Autoplay

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Novos achados fósseis encontrados em obra de Uberaba são apresentados

Última atualização: sexta, 03 de julho de 2015 - 18h:49min


Equipe de técnicos trabalha para realizar a
retirada dos fósseis
Foto: Luís Adolfo/UFTM
Com o avanço do trabalho nas obras, novos exemplares foram revelados. Eles serão retirados e encaminhados para o Centro de Pesquisas Paleontológicas “Llewellyn Ivor Price”da UFTM.

O Complexo Cultural e Científico de Peirópolis da Universidade Federal do Triângulo Mineiro CCCP/UFTM apresentou nesta quinta-feira, 2, novos achados fósseis encontrados durante as escavações para a construção de um conjunto de edifícios no Bairro São Bento. Os fósseis apresentados ainda se encontram inseridos nas rochas originais e serão escavados do local e analisados  pela equipe do Complexo.  Além da apresentação dos fósseis, foram apresentadas as medidas adotadas pela Secretária Municipal de Meio Ambiente seguindo as recomendações do Ministério Público de Minas Gerais - MPMG e do Ministério Público Federal – MPF. Em Uberaba, a proposta de realização de um ‘Zoneamento Paleontológico é analisada para implantação.

Em dezembro de 2014, foram encontrados fósseis durante as escavações para a construção de um conjunto de edifícios em frente ao Parque do Jacarandá, mais conhecido como Zoológico Municipal, localizado no Bairro São Bento. Um desses fósseis, medindo mais de 50 centímetros, era de um fragmento de fêmur atribuído a um Titanosauria, espécie de dinossauro herbívoro.


A possibilidade de novas descobertas no local o CCCP/UFTM mobilizou uma equipe de técnicos que iniciou um programa de monitoramento com o objetivo de  resguardar a integridade do patrimônio paleontológico do local, onde eram realizadas as escavações para as fundações dos edifícios. A iniciativa teve o apoio da empresa ‘QUANTA Empreendimentos Imobiliários’, responsável pelas obras.
De acordo com o geólogo do CCCP/UFTM, Luiz Carlos Ribeiro, na primeira quinzena de abril novas descobertas começaram a aparecer, porém, em razão das fortes chuvas que se estenderam até o final de maio, as atividades de resgate foram paralisadas. Com o término do período chuvoso, as escavações foram retomadas no dia 22 de junho. Com o avanço do trabalho, novos exemplares como costelas, vértebras, tíbia,  e fósseis da cintura escapular têm sido descobertas no local.

 
Fósseis ainda se encontram inseridos nas rochas originais e serão escavados do local e analisados  pela equipe do Complexo
Foto : Luís Adolfo/UFTM























 “No que tange à importância científica, estes achados têm extremo valor, pois associam-se à Formação Uberaba, unidade geológica pouco prospectada paleontologicamente até o momento, o que abre novas oportunidades para se conhecer grupos de animais distintos dos que vem sendo descobertos desde 1945. Assim, há uma possibilidade de que os fósseis já descobertos, somados aos que ainda podem aparecer, sejam suficientes para descrição de um novo grupo de dinossauro”, acrescentou o geólogo.

Ainda de acordo com o geólogo, o programa de monitoramento e salvamento paleontológico ocorreu em harmonia como o desenvolvimento das obras, e não houve paralisações e atrasos nas atividades.

Zoneamento Paleontológico


Descoberta foram ponto de partida para adoção de
medidas públicas de geoconservação
Foto: Luís Adolfo/UFTM
As descobertas de fósseis nas escavações da construção de um conjunto de edifícios no Bairro São Bento acabaram por ser o ponto de partida de uma nova perspectiva para a proteção aos depósitos fossilíferos e para a adoção de medidas públicas de geoconservação. Por meio de uma nota técnica encaminhada a Prefeitura de Uberaba pelo Ministério Públicos de Minas Gerais - MPMG e Ministério Público Federal conforme pressupõe o Departamento Nacional de Produção Mineral - DNPM, órgão federal responsável pela preservação do patrimônio paleontológico brasileiro, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente –SEMAM, colocou em prática a recomendação para  a realização de estudos paleontológicos em obras do município.

De acordo com informações da SEMAM, em todos os processos administrativos que tramitam na Secretaria, que envolvem a movimentação ou interferência no solo, é solicitado que o empreendedor apresente declaração de um especialista, acompanhada de Anotação de Responsabilidade Técnica -ART, de que aquela ação não vá interferir nos tipos de rocha passíveis de serem encontrados fósseis, conforme delimitado na própria recomendação do MPMG, MPF e DNPM.

Ainda segundo informações da SEMAM foi editada uma Portaria Conjunta entre as Secretarias de Obras, Meio Ambiente, Planejamento e Serviços Urbanos determinando os procedimentos a serem seguidos, de acordo com a recomendação. A portaria será publicada ainda esta semana.

Segundo a recomendação feita pelo coordenador regional das Promotorias de Justiça de Defesa do Meio Ambiente das Bacias dos Rios Paranaíba e Baixo do rio Grande – CRMA, Carlos Alberto Valera; promotora de Justiça da 11ª Promotoria, Claudine Lara Aurélio Bettarello; e os procuradores da República Thales Messias Pires Cardoso e Felipe Augusto de Barros Carvalho Pinto; as escavações, ou mesmo uma movimentação de terra, podem causar impactos nocivos; por isso, a proposta é de que sejam realizados estes acompanhamentos e monitoramentos.

O MPMG e MPF apontam que o município deve providenciar o zoneamento paleontológico, ou seja, um mapa guia mostrando as áreas com diversos graus de interesse paleontológico, ele servirá para orientar a ocupação e desenvolvimento em especial das obras que escavarão solos e rochas dentro do município. Segundo informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente os dados relacionados ao zoneamento paleontológico precisam ser atualizados e a secretaria estuda a melhor forma de realizar este procedimento, seja contratando uma empresa ou estabelecendo parcerias com entidades de ensino e pesquisa.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.