Autoplay

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Em média, 83% das populações de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis foi extinta no continente nos últimos 40 anos

O Relatório Planeta Vivo, publicado a cada dois anos pela WWF, chega a sua décima edição com dados alarmantes. De acordo com o documento, a América Latina está sofrendo uma crítica diminuição das populações de vida selvagem. O estudo apresenta o cenário detalhado e atualizado da situação do meio ambiente no mundo todo. Reúne dados de todos os continentes, países e faz um balanço sobre a população de espécies e da biodiversidade global.
Wikipédia
Wikipédia
O desmatamento na Amazônia ameaça muitas espécies de rãs de árvore, que são muito sensíveis às mudanças ambientais. Na imagem, o Dendrobates leucomelas.

Em média, 83% das populações de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis foi extinta na América Latina nos últimos 40 anos. A diminuição da vida selvagem da região é maior do que o declínio global de 52% no mesmo período. Nesse declínio observado na América Latina se destaca a pressão intensa sofrida pelas espécies tropicais. Entre as milhares de espécies estudadas no Relatório, os trópicos mostraram 56% de perda em população comparado com 36% nas zonas temperadas.
O Relatório Planeta Vivo 2014 também aponta que a Pegada Ecológica – medida da demanda da humanidade sobre a natureza – continua a aumentar. A América Latina aparece na metade do ranking regional apresentado no Relatório. Globalmente, a demanda da humanidade sobre o planeta está 50% acima do que a natureza pode renovar. Ou seja, atualmente, seria necessário 1,5 planeta para produzir os recursos necessários para a nossa atual Pegada Ecológica.

O Sumário Executivo, em português, pode ser baixado neste link e a íntegra do Relatório e outros materiais (em inglês) podem ser conferidos no site da organização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.