Autoplay

terça-feira, 29 de setembro de 2015























Homo naledi, o novo ancestral revelado pela ciência, reabre o debate sobre a origem da espécie humana

Fósseis encontrados em uma caverna da África do Sul revelam um novo e desconcertante antepassado do homem

Fonte: NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL   |   Por: Jamie Shreeve





Em 13 de setembro de 2013, Steven Tucker e Rick Hunter adentram um sistema de cavernas conhecido como Rising Star (Estrela Ascendente), 50 quilômetros a noroeste de Johannesburgo, na África do Sul. O lugar atrai espeleólogos desde a década de 1960, e suas passagens e galerias estão bem mapeadas. A expectativa de Tucker e Hunter é descobrir um trecho ainda pouco palmilhado.

Eles têm também outra preocupação, ainda que em segundo plano. Na primeira metade do século 20, essa mesma região produzira tantos fósseis dos nossos mais antigos antepassados que ficou conhecida como o “berço da humanidade”. Embora há muito tempo tenha passado o auge da busca aos fósseis por lá, os dois espeleólogos sabem que, por outro lado, um pesquisador da Universidade de Witwatersrand, em Johannesburgo, reiniciou a busca por ossadas.

Nas profundezas do sistema de grutas, Tucker e Hunter passam por um estreitamento batizado de Passagem do Super-Homem – a maioria das pessoas somente consegue atravessar mantendo um dos braços junto ao corpo e estendendo o outro acima da cabeça, como faz o Homem de Aço ao voar. Depois de cruzar um imenso salão, eles escalam uma parede rochosa denteada, a Espinha do Dragão. No alto, chegam a uma pequena cavidade repleta de estalactites. Tucker desliza para dentro de uma fissura no piso da gruta. O seu pé encontra um degrau de pedra, depois outro, embaixo, e aí... nada. Espaço vazio.

Descendo mais, vê que se trata de um buraco estreito e vertical, em certos pontos com largura de apenas 20 centímetros. Chama Hunter e pede que o siga. Ambos são esguios, só ossos e músculos. Se tivessem o tronco algo mais largo, não teriam se esgueirado por passagem tão apertada – e aí a descoberta de fóssil humano mais assombrosa dos últimos 50 anos não teria ocorrido.
Ainda que primitivos em alguns aspectos, o rosto, o crânio e os dentes do fóssil exibem traços modernos o bastante para justificar a inclusão do H. naledi no gênero Homo. O artista John Gurche usou pelo de urso para simular o cabelo. - Foto: Mark Thiessen/National Geographic.

Lee Berger, o paleoantropólogo que pedira aos exploradores que ficassem de olho em ossadas, é um americano corpulento, de rosto avermelhado e bochechas que inflam quando sorri – o que acontece com frequência. No início dos anos 1990, quando Berger foi contratado pela Universidade de Witwatersrand (mais conhecida como “Wits”) e saiu atrás de fósseis, havia muito que o foco de quem se interessava pela evolução humana passara a se concentrar no Grande Vale Rift, na África Oriental.

Para muitos, a África do Sul apresentava um interesse apenas secundário para o entendimento da evolução humana. Berger, contudo, estava empenhado em provar o contrário. Mas, durante quase duas décadas, os achados relativamente insignificantes que fizera só ressaltavam quão pouco o país podia contribuir para a questão.

Mistério da evolução da espécie humana

O que mais o interessava eram fósseis que pudessem esclarecer o principal mistério que paira na evolução: o surgimento do nosso gênero, o Homo, ocorrido entre 2 milhões e 3 milhões de anos atrás. No outro lado da divisa estão os primatas australopitecos, exemplificados pelo Australopithecus afarensis e o seu espécime mais conhecido, Lucy, cuja ossada foi achada na Etiópia, em 1974. No lado mais próximo de nós está o Homo erectus, uma espécie que já conhecia os utensílios, dominava o fogo, se deslocava por longas distâncias, era dotada de um cérebro volumoso e tinha um corpo com proporções similares às nossas. Entre o A. afarensis e o H. erectus, porém, há um intervalo obscuro de 1 milhão de anos, no qual um animal bípede se transformou no primeiro ser humano, uma criatura não só adaptada ao meio mas também capaz de usar a inteligência para alterá-lo a seu favor. Como ocorreu tal revolução?

O testemunho fóssil é vago e decepcionante. Um pouco mais antiga que o H. erectus é a espécie Homo habilis, batizada de “habilidosa”, em 1964, porque Louis Leakey e os seus colegas a consideravam responsável pelos artefatos de pedra que acharam em Olduvai, na Tanzânia. Essa espécie virou o precário fundamento da árvore genealógica humana, arraigando-a assim na região da África Oriental. Para além do H. habilis, a história humana permanece turva, representada unicamente por um punhado de fragmentos fósseis de Homo que nem chegam a ser suficientes para identificar uma espécie.

Há muito Berger vem argumentando que o H. habilis é primitivo demais para merecer a posição privilegiada que ocupa na origem do gênero humano. Outros cientistas concordam e acham que, na verdade, ele deveria ser contado entre os australopitecos. Mas Berger está quase sozinho ao defender a ideia de que a África do Sul é o local mais promissor para se buscar o verdadeiro Homo mais antigo. Berger sempre exibiu a ambição e a personalidade para virar um dos protagonistas cruciais em seu campo, tal como Richard Leakey ou Donald Johanson (coube a este último a descoberta da ossada de Lucy). No entanto, faltava-lhe o principal: os ossos que comprovassem a sua hipótese.
Três espécies do gênero , todas surgindo no registro fóssil por volta de 2 milhões de anos atrás, reforçam o argumento contra uma progressão linear rumo à humanidade – posição salientada pela mescla única, no H. naledi, de traços primitivos e avançados - Reconstruções por John Gurche. Imagens fora de Escala. Crânios por Mike Hettwer; fotografados no Museu Nacional do Quênia. Exemplares de crânio (da esquerda para a direita): KNMER 1813; 1470; 3733

Então, em 2008, ele fez uma descoberta importante. Ao explorar o local mais tarde conhecido como Malapa, a 16 quilômetros da Caverna Rising Star, ele e o filho de 14 anos, Matthew, toparam com alguns ossos de hominídeos projetando-se de blocos de dolomita. No ano seguinte, a equipe de Berger conseguiu extrair da rocha nada menos que dois esqueletos quase completos. Datados de cerca de 2 milhões de anos atrás, essa foi a primeira descoberta importante registrada ao longo de décadas na África do Sul. Em muitos aspectos, essas ossadas eram muito primitivas, mas, por outro lado, apresentavam características estranhamente modernas.

Berger concluiu que os ossos pertenciam a uma nova espécie de australopiteco, que batizou de Australopithecus sediba. Porém, foi além e alegou que os ossos constituíam as amostras que permitiriam decifrar a origem do Homo. Ainda que admitissem que Berger fizera uma descoberta “de cair o queixo”, quase todos os decanos da paleoantropologia consideraram inaceitável a interpretação que ele deu ao A. sediba. Era novo demais, estranho demais e não estava no lugar certo para ser o antepassado do Homo – em suma, não podia ser um de nós. Em outro sentido, o mesmo se podia dizer de Berger. Desde então, cientistas proeminentes publicaram artigos sobre os primeiros Homo e nem se deram ao trabalho de fazer menção a ele ou ao seu achado.

Berger não se deixou abalar pela rejeição e retomou o trabalho – havia outras ossadas de Malapa à espera, ainda incrustradas em blocos de arenito no laboratório, que exigiam a sua atenção. Então, certa noite, Pedro Boshoff, um geólogo que Berger contratara para encontrar fósseis, bateu à sua porta, acompanhado de Steven Tucker. Berger deu uma espiada nas fotos que eles mostraram, feitas na Caverna Rising Star, e, de imediato, percebeu que o sítio de Malapa vai ter de ficar em segundo plano.

A descoberta

Depois de se contorcerem para descer por mais de 12 metros no buraco da Rising Star, Tucker e Rick Hunter chegaram a outra câmara agradável, com uma cascata de formações esbranquiçadas em um canto. Uma passagem conduzia a uma cavidade mais ampla, com 9 metros de comprimento e 1 de largura. O que chamava a atenção é o que havia no piso: ossos. Eles acharam que as ossadas deviam ser modernas. Não tinham o peso de pedras, como a maioria dos fósseis, nem estavam incrustradas em rochas – estavam apenas dispersas sobre o piso, como se alguém as tivesse jogado lá. Notaram um fragmento de mandíbula inferior, com os dentes intactos, que parecia humana.

Mesmo pelas fotos, Lee Berger podia afirmar que os ossos não pertenciam a seres humanos modernos. Certas características, sobretudo as do maxilar e dos dentes, pareciam primitivas demais. E as imagens indicavam que existem ainda mais ossos: Berger conseguia distinguir a silhueta de um crânio parcialmente enterrado. Seria um esqueleto completo? Berger estava perplexo. No registro fóssil dos primitivos hominídeos, as ossadas quase completas, incluindo os dois esqueletos que ele próprio exumara em Malapa, podiam ser contadas nos dedos de uma única mão. E agora aquilo. Mas o que era aquilo? Qual a sua idade? Como havia ido parar ali na gruta?

Mais urgente ainda era saber como retirar de lá os ossos, e o mais rápido possível. Pela disposição deles, estava evidente que alguém já passara por ali, talvez décadas atrás. Tucker e Hunter não tinham a competência técnica necessária para extrair os fósseis, e nenhum cientista conhecido de Berger – muito menos ele próprio – era magro o bastante para descer por uma passagem tão estreita. Por isso, Berger recorreu ao Facebook, anunciando que buscava indivíduos esguios, com formação científica e experiência espeleológica – e, sobretudo, “dispostos a trabalhar em espaços confinados”. Uma semana e meia depois, cerca de 60 pessoas fizeram contato. Ele então escolheu as seis mais promissoras, todas mulheres e jovens, apelidadas por Berger de “astronautas do subsolo”.

Assim, com patrocínio da National Geographic Society, Berger reúne cerca de 60 cientistas e monta um centro de comando na superfície, uma barraca com equipamentos científicos, assim como um pequeno acampamento para descanso e apoio. Espeleólogos locais ajudam a estender 3 mil metros de cabos de comunicação e energia elétrica até o local dos fósseis. Tudo o que acontece lá embaixo pode ser seguido por Berger e seus colegas nos monitores instalados no centro de comando.
Marina Elliott, acima, explora um salão com o paleontólogo Ashley Kruger. Ela é uma das seis cientistas do grupo com a habilidade e os dotes físicos para ir ao salão Dinaledi. Lee Berger, na tela, acompanha o trabalho da superfície. - Foto: Robert Clark

Marina Elliott, na época aluna da Universidade Simon Fraser, no Canadá, é a primeira a se esgueirar pelo buraco. Ela e duas companheiras, Becca Peixotto e Hannah Morris, vão avançando centímetro por centímetro até a “zona de pouso”, no fundo, e se agacham no salão que abriga os fósseis. Trabalhando em turnos de duas horas e se revezando com outra equipe de três mulheres, elas mapeiam e empacotam mais de 400 fósseis que jazem na superfície e, depois, começam a retirar a terra em volta do crânio semienterrado. Embaixo e à volta dele há muitos outros ossos, bem compactados.

No decorrer dos dias seguintes, enquanto as pesquisadoras vasculham a área de 1 metro quadrado em torno do crânio, os outros cientistas se amontoam ao redor dos monitores de vídeo no centro de comando, em uma atmosfera de excitação quase permanente. Berger, vez por outra, ruma para a barraca-laboratório a fim de examinar os ossos que se acumulam – até que um grito geral de assombro vem do centro de comando e faz com que ele volte às pressas para acompanhar outra descoberta em tempo real. São dias gloriosos.
Os ossos estão bem preservados e, pela duplicação dos tipos, logo fica evidente que não há na gruta apenas um esqueleto, mas dois, em seguida três, depois cinco... Encerradas as três semanas reservadas por Berger para a escavação, as pesquisadoras recuperam 1 200 ossos, mais que em qualquer outro sítio arqueológico com antepassados humanos na África – e, mesmo assim, não se esgota o material naquele metro quadrado ao redor do crânio inicial. São necessários mais dias de escavação, em março de 2014, para remover tudo o que se encontra na camada de sedimentos de apenas 15 centímetros de profundidade.

No total, 1 550 itens são recuperados, correspondentes a, no mínimo, 15 indivíduos. O conjunto de ossos impressiona. Há crânios. Maxilares. Costelas. Dúzias de dentes. Um pé quase completo. Uma mão, com todos os ossos intactos. Ossos minúsculos do ouvido interno. Adultos mais idosos. Jovens. Crianças, identificadas por vértebras pequenas como dedais de costura. Algumas partes dos esqueletos parecem espantosamente modernas. Outras são primitivas – em certos casos, mais simiescas que as dos australopitecos. “Descobrimos uma criatura notável”, comenta Berger, com um sorriso largo.

Na paleoantropologia, os novos espécimes costumam ser mantidos em sigilo até que sejam bem analisados, e os resultados, publicados. Berger, porém, insiste para que os estudos sejam divulgados até o fim de 2014 – ou seja, exatamente meio século depois de Louis Leakey ter divulgado a descoberta do primeiro membro do gênero humano, o Homo habilis, que permanece até hoje nessa posição.
Seja como for, só há um jeito de concluir com rapidez a análise do material: fazer com que os ossos sejam examinados por muita gente. Além das duas dezenas de cientistas veteranos que o haviam ajudado a avaliar as ossadas de Malapa, Berger convida mais de 30 pesquisadores jovens, que acorrem a Johannesburgo vindos de 15 países, para um esforço concentrado de estudo com a duração de seis semanas. Para alguns cientistas mais velhos, essa mobilização de pesquisadores jovens a fim de acelerar a publicação de resultados tinha algo de precipitado. No entanto, para os jovens participantes, é “um paleossonho que virava realidade”, define Lucas Delezene, hoje professor na Universidade de Arkansas. “Na faculdade, quem não sonha com uma pilha de fósseis jamais vistos e que têm de ser analisados?”
O esqueleto quase completo expõe a estrutura geral do corpo do H. naledi. Os ombros, quadris e tronco remetem a antepassados primitivos, ao passo que os membros inferiores revelam características de aparência mais humana. Já o crânio e os dentes exibem traços mesclados - Foto: Robert Clark//National Geographic, Lee Berger/University of the Witwatersrand

A maratona de pesquisa acontece num recém-inaugurado laboratório da Universidade de Witwatersrand. As equipes dividem-se em função das partes do corpo. Os especialistas em crânio juntam-se num canto, à volta de uma espaçosa mesa quadrada coberta de fragmentos de crânios e mandíbulas, assim como moldes de outros crânios fósseis já bem conhecidos. Mesas menores são reservadas para ossos de mãos, pés, membros e assim por diante. A atmosfera é de concentração total. Berger e os assistentes mais próximos circulam pela sala, parando aqui e ali para trocas de ideias em voz baixa.

Definição da espécie
 
A pilha de fósseis de Delezene tem 190 dentes – uma parte crucial de qualquer análise, pois muitas vezes só os dentes bastam para identificar uma espécie. Algumas características são espantosamente humanoides – as coroas dos molares são pequenas, por exemplo, com cinco cúspides, tal como nos nossos molares –, mas, por outro lado, as raízes dos pré-molares parecem toscas demais. “Não sabemos bem o que concluir disso”, diz Delezene. “É muito bizarro.”

O mesmo efeito paradoxal toma conta das outras mesas. Ossos das mãos modernos exibem dedos muito curvos, mais adequados a algum animal arborícola. Os ombros também exibem aspectos simiescos, e as lâminas muito abertas da pelve são tão primitivas quando as de Lucy – todavia, na mesma pelve, a base parece a de um ser humano moderno. Já os ossos das pernas começam apresentando formato similar ao de um australopiteco, tornando-se modernos à medida que se aproximam dos pés – praticamente idênticos aos nossos. “Quase que dá para traçar uma linha pelo quadril: primitivo na parte superior, moderno na inferior”, diz o paleontólogo Steve Churchill, da Universidade Duke. “Se você tivesse topado só com o pé, podia até imaginar que pertencia a um indígena local recém-falecido.”

Mas aí resta a questão da cabeça. Quatro crânios parciais foram encontrados – provavelmente dois masculinos e dois femininos. No que se refere à morfologia geral, claramente parecem avançados o bastante para serem incluídos entre os Homo. No entanto, as caixas cranianas são minúsculas – apenas 560 centímetros cúbicos para os machos e 465 para as fêmeas, bem menos que a média de 900 centímetros cúbicos do H. erectus, e menos que a metade da nossa própria caixa craniana. Um cérebro volumoso é indispensável para a condição humana, a marca característica de uma espécie que evoluiu e sobreviveu graças à inteligência. Essas criaturas não são exatamente humanas. Possuem a cabeça pequena demais, mesmo que tenham alguns membros com características humanas.

“Estranho como o diabo”, define o paleoantropólogo Fred Grine. “Cérebro minúsculo em corpo nada minúsculo.” Os machos adultos medem cerca de 1,5 metro e pesam 45 quilos; as fêmeas, um pouco mais baixas e leves. “O que isso indica é um animal no meio da transição entre o Australopithecus e o Homo”, comentou Berger quando, em junho deste ano, chegou ao fim o esforço concentrado de identificação. “Tudo o que serve para tocar o mundo de modo crucial é mais parecido conosco. Já as outras partes preservam fragmentos do passado primitivo.”
Em alguns aspectos, o novo hominídeo da Caverna Rising Star está ainda mais próximo aos seres humanos modernos que o Homo erectus. Para Berger e colegas, fica evidente que pertence ao gênero Homo, ainda que distinto de todos os outros membros. Por isso, não lhes resta outra saída além de propor a criação de uma nova espécie, batizada de Homo naledi, numa alusão à gruta onde foram achados os ossos – na língua local, o soto do sul, naledi significa “estrela”.

Como aqueles fósseis foram parar numa câmara tão remota?

Em novembro de 2013, quando ainda retiravam da caverna o extraordinário conjunto de ossos, Marina Elliott e as suas companheiras ficaram igualmente surpresas com o que não conseguiam achar. “Estávamos no terceiro ou no quarto dia e ainda não havíamos topado com nenhum resquício de fauna”, diz Marina. No primeiro dia, ossos pequenos de aves tinham sido achados no piso da caverna, mas, fora isso, só havia as ossadas de hominídeos.

Afinal, como aqueles restos mortais tinham ido parar numa câmara tão remota? Era evidente que os indivíduos não viviam na caverna – não havia artefatos de pedra nem restos de alimentos que sugerissem tal ocupação. Era concebível que um bando de H. naledi poderia ter se perdido e ficado de algum modo preso nas galerias. A distribuição dos ossos, porém, parecia indicar que foram sendo depositados no decorrer do tempo, talvez ao longo de séculos. E, se tivesse arrastado para ali corpos ou partes de corpos desde outros pontos, onde haviam sido abatidos ou já estavam mortos, um animal carnívoro teria deixado marcas de dentes nos ossos – e disso não se via o menor traço. Por fim, se, ao longo de milênios, os ossos tivessem sido levados por água corrente até os recantos mais profundos da Rising Star, essa água teria carregado também outros tipos de entulho. Mas não se via cascalho nem outros resíduos no salão dos fósseis, apenas o sedimento fino que se soltara das paredes da caverna ou que passara por estreitas fendas. “Quando a gente elimina o impossível”, certa vez Sherlock Holmes lembrou a seu amigo Watson, “o que resta, por mais improvável, deve ser a verdade.”
Após descartar todas as outras explicações, Berger e a sua equipe viram-se diante da conclusão improvável de que os corpos dos H. naledi haviam sido deliberadamente deixados ali por indivíduos da mesma espécie. Até agora, só o Homo sapiens, e alguns seres humanos arcaicos, como os neandertais, eram tidos como capazes de tratar os mortos dessa maneira ritualística. Talvez naquela época o Passagem do Super-Homem fosse largo o bastante para ser atravessado a pé, e os hominídeos apenas largaram os fardos sobre o buraco, sem que eles próprios se arriscassem à descida. Com o tempo, a pilha crescente de ossos foi pouco a pouco tombando na câmara inferior.

A fim de dispor desse modo dos cadáveres, os hominídeos enfrentaram a escuridão em todo o trajeto até o buraco estreito e, depois, no caminho de volta, o que teria exigido algum tipo de iluminação artificial – tochas ou fogueiras acesas a intervalos. A ideia de um animal de cérebro minúsculo realizando algo assim complexo parece tão improvável que muitos outros pesquisadores simplesmente se recusam a considerá-la viável. Em algum momento no passado, argumentam eles, deve ter existido uma entrada na caverna que permitia um acesso mais direto à câmara dos fósseis, e por ela os ossos provavelmente foram carregados pela água. “Tem de existir outra entrada”, insistiu Richard Leakey, depois de uma visita a Johannesburgo para examinar os fósseis.

Nesse caso, seria inevitável que a correnteza de água levasse, juntamente com os ossos, cascalho, matéria vegetal e outros tipos de entulho até o salão dos fósseis. O problema é que disso não há nenhum indício. “Não tem muita margem para a subjetividade aqui”, diz o geólogo Eric Roberts. “Os sedimentos não mentem.”

As práticas funerárias proporcionam conforto aos vivos, dignificam os falecidos ou facilitam a transição deles para a vida futura. Tais sentimentos são característicos da humanidade. Mas o H. naledi, ressalta Lee Berger, não era um ser humano – o que torna esse comportamento ainda mais intrigante. “É um animal que parece ter tido a capacidade cognitiva de se reconhecer como separado da natureza”, afirma.

Um grupo de H. naledi dispõe dos restos mortais de seus semelhantes. Embora esse comportamento avançado seja desconhecido em hominídeos primitivos, “não há outra explicação para a presença das ossadas”, afirma Lee Berger, o cientista responsáve - Ilustração de Jon Foster. Fonte: Lee Berger, Universidade de Witwatersrand (Wits), África Do Sul

Os mistérios em torno da classificação do H. naledi, e de como as ossadas acabaram na caverna, estão inextricavelmente vinculados à questão da idade desses ossos – e isso ninguém sabe por enquanto. Na África Oriental, os fósseis podem ser datados com exatidão sempre que achados acima ou abaixo de camadas de cinza vulcânica, cuja idade pode ser avaliada pela desintegração, regular como um relógio, dos elementos radiativos na cinza. Em Malapa, Berger tivera sorte: os restos do A. sediba estavam entre duas concreções – finas camadas de calcita depositadas por água corrente – que podiam ser datadas por radiometria. No entanto, as ossadas no recesso da Rising Star jaziam no piso da caverna ou estavam enterradas em sedimentos rasos e mesclados. Quando os ossos foram parar na gruta é um problema ainda mais espinhoso do que saber como lá chegaram.

Para quase todos os pesquisadores que participaram da maratona de estudo dos fósseis, a grande preocupação era o modo como seria recebida a análise sem que tivesse sido estabelecida uma data. Berger, porém, não se mostrou nem um pouco incomodado com isso. Se o H. naledi se revelasse tão antigo quanto apontava a morfologia, então tratava-se da própria raiz da árvore genealógica do Homo. Todavia, se fosse comprovado que a nova espécie era bem mais jovem, as repercussões seriam igualmente importantes. Pois poderia significar que, ao mesmo tempo que a nossa espécie evoluía, outro ramo separado do Homo, com cérebro menor e aparência mais primitiva, também estava solto pelo mundo, até pouco tempo atrás. Há 100 mil anos? Cinquenta mil? Dez mil anos? Como sempre, mesmo quando a febril maratona de estudo dos fósseis foi encerrada, sem oferecer qualquer resposta a essa questão fundamental, Berger continuou animado. “Não importa a idade, o impacto vai ser tremendo”, concluiu ele, dando de ombros.

Novas discussões sobre a oreigem do gênero Homo

Algumas semanas depois, em agosto de 2014, ele voa para a África. Para celebrar o 50o aniversário da divulgação do H. habilis feita por Louis Leakey, Richard Leakey convidara os principais especialistas em primórdios da evolução humana para um simpósio no Instituto Turkana Basin, o centro de pesquisa que ele havia fundado perto da margem ocidental do Lago Turkana, no Quênia.

A finalidade desse encontro é ver se os cientistas chegam a algum consenso sobre o confuso registro do Homo em seus primórdios, deixando assim de lado o exibicionismo e o rancor – dois vícios endêmicos na paleoantropologia. Alguns dos críticos mais virulentos de Lee Berger estão presentes, entre os quais gente que havia publicado artigos mordazes sobre a interpretação que ele fizera dos fósseis A. sediba. Para esse grupo, Berger, na melhor das hipóteses, é um leigo incompetente e, na pior, alguém norteado pela busca de autopromoção. Há até quem ameace não comparecer caso ele esteja lá. Contudo, em função do achado na Rising Star, Richard Leakey não poderia deixar de convidá-lo. “Não tem ninguém mais no planeta produzindo tantos fósseis quanto Lee”, comenta Leakey.

Durante quatro dias, os cientistas amontoam-se em um laboratório espaçoso, as janelas abertas para deixar entrar a brisa, os moldes de todos os indícios relevantes do Homo primitivo distribuídos nas mesas. Quando chega a sua vez de falar, Bill Kimbel, do Instituto da Origem Humana, descreve um novo maxilar de Homo, exumado na Etiópia, de 2,8 milhões de anos atrás – o mais antigo membro conhecido do gênero humano. A arqueóloga Sonia Harmand relata algo ainda mais espetacular – a descoberta, perto do Lago Turkana, de dúzias de artefatos de pedra que remontam a 3,3 milhões de anos. Se os utensílios de pedra surgiram meio milhão de anos antes do aparecimento do nosso gênero, é difícil seguir argumentando que a característica definidora do Homo é a sua engenhosidade tecnológica.
Berger mantem-se calado, pouco contribuindo para a discussão, até que surge o tema da comparação entre o A. sediba e o H. habilis. Havia chegado a sua hora. “Talvez a Caverna Rising Star tenha algo a contribuir para esse debate”, começa. Nos 20 minutos seguintes, expõe tudo o que havia ocorrido – a casual e feliz descoberta da caverna, a maratona de estudos em junho e o resumo das suas constatações. Enquanto fala, alguns moldes de crânios achados na Rising Star são passados de mão em mão.

Depois, vêm as questões. Vocês fizeram uma análise crânio-dental? Fizemos. O crânio e os dentes do H. naledi o colocam no mesmo grupo do Homo erectus, dos neandertais e dos seres humanos modernos. Mais próximo do H. erectus que o H. habilis? É, mais próximo. Tem marcas de dentes de carnívoros nos ossos? Não, esses são os mortos mais saudáveis que alguém já viu. Conseguiram avançar com a datação? Ainda não, mas sem dúvida vamos acabar chegando a uma data. Não há por que se preocupar.
Então, ao cessarem as perguntas, os especialistas presentes fazem algo inesperado, sobretudo para Lee Berger. Eles irrompem em aplausos.

Sempre que ocorre alguma nova descoberta importante sobre a evolução humana – ou mesmo de relevância menor –, o mais comum é alegar que se trata de uma revolução nas concepções anteriores sobre os nossos antepassados. Mas Berger não afirma ter achado o Homo mais antigo, tampouco que os fósseis da gruta vão recuperar o título de “berço da humanidade” (ainda hoje na África Oriental) para o sul do continente. Os fósseis, porém, sugerem que ambas as regiões contêm as pistas de uma história que é mais complexa que a simples metáfora de “árvore genealógica da humanidade”.
“O que o H. naledi me diz é que, por mais que se considere o testemunho fóssil para se propor explicações, a realidade pode ser diferente”, conta Fred Grine, da Universidade Stony Brook. Talvez uma espécie anterior de Homo tenha surgido na África do Sul e, depois, seguido para a África Oriental. “Ou talvez tenha ocorrido o inverso.”

Berger acha que a metáfora correta para a evolução humana, em vez dos galhos de uma árvore que se bifurcam a partir de uma única raiz, seja um rio com leitos paralelos, com correntes que se dividem e cujas águas voltam a se unir mais adiante. Do mesmo modo, os vários tipos de hominídeo que viviam nas paisagens africanas devem, em algum momento, ter divergido de um antepassado comum. Depois, contudo, mais à frente no rio do tempo, esses tipos voltaram a se mesclar, e com isso nós, situados na foz dessa corrente, hoje somos feitos de um pouco da África Oriental e de outro tanto da África do Sul, assim como de toda uma história que coninua desconhecida. Pois uma coisa é certa: se ficamos sabendo a respeito de um novo hominídeo apenas porque dois exploradores calharam de ser magros o bastante para se esgueirar pela fenda de uma caverna já explorada na África do Sul, então, na verdade, a gente não tem nenhuma ideia do que ainda existe por aí no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.