. Assim como os atuais modelos de deriva continental, de evolução climática, de extinção de espécies, entre outros.
É muito difícil chegar à resposta essencial para tudo de uma só vez. Os estudos devem ser feitos com tal resolução que possam ser testados criteriosamente e, se somados todos, possam produzir o retrato mais próximo da realidade. A ciência precisa de tempo e sua ‘aplicabilidade’ sempre se apoia em ombros de gigantes. Pense neste processo em como construir um muro: cada tijolo deve ser colocado um de cada vez.
- A Paleontologia Aplicada

É claro que existe também um lado diretamente aplicável da Paleontologia.
Algumas indústrias petrolíferas da atualidade utilizam essa ciência como ferramenta para buscar o seu ouro negro. Nessa área, o conhecimento paleontológico pode ser entendido como diretamente aplicável e é absolutamente rentável para o paleontólogo (Sim! É possível ganhar dinheiro com a Paleontologia! Oh!).
O petróleo, como resíduo orgânico, é originado dos restos de organismos que morreram há muito tempo atrás. Ele é produzido em condições específicas e geralmente está associado a determinados paleo-ambientes. O que o paleontólogo faz é procurar pistas desses paleo-ambientes por meio dos fósseis de microorganismos ou rastros de suas atividades.
- O Verdadeiro valor da Ciência
A ciência é um produto social, criado para beneficiar a sociedade e aliviar as misérias humanas.
Nesse cenário, a Paleontologia vem ajudar a responder algumas das questões mais fundamentais: “De onde viemos?”“Para onde vamos?”.
A nossa história está associada a de cada organismo que já viveu e entendê-los é como buscar entender a nós mesmos. Cada um deles tem uma história para contar e desvendar seus mistérios é acumular sabedoria para saber como agir no futuro.
Olhar para o passado biológico nos faz entender a origem de nossas limitações e a natureza de nossas vantagens – assim como as de outros organismos. O mundo funciona como um grande ciclo: espécies vêm e vão. Banidas por eventos catastróficos, alvo de suas próprias atividades, alvo da ironia do azar ou, pressionadas, evoluem como sucateiros desesperados. Vislumbrar esses processos nos faz refletir sobre a existência humana e o impacto de nossas atitudes. Fazemos parte do mundo natural e só na perspectiva geológica podemos enxergar a nossa verdadeira pequenez e fragilidade, apesar de tudo que construímos.
Nós que aqui estamos, por vós esperamos
Nós que aqui estamos, por vós esperamos
A lição da Paleontologia é aprender a ouvir os mortos. Os ossos falam e tem muita história para contar. Eles, que já se foram, podem nos revelar o mistério sobre o nosso próprio propósito (ou despropósito), além de serem modestos profetas sobre o futuro que nos espera.
Com cada mistério revelado, afastamos um pouco a névoa do nosso caminho e assim podemos enxergar direito os nossos objetivos. Olhar para o passado não é tão ruim afinal, é acender uma lanterna no escuro: é ouvir a voz da sabedoria.
20060809190128!Caspar_David_Friedrich_032
O Viajante sobre o Mar de Névoas
Sou cientista. Sou *paleontólogo*. E com muito orgulho, obrigado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.