Autoplay

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

A new angiosperm from the Crato Formation (Araripe Basin, Brazil) and comments on the Early Cretaceous Monocotyledons. 

An. Acad. Bras. Ciênc. [online]. 2014, vol.86, n.4, pp. 1657-1672. ISSN 0001-3765.  http://dx.doi.org/10.1590/0001-3765201420140339.

A paleoflora da Formação Crato é uma das poucas floras equatoriais do Cretáceo Inferior. É diversificada, com muitas angiospermas, especialmente representantes dos clados magnoliids, monocotiledôneas e eudico-tiledôneas, confirmando a hipótese de que a diversidade das angiospermas durante a última parte do Cretáceo Inferior era ralativamente alta.

A morfologia de uma nova mocotiledônea fóssil é estudada e comparada com outros gêneros de Smilacaceae, especialmente a venação. Cratosmilax jacksoni n. gen. n. sp. pode ser relacionada com a família Smilacaceae, tornando-se o registro mais antigo da família, até então. Cratosmilax jacksoni consiste de uma única folha mesófila com margem inteira, ovada, com ápice e base agudos, quatro ordens de venação e veias principais acródromas. É a primeira monocotiledônea terrestre descrita para a Formação Crato, monocotiledôneas foram anteriormente descritas para a mesma formação, e são consideradas aquáticas. Cratosmilax jacksoni é o primeiro registro fóssil da família Smilacaceae no Brasil, e o registro mais antigo desta família.


Keywords : Bacia do Araripe; Cratosmilax jacksoni; Cretáceo; folha fóssil; Gondwana; Monocotiledôneas.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.