Autoplay

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Morre aos 91 anos o físico nuclear Val Fitch

Felipe Resk - O Estado de S. Paulo
11 Fevereiro 2015 | 16h 51

Cientista foi reconhecido por ter descoberto a 'imperfeição do universo'; em 1980, ganhou o Prêmio Nobel de Física

O físico nuclear Val Fitch, vencedor do Prêmio Nobel de Física de 1980, morreu aos 91 anos em sua casa, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, no dia 5 de fevereiro. Reconhecido por ter explicado por que a colisão de matéria e do seu oposto, a antimatéria, não destruiu o universo durante sua formação, o americano era professor emérito da universidade Princeton. A instituição emitiu na última sexta-feira, 6, um comunicado oficial informando da sua morte.  
O físico deixa contribuições importantes sobre a natureza fundamental da matéria e das partículas físicas, que ajudaram a moldar a visão de universo da comunidade científica. Fitch descobriu que a matéria e a antimatéria obedecem leis da física ligeiramente diferentes - e explicou como as duas, ao entrarem em contato no universo primitivo, podem ter evitado sua aniquilação mútua, deixando um resíduo que resultaria na formação de estrelas, galáxias e até da vida.
William Sauro / The New York Times
Val Fitch, vencedor do Nobel em 1980. 
"Antes, se achava que a simetria entre partículas e antipartículas era respeitada pela natureza de maneira exata. O trabalho foi revolucionário e é revolucionário no sentido que vai contra uma concepção que a gente tinha: o universo não é tão perfeito quanto se pensava", afirma Rogério Rosenfeld, professor do Instituto de Física Teórica da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

As descobertas tiveram como base experimentos feitos no ano de 1964, em parceria com James Cronin, com quem dividiu a condecoração da Real Academia das Ciências da Suécia. "O trabalho pelo qual recebeu o Prêmio Nobel é um dos mais importantes do século 20, por mostrar que as leis da física, na verdade, mudam com o tempo", afirmou Samuel Ting, também vencedor de Nobel e professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, ao site da universidade de Princeton.

"Esse experimento foi seminal em termos do entendimento de propriedades fundamentais do espaço-tempo e das partículas", comenta Marcos Nogueira Martins, vice-diretor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP). "Isso tudo foi ajudando a montar o que se chama hoje de modelo padrão das partículas elementares."

Os resultados da pesquisa de Fitch e Cronin, dizem os físicos, também servem como referência para outros cientistas tentarem explicar como a matéria se sobrepôs à antimatéria após a Big Bang, já que, em tese, elas deveriam existir em proporções iguais. Hoje, no entanto, o universo é predominantemente formado por matéria.

Nascido em 10 de março de 1923 na cidade de Merriman, em Nebraska, Fitch era o mais novo dos três filhos de um casal formado por um criador de gado e uma professora. Entre seus feitos, o cientista foi presidente da Sociedade Americana de Física de 1988 a 1989. Anos antes, ele havia trabalhado no Projeto Manhattan e ajudou a projetar o detonador para a bomba atômica que destruiu a cidade de Nagasaki, no Japão, ao fim da Segunda Guerra Mundial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.