Autoplay

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Novos seres vivos descobertos pela ciência em 2012

Se o mundo perde espécies que se extinguem, a ciência descobre novos seres vivos frequentemente.

Segundo a ONG WWF-Brasil, a descoberta de novas espécies pela ciência no decorrer do tempo não surpreende, uma vez que o planeta é muito maior, mais complexo e menos conhecido do que supomos. "É surpreendente que os cientistas tenham uma melhor compreensão da quantidade de estrelas existentes na galáxia do que da quantidade de espécies que existem na Terra" . ( World Resources Institute - WRI - em inglês )

Isso não diminui, no entanto, a tragédia da extinção de tantos organismos vivos, dos mais simples aos mais complexos. Ainda segundo a WWF-Brasil , centenas de espécies, entre conhecidas e desconhecidas, são extintas anualmente.

De qualquer forma, 2012 foi mais um ano em que várias novas espécies foram descobertas, descritas e catalogadas oficialmente por dezenas de expedições científicas financiadas por museus, universidades e centros de pesquisa independentes. Veja algumas a seguir:

Verme Marinho Yoda
 
Nome científico: Yoda purpurata
Identificado pela Universidade de Aberdeen , este verme marinho não é verde como seu homônimo do cinema, mas vive em um lugar muito distante. Na verdade, a uma profundidade de 2.500 metros no Oceano Atlântico, entre a Islândia e as Ilhas Açores. Seu nome científico significa "Yoda de púrpura" e foi escolhido por sua cor e pela semelhança que os pesquisadores julgaram haver entre o animal e o personagem do cinema.



Rato Banguela da Indonésia
 
Nome científico: Paucidentomys vermidax
Identificado simultaneamente por várias instituições - como o Museu Zoológico Bogoriense da Indonésia , o Museu Victoria da Austrália e a Universidade mcMaster do Canadá - esta espécie de roedor é intrigante por praticamente não ter dentes (apenas dois, bem pequenos), algo único dentre as mais de 2300 espécies de roedores conhecidos até agora. Menor que outras espécies da mesma região, sua dieta é baseada em vermes, que ele morde e suga com seu focinho alongado.

Micro Camaleão de Madagascar
 
Nome científico: Brookesia micro
Cientistas alemães da Zoological State Collection of Munich encontraram 4 novas espécies de micro camaleões na ilha de Madagascar, ao sudeste da África. Destas, a menor espécie é a Brookesia micro. Apesar do tamanho, todos eles tem a capacidade de mudar a cor da pele. De hábitos noturnos, o réptil mal foi descoberto e já se definiu que ele está ameaçado de extinção, pois seu habitat é muito restrito.


Macaco Lesula
 
Nome científico: Cercopithecus lomamiensis
Descoberto pela Fundação Lukuro na região central do Congo e catalogado oficialmente em 2012, o Lesula - como é conhecido pela população local - tem uma juba de pelos dourados que rodeiam seu rosto pálido e nu. Ele faz parte da família de macacos guenon e é apenas o segundo primata catalogado na África desde 1984.


Serpente Marinha Áspera
 
Nome científico: Hydrophis donaldi's
Descoberta na Austrália por pesquisadores da Universidade de Adelaide , esta serpente marinha venenosa tem suas escamas projetadas em formato de espinho, o que lhe confere um aspecto áspero. Isso difere de qualquer outra espécie de serpente marinha atualmente catalogada.

Pedreiro-do-Espinhaço
  Nome científico: Cinclodes espinhacensis
Descoberto por pesquisadores da UFMG na Cordilheira do Espinhaço, na Serra do Cipó em Minas Gerais, esta ave intrigou os especialistas por não entenderem bem como ela foi parar nesta região de grande altitude. Infelizmente já sofre com a possibilidade de extinção pois seu habitat é muito restrito e sofre com constantes queimadas.


Lagartixa Listrada da Ilha Manus
 
Nome científico: Nactus kunan
 
Descoberto por pesquisadores da U.S. Geological Survey Western Ecological Research Center e do Museu Nacional de História Natural de Washington , este nova espécie de lagartixa foi encontrada na Ilha Manus em Papua Nova Guiné. Sua característica mais marcante são suas listras semelhantes a de abelhas, o que lhe rendeu seu nome científico, que traduzido do idioma local Nali significa "abelha".
 


Micro sapo da Papua Nova Guiné
 
Nome científico: Paedophryne amauensis
Descoberto por pesquisadores da Universidade da Lousiana , este sapo é considerado atualmente o menor vertebrado conhecido. Ele vive no solo das florestas tropicais de Papua Nova Guiné, é um ótimo saltador - pula até 30 vezes seu tamanho - e foi bem difícil de ser encontrado devido ao seu tamanho.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.