terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

"Extinctions a way of life, but there have been mass extinction events where a whole array of species get wiped out."  

Michael Novacek Provost of Science

Six (Mass) Extinctions in 440 Million Years    

All things must pass. But the idea that a species could go extinct is a relatively new one, first proposed by anatomist Georges Cuvier in a presentation in Paris in 1796 in a lecture on the extinction of the mastodon, then thought by some to still be roaming the ill-explored western reaches of North America. 
View larger
Discovered in 1845 in Newburgh, New York, the Warren mastodon now resides in the Museum's Hall of Advanced Mammals.
Cuvier’s suggestion that life on Earth was not static, and that species could disappear, was groundbreaking. Studying the collections of the National Museum of Natural History in Paris and records from other collections around the world, he soon identified several species whose like we would never see again, including the mosasaur, the cave bear, and the Irish elk.
An illustration of an Irish elk by Charles R. Knight and a fossil of the same animal at the Museum.
Buoyed by the research of scientists like Charles Lyell and Charles Darwin, the idea that species developed gradually, over time, gained acceptance in the scientific community. For generations, it was dogma that extinctions happened slowly, too. The idea that species could be wiped out in a fell swoop, even one with catastrophic consequences, wasn’t given much credence. 
That changed in the late 1980s and early 90s, when the Alvarez hypothesis, which stated that a huge comet or asteroid impact was responsible for the sudden disappearance of non-avian dinosaurs and many other forms of life 66 million years ago. Proposed by physicist Luis Alvarez and his son, geologist Walter Alvarez, the hypothesis took time to gain acceptance, but buoyed by evidence like the crater pictured below, an impact is now the most widely accepted explanation for the Cretaceous-Paleogene (K-Pg) extinction.
Meteor Crater

Credit: Shane Torgerson
That acceptance also opened the door for further study of geological and fossil records, which led researchers to a surprising conclusion: While the K-Pg extinction event was a very bad day for life on Earth, it was by no means the only one on record. Researchers now think that the K-Pg was just the latest of five major extinction events—and that we’re currently in the middle of a sixth mass extinction, one caused not by a volcano or asteroid impact, but by humans.
Each event had a different impetus. Some took place over the span of millions of years while others were extremely sudden. What they have in common, though, is that they reshaped the face of life on Earth by wiping out a significant portion of it. 

About 445 Million Years Ago: Ordovician Extinction

View larger
Trilobites were once one of the most common lifeforms on the planet, but many species were wiped out during the Ordovician extinction.
The earliest known mass extinction, the Ordovician Extinction, took place at a time when most of the life on Earth lived in its seas. Its major casualties were marine invertebrates including brachiopods, trilobites, bivalves and corals; many species from each of these groups went extinct during this time. The cause of this extinction? It’s thought that the main catalyst was the movement of the supercontinent Gondwana into Earth’s southern hemisphere, which caused sea levels to rise and fall repeatedly over a period of millions of years, eliminating habitats and species. The onset of a late Ordovician ice age and changes in water chemistry may also have been factors in this extinction. 

About 370 Million Years Ago: Late Devonian Extinction

View larger
Tiktaalik, considered a transitional species between fishes and the first legged animals, developed during the Devonian Period.
© National Science Foundation
Towards the end of the Devonian period around 370 million years ago, a pair of major events known as the Kellwasser Event and the Hangenberg Event combined to cause an enormous loss in biodiversity.
Given that it took place over a huge span of time—estimates range from 500,000 to 25 million years—it isn’t possible to point to a single cause for the Devonian extinction, though some suggest that the amazing spread of plant life on land during this time may have changed the environment in ways that made life harder, and eventually impossible, for the species that died out. 
Dunkleosteus terrelli
View larger
Dunkleosteus terrelli is one of the species of armored fish called placoderms that went extinct at the end of the Devonian Period.
The brunt of this extinction was borne by marine invertebrates. As in the Ordovician Extinction, many species of corals, trilobites, and brachiopods vanished. Corals in particular were so hard hit that they were nearly wiped out, and didn’t recover until the Mesozoic Era, nearly 120 million years later. Not all vertebrate species were spared, however; the early bony fishes known as placoderms met their end in this extinction.

252 Million Years Ago: Permian-Triassic Extinction

The Permian-Triassic extinction killed off so much of life on Earth that it is also known as the Great Dying. Marine invertebrates were particularly hard hit by this extinction, especially trilobites, which were finally killed off entirely. But you don’t get a nickname like the Great Dying for playing favorites; almost no form of life was spared by this extinction, which caused the disappearance of more than 95 percent of marine species and upward of 70 percent of land-dwelling vertebrates.
Permian Ocean Floors
View larger
The Permian Period, depicted in this diorama at the Museum, ended in an extinction known as The Great Dying.
So many species were wiped out by this mass extinction it took more than 10 million years to recover from the huge blow to global biodiversity. This extinction is thought to be the result of a gradual change in climate, followed by a sudden catastrophe. Causes including volcanic eruptions, asteroid impacts, and a sudden release of greenhouse gasses from the seafloor have been proposed, but the mechanism behind the Great Dying remains a mystery. 

201 Million Years Ago: Triassic-Jurassic Extinction

This extinction occurred just a few millennia before the breakup of the supercontinent of Pangaea. While its causes are not definitively understood—researchers have suggested climate change, an asteroid impact, or a spate of enormous volcanic eruptions as possible culprits—its effects are indisputable. 
View larger
The Triassic-Jurassic extinction event took place just a few thousand years prior to the breakup of the supercontinent Pangea.
Wikimedia Commons/Massimo Pietrobon
More than a third of marine species vanished, as did most large amphibians of the time, as well as many species related to crocodiles and dinosaurs. 

66 Million Years Ago: Cretaceous-Paleogene Extinction 

The most recent mass extinction event is also likely the best understood of the Big Five. 
T Rex
View larger
Tyrannosaurus rex was among the many species of dinosaurs that went extinct as a result of the Cretaceous-Paleogene extinction event.
In addition to its most famous victims, the non-avian dinosaurs, the K-Pg event caused the extinction of pterosaurs and extinguished many species of early mammals and a host of amphibians, birds, reptiles, and insects. Life in the seas was also badly disrupted, with damage to the oceans causing the extinction of marine reptiles like mosasaurs and plesiosaurs, as well as of ammonites, then one of the most diverse families of animals on the planet. 
In all, scientists estimate that 75 percent of species living at the time of the K-Pg extinction were wiped out.

Now: The Holocene Extinction

The Holocene Extinction hasn’t been defined by a dramatic event like a meteor impact. Instead, it is made up of the nearly constant string of extinctions that have shaped the last 10,000 years or so as a single species—modern humans—came to dominate the Earth. Some have even suggested that the Holocene Extinction would be more aptly named the Anthropocene Extinction, after the role humans have played in this ongoing loss of biodiversity around the world.

Plate from Zoological Illustrations (1829) by William SwainsonAccepted as Urania sloanus
Courtesy of Wikimedia Commons
The now extinct Tasmanian tiger, as depicted in John Gould’s The Mammals of Australia in 1863, was the world's largest meat-eating marsupial.
Once a staple of America's Great Lakes, the blue walleye fell victim to overfishing and has been extinct since the 1980s.
Courtesy of NOAA/GLERL
Plate from Zoological Illustrations (1829) by William SwainsonAccepted as Urania sloanus
Courtesy of Wikimedia Commons
The now extinct Tasmanian tiger, as depicted in John Gould’s The Mammals of Australia in 1863, was the world's largest meat-eating marsupial.
“Many of the past mass extinction events are mysterious in some ways because we really don’t know the cause,” says Michael Novacek, the Museum’s provost of science and a curator in the Division of Paleontology. "But we have a good idea of what the cause of the current changes are, this century and the centuries before: it’s human activity.”
Humans have contributed to factors like climate change and the introduction of invasive species, which are leading to even more extinctions as animal habitats disappear or are disrupted by new species.  “Some biologists think that the current rate of species loss is probably a thousand times what the normal rate is,” says Novacek.
Many of the species going extinct are doing so before they are even identified. In light of this, researching new species for a fuller understanding of the world’s biodiversity grows ever more urgent for institutions like the American Museum of Natural History. These records, Novacek says, are vital to our knowledge of the world around us.
“The collections in the Museum here and other museums are really a record of life," Dr. Novacek says. “They’re very important for not only telling us what went extinct, but what survived.”

Types of Tigers


I – Siberian tigers

img Siberian tigers are muscular, packed with large heads and powerful forelimbs. Their colors vary from orange to brown that are splashed with white areas and black stripes. Their faces have long whiskers that are longer in male tigers, featuring eyes that don rounded pupils that have been accentuated by yellow irises. The ears, however, are small and rounded with black markings that surround white areas called ocelli, which are not decorative but actually contribute to communication within the species.
The stripe pattern is different in each tiger. The markings are so unique, like human fingerprints, that researchers actually use them to identify a particular tiger.You may have heard of scientists trying to follow up what has happened to one particular tiger they have encountered before. The stripes could also be used as a means of camouflage, which is advantageous when they silently follow and pounce at their prey.
The tiger, among large cats, has the most varied size even when compared to leopards and lions.

II – Bengal tigers

img The tiger has nine subspecies. Three of these are already extinct. The historical range of tigers all across Asia is now significantly smaller. The surviving subspecies of the Pathera tigris trigris, which is popularly known by its common name, Bengal tiger can be found in Bangladesh, Bhutan, India and Nepal. It is still the subspecies with the most living individuals left, even with its mere 2,500 adult tiger population. Bengal tigers can be found in alluvial grasslands, rainforests of both the tropical and subtropical kinds, mangroves, deciduous forests and scrub forests. Male Bengal tigers can reach up to 270 to 310 centimeters (110 to 120 inches) while the females reach up to 240 to 265 centimeters (94 to 104 inches). The males are also heavier, at 175 to 260 kilograms (390 to 570 pounds), while the females weigh around 100 to 181 kilograms (220 to 400 pounds). Places also have an effect on the weight and length of the Bengal tiger, with those living in Nepal and India growing to become the largest bunch.
Project Tiger was established in India in 1972. This project was launched by those concerned about the tiger population in the hopes of ensuring that it would remain viable. This effort does not only have biological but also cultural importance. Ironically, culture is partly to blame for poaching. There is an illegal demand for tigers' body parts, especially their bones, which can be used to create Traditional Chinese medicine.
From the years of 1994 to 2009, there have been 893 cases of tiger killing as reported by the Wildlife Protection Society of India. This really shows the dangers that the tigers are always facing. There are some efforts to conserve the tiger population, however, as in the case of special conservation areas such as the one found within the Terai Arc Landscape. Such a conservation area aims to treat tigers as one meta-population or one population despite the fact that they are not exactly living together in one broad area. Another goal is for the species to have a conserved habitat that could be put forward as a rural development plan. In Nepal, a tourism and county project is aiming to not only promote the tiger population but also to regenerate forests that have been stripped down. Would these efforts be enough to save the tigers? Only time and our continued efforts will tell.

III – Indochinese tigers

img The Panthera tigris corbetti, more commonly known as the Indochinese tiger, can be found in several Asian countries such as Burma, Cambodia, Laos, China, Vietnam and Thailand. They are darker in color and smaller in size than Bengal tigers but they are not lightweights either, with their capacity to reach the maximum weight of 420 pounds for males and 310 pounds for females. Indochinese tigers prefer to live in forests in areas that are either hilly or mountainous. There aren't a lot of these tigers anymore. The government estimates the subspecies population to be at a mere 350. Even those that have been left behind are still in danger of being poached or even of starving due to the fact that their primary choice of prey, such as wild pigs and deer, are decreasing. In Vietnam, about 75% of the tigers have been poached to serve as Chinese pharmacy stock.

IV – Malayan tigers

img The Panthera tigris jacksoni, otherwise known as the Malayan tiger, can only be found in the south of the Malay Peninsula. The Malayan tiger was only recognized as a subspecies in 2004. A research conducted by Luo and others, from the Laboratory of Genomic Diversity Study (part of the United States' National Cancer Institute), came up with the new subspecies classification. There are about 500 still-living Malayan tigers but they are endangered by poaching. These are the smallest subspecies on the mainland and even the second smallest living tiger subspecies. The males average at 120 kilograms while the females average at about 100 kilograms. Note that the Malayan tiger has a cultural significance in Malaysia as it has made it to the country's coat of arms. It is also the logo of Maybank, a Malaysian bank. V- Sumatran tigers
The Panthera tigris sumatrae, commonly known as the Sumatran tiger, can only be found in Sumatra, which is an Indonesian island. If you think the other subspecies are in danger of extinction, this particular subspecies has reached the critical point. Sumatran tigers are the smallest of all living subspecies of the tiger. Adult males weigh between 100 and 140 kilograms (220 to 310 pounds) and the females weigh 75 to 110 kilograms (170 to 240 pounds). This subspecies is small because it adapts to the dense forests of Sumatra. The prey available on the island is also small, which does not do much for the Sumatran tiger's build. While the population of Sumatran tigers in the wild are around 400 to 500, which is similar to that of other subspecies, genetic testing has shown that the Sumatran tiger may develop or evolve into a different species altogether if it even manages to evade extinction. Because of this fact, there have been suggestions that the particular subspecies should be prioritized when it comes to conserving tiger subspecies.
Habitat destruction is still considered to be the main threat to the Sumatran tiger population. However, there are also records of tigers being killed by shooting near the end of the twentieth century. Those shot and killed made up 20% of the then population.

VI – South China tigers

img Panthera tigris amoyensis, also known as the South China tiger, is actually the most endangered tiger subspecies. They are even more endangered than the Sumatran tigers, which are already heavily watched by conservationists. The South China tiger has even made the list of the world's ten most endangered species. The South China tiger belongs to a group of smaller tiger subspecies, with lengths spanning from 2.2 to 2.6 meters (87 to 100 inches). The range of the length of South China tigers is true for both male and female tigers. Males have a weight range of 127 to 177 kg (280 to 390 pounds); females, on the other hand, have a weight range of 100 to 118 kilograms (220 to 260 pounds).
South China tigers were so endangered that between the years 1983 and 2007, they have not even been seen in the wild. A farmer actually had to show some photographs of a South China tiger but those photos were actually debunked as fakes. This sighting ended up becoming part of a huge scandal back in 2007.
The Chinese government made it a law to ban the killing of tigers in 1977. This could be a move that was just a little too late because of the possibility of the wild tigers being already extinct. If they are extinct then there may be less than a hundred South China tigers left, 59 of which are known to be captives. These tigers are believed to be the offspring of only six animals. This is bad news because in order for the subspecies to continue to exist, genetic diversity is needed. There are no efforts to breed the tigers to speak of right now, anyway, and no efforts to bring the tigers back to their natural habitats.
Some of the other subspecies tigers are actually a lot rarer and may even be extinct.

Extinct subspecies

I – Bali tigers

img Some tiger subspecies may still be mentioned in books but they have already been extinct as habitats continue to be destroyed. The Panthera tigris balica, which is popularly known as the Bali tiger, used to be limited to Bali, which is an Indonesian island. When it still existed, the Bali tiger was the smallest tiger subspecies, with the males weighing 90 to 100 kilograms (200 to 220 pounds) and the females weighing 65 to 80 kilograms (140 to 180 pounds). It is unfortunate that people can no longer appreciate the beauty of a Bali tiger in its compact size. The tigers have become extinct because of hunting. The last of its kind, which is an adult female, was believed to have been hunted and killed in Sumbar Kima.
Back in September 37, 1937, there was no Bali tiger left captive in West Bali. However, today, it should be noted that the tiger is still regarded with importance in Balinese Hinduism.

II – Caspian tigers

img The Panthera tigris virgata is better known as the Caspian tiger as well as under other names, such as the Hyrcanian or the Turan tiger. This tiger subspecies used to be found in sparse forests. It was also found south and west of the Caspian Sea. At least, it wast still sighted in the wild up to the early 1970s. The closest living subspecies to the Caspian tiger is the Amur tiger.

III – Javan tigers

img The Panthera tigris sondaica, otherwise known as the Javan tiger, used to live only on the island that it was named after. Sightings have been recorded up to the middle part of the 1970s. The tigers in these subspecies are bigger than Bali tigers, with the males weighing 100 to 140 kilograms (220 to 310 pounds) and the females weighing 75 to 115 kilograms (170 to 250 pounds). Sadly, the Javan tiger has no longer been sighted after 1979 when it was last seen around the Mount Betiri area.
During a Mount Halimun Salak National Park expedition back in 1990, there was no definite evidence to support that there are still living Javan tigers.

Tiger Hybrids

img We have talked about tiger subspecies that exist and also about those that are extinct. There are other species, however, which can be considered to be part of the tiger family such as the hybrids, examples of which are the Liger and the Tigon. The concept of hybrids has been around for a long time, in fact going back to the 19th century. During that time, people were interested in creating hybrids because they wanted to be able to display odd-looking creatures for profit. The ligers and tigons have been made possible because lions are already known to breed effectively with tigers, especially those from the Bengal and Amur subspecies. There was a time that it was common for these hybrids to be bred in zoos. However, the practice has now been discouraged because of the efforts to conserve species, as well as subspecies. Despite this discouragement, Chinese zoos and private menageries still breed hybrids.
The liger is a hybrid that results from the mating of a male lion and a tigress. The male lion contributes a growth-promoting gene while the tigress is not able to contribute the growth-inhibiting gene. Because of this, ligers can become a lot bigger than either of their parents at lengths of 10 to 12 feet and weights of 800 to 1,000 pounds or even more. They do, however, display the looks and behavior of both parents. As a result, a liger has both spots and stripes stamped on sandy fur. Male ligers have a fifty percent chance of growing a mane. When they actually do, their manes will not be that large, at only about half of a pure lion's.
Though the resulting liger is definitely beautiful and interesting to look at, there may be some fertility problems along the way. Male ligers are, after all, sterile even when their female counterparts are usually fertile.
The tigon, which is the result of the breeding between a male tiger and a lioness, is a less common hybrid.

Tiger Colors

Tigers may also be categorized based on colors. Looking at the colors will help people who are less familiar with subspecies.

I – White tigers

img The white tiger is produced with the help of the allele called chinchilla albinistic and is rather a rare sighting in the wild. It has, however, a very attractive color, which makes it a popular choice in zoo breeding. The color trait is recessive. So, breeding white tigers usually ends up in inbreeding. Inbreeding should be avoided because it can cause several physical defects, which include scoliosis, strabismus (crossed eyes) and cleft palates. White tigers, even the healthiest ones, have shorter lives. There have been attempts to breed white tigers to orange ones to try to fix the situation. When orange and white tigers mix, there is a mixing of subspecies.
White tigers were first bred back in the early 19th century. They can result from two parent tigers that carry the rare gene that are present in white tigers. This gene is so rare that it occurs only once every 10,000 births. White tigers are only produced when both parent tigers carry the rare gene.
Do remember that white tigers do not make up a separate subspecies. The difference it presents is only in the color. In the wild, the only tiger subspecies in the wild that have been observed to carry the white color is the Bengal tiger. Even all the white tigers that have been held captive are partly Bengal in subspecies. It is believed that the rare recessive gene that carries the white color comes from Bengal tigers only. Scientists have not yet been able to delve further into the reason for this.
There are a few misconceptions about the white tiger. Some believe that the white tiger is more endangered compared to the species as a whole. It is also wrongfully believed that white tigers are albinos, which may have been an old misconception considering the fact that their scientific name comes with the word "albinistic". Pigment, after all, exists in the stripes and the blue eyes of the white tiger but in albinos of whatever species.

II – Golden tigers

img Another recessive gene can result into an interesting "golden" hue. The color is sometimes called "golden tabby" and also sometimes called "strawberry". Golden tigers actually have gold-colored fur, with pale orange stripes and supported by strong but pale-colored legs. They have thicker fur than what is usual for tigers. As of the last count, there are only around 30 golden tigers that are held captive.
Golden tigers, like white tigers, are also part Bengal. In fact, some of them come with the white tiger gene. So, it is possible that when two golden tigers mate, they can end up producing a white tiger with no stripes. Just like the white tiger, the golden tiger is also larger than the average Bengal tiger.

III – Tigers with other colors

Other colors of tigers have been reported. There have been reports of a black tiger but none of these are authenticated except perhaps a Chittagong dead specimen back in 1846. Blue or slate-colored tigers have been heard of but not really confirmed. These tigers are called Maltese tigers. Another unconfirmed tiger color is predominantly black. If such a tiger exists, it may be a mutation instead of a separate, distinct species.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Uma nova época na história geológica da Terra?

Há mais de uma década, esforços vêm sendo realizados para reunir evidências científicas sobre a influência do ser humano sobre a Terra e seus ecossistemas. Tudo indica que já estamos vivendo uma nova época na história geológica do planeta: o Antropoceno. Sua formalização tem data marcada para meados de 2016. 
Por: Juliana Assunção Ivar do Sul
Publicado em 16/02/2016 | Atualizado em 16/02/2016
Uma nova época na história geológica da Terra?
Escala do tempo geológico da Terra, incluindo o Antropoceno (em vermelho) logo após a época atual – o Holoceno. (gráfico: Luiz Baltar) 
Há mais de uma década, esforços vêm sendo realizados para reunir evidências científicas sobre a influência do ser humano sobre a Terra e seus ecossistemas. Tudo indica que já estamos  vivendo uma nova época na história geológica do planeta:  o Antropoceno. A sua formalização tem data marcada para meados de 2016, e a comunidade científica está mobilizada para dar esse importante passo.

No início da década de 2000, o termo Antropoceno foi sugerido pelo químico holandês Paul Crutzen, ganhador do prêmio Nobel de Química em 1995, para descrever a época ou intervalo de tempo mais recente  na escala geológica da Terra. O termo reflete a profunda e contínua influência das atividades humanas sobre o planeta – que tem 4,6 bilhões de anos – e seus compartimentos físicos, geológicos e biológicos.

Na escala geológica, o Antropoceno – caso fosse formalmente incluído – sucederia a época atual, denominada Holoceno, que teve início há 11,7 mil anos, depois do último período glacial ou Idade do Gelo – que, por sua vez, está inserido no período Quaternário da Era Cenozoica, os quais seriam mantidos inalterados. O termo e suas inúmeras implicações científicas e de caráter social, político e/ou econômico foram amplamente discutidos nos últimos 15 anos, gerando centenas de artigos publicados em importantes revistas científicas, bem como outras centenas de documentos  de cunho científico e informativo  divulgados em diferentes meios de comunicação (ver ‘Antropoceno: a época da huma­nidade?’, em CH 283). Atualmente, talvez pela aproximação  de um importante  congresso a se realizar  na Cidade do Cabo (África do Sul) neste ano, o debate  sobre a oficialização dessa  ‘nova época’ se intensificou, mobilizando  a comunidade científica envolvida com o tema.

Na escala geológica, o Antropoceno – caso fosse formalmente incluído – sucederia a época atual, denominada Holoceno, que teve início há 11,7 mil anos
Para explicar  melhor, vamos voltar um pouco no tempo. No final da década  de 2000, a União Internacional de Ciências Geológicas (IUGS, na sigla em inglês), importante órgão científico da área, sinalizou a possibilidade  de formalização do Antropoceno caso, naturalmente, fossem cumpridos  os ‘pré-­requisitos’  estabelecidos pela comunidade científica – neste  caso, composta principalmente por geólogos. Para ser reconhecido como uma unidade, ou intervalo de tempo geológico, o Antropoceno deve apresentar um início definido – que  é o tópico mais discutido atualmente; deve ocorrer de forma sincrônica ao redor do planeta; e precisa apresentar evidências  (químicas, físicas e/ou biológicas, como os fósseis) passíveis de serem  monitoradas e que reflitam, claramente, os limites estratigráficos – ou seja, dos estratos ou camadas de rochas que formam a crosta terrestre – entre  os intervalos de tempo adjacentes, assim como ocorre em outras unidades já estabelecidas na escala geológica.

Para que esses pré-­requisitos fossem estudados a fundo, foi criado o Grupo  de Trabalho  do Antropoceno (AWG, na sigla em inglês), que está formalmente ligado à Comissão Internacional de Estratigrafia. Naquela época, foi definido um prazo para a atuação do grupo e, ao final desse período, a IUGS  ‘bateria  o martelo’ quanto  à oficialização do Antropoceno. Esse prazo termina  em agosto deste  ano, durante o Congresso Internacional de Geologia na Cidade do Cabo.

Datas propostas

Inicialmente, Crutzen sugeriu que o Antropoceno teria começado junto com a Revolução Industrial e a invenção da máquina a vapor no final do século 18. Nessa época, as concentrações de gás carbônico e metano começaram a aumentar (em comparação aos níveis encontrados no Holoceno), e a população atingiu a marca de 1 bilhão de habitantes. Alguns pesquisadores acreditam que o Antropoceno começou antes mesmo da Revolução Industrial, há alguns milhares  de anos, com os primeiros impactos do homem sobre a Terra – incluindo, por exemplo, a caça e o desmatamento para a expansão da agricultura.  Outros pesquisadores sugerem ainda  que o Antropoceno teve início na metade do século 20, período por eles denominado  de ‘Grande aceleração’, quando  ocorreram  profundas  mudanças causadas  por atividades antrópicas em um período de tempo relativamente curto.
Inicialmente, Crutzen sugeriu que o Antropoceno teria começado junto com a Revolução Industrial e a invenção da máquina a vapor no final do século 18
Liderados  pelo geólogo inglês Jan Zalasiewicz,  cientistas  das mais diversas áreas do conhecimento (paleontólogos, biólogos, botânicos, oceanógrafos, meteorologistas e cientistas sociais), muitos deles  membros do Grupo de Trabalho  do Antropoceno, foram além: definiram o ano de 1945 como o início da nova época. A data escolhida representa a primeira explosão de uma bomba nuclear na superfície da Terra (em Alamogordo, no Novo México (EUA), em 16 de julho de 1945). Dessa data até 1988, foram detonadas outras bombas nucleares em uma média de uma a cada 9,6 dias, incluindo as de Hiroshima e Nagasaki, deixando marcas na superfície da crosta terrestre.

De ‘pernas para o ar’ 

A proximidade do Congresso Internacional de Geologia já vinha movimentando a comunidade científica envolvida na formalização do Antropoceno. Porém, um artigo recentemente publicado na Nature lançou novos questionamentos. O artigo sugere novas datas para marcar o início da nova época: os anos de 1610 e 1964. O Grupo de Trabalho do Antropoceno e outros pesquisadores, de forma independente, logo se manifestaram por meio da publicação de outros textos, discordando das datas sugeridas por uma série de razões, todas baseadas em evidências científicas levantadas nos últimos anos.

A data de 1610, por exemplo, foi escolhida com base em um ‘leve e curto’ declínio na concentração de gás carbônico atmosférico medido em testemunhos de gelo (tipo de amostra coletada ao longo da camada  de gelo; muitas  vezes, com vários metros de profundidade) da Antártida. O declínio, entretanto, pode ser observado em outros momentos durante o Holoceno, não sendo, portanto, evidência suficiente para indicar a influência de atividades humanas. Já 1964 foi selecionado, entre outros motivos, com base nas altas concentrações atmosféricas de um isótopo (elemento químico com o mesmo número de prótons, mas diferente número de nêutrons) de carbono, registradas nos anéis de crescimento de pinhos em um parque  da Polônia. Nesse caso, a madeira do pinho não foi considerada um ‘material geológico’ propriamente dito, como são as rochas, os sedimentos marinhos e o gelo.

Até meados deste ano, e possivelmente pelas próximas décadas, a comunidade científica tem grandes desafios. Um deles é indicar, com precisão, se e quando começou o Antropoceno, sinalizando de forma definitiva a magnitude da influência dos humanos sobre a Terra. Muitos outros desafios virão, pois os problemas decorrentes dessa ocupação, muitas vezes desordenada, podem estar apenas começando.

À procura dos números mágicos

Produzidos artificialmente, quatro elementos químicos passam a integrar a tabela periódica; segue a busca por outros, mais estáveis
Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

Mendeleev, em 1897: quase três décadas após ordenar os elementos por suas características físico-químicas
Mendeleev, em 1897: quase três décadas após ordenar os elementos por suas características físico-químicas.

O ano de 2016 começou com os jornais noticiando a redecoração das paredes dos laboratórios de química em todo o mundo. É que, de um momento a outro, ficaram desatualizados os pôsteres exibindo a famosa tabela periódica, a lista que organiza os elementos químicos conhecidos segundo suas características e propriedades. Em um comunicado à imprensa no dia 30 de dezembro de 2015, a União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac) e a União Internacional de Física Pura e Aplicada (Iupap) reconheceram oficialmente a existência de quatro elementos químicos descobertos nos últimos anos.

São os elementos de número 113, 115, 117 e 118, ainda sem um nome oficial, que se somam aos 114 identificados anteriormente.

Os novos elementos químicos são chamados de superpesados porque abrigam em seu núcleo um número elevado de prótons (partículas de carga elétrica positiva), muito superior ao dos elementos químicos encontrados na natureza. É esse conjunto de prótons, o chamado número atômico, que distingue um elemento químico do outro e define muitas de suas características.

Por exemplo, o carbono, que constitui a maior parte da massa dos seres vivos, abriga em seu núcleo apenas seis prótons. À temperatura ambiente e puro, o carbono forma cristais que podem ser negros e macios, caso da grafite, ou transparentes e duro, como o diamante, dependendo de como os átomos estão geometricamente organizados. Já o elemento químico natural mais pesado, o urânio, é um sólido metálico bastante denso e radiativo. Tem 92 prótons e, ainda assim, é bem mais leve que os quatro acrescentados agora à tabela periódica.

Os novos elementos são dificílimos de observar e não devem existir espontaneamente na natureza – ao menos, não por muito tempo. Por terem núcleos superpesados, são tão instáveis e fugazes que se desfazem em frações de segundo. A existência deles só pôde ser confirmada por meio de uma série de experimentos realizados ao longo da última década.

Um dos poucos laboratórios capazes de fabricar esses elementos está no Instituto Riken, no Japão. Foi lá que, em 2004, identificou-se o elemento 113.

Outros laboratórios com a mesma capacidade estão no Instituto Conjunto para Pesquisa Nuclear, em Dubna, na Rússia, e em centros nos Estados Unidos. Uma colaboração entre uma equipe de Dubna e pesquisadores norte-americanos, a maioria do Laboratório Nacional Lawrence Livermore, produziu o elemento 115 em 2004, o 118 em 2006 e o 117 em 2010.

Com os quatro novos elementos químicos, somados aos elementos 114 e 116, cuja existência foi reconhecida em 2011, finalmente foram preenchidos todos os espaços vagos na sétima linha da tabela periódica. “Só nos últimos 50 anos, 17 novos elementos químicos foram acrescentados à tabela, do 102 ao 118”, diz o físico Edilson Crema, do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).
059-061_Tabela periódica_240-01
“Quando o químico francês Antoine Lavoisier publicou em 1789 o Tratado elementar de química, considerado um marco da química moderna, a obra listava apenas 33 elementos”, observa o químico e historiador da ciência Carlos Alberto Filgueiras, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Naquela época a identificação de novos elementos químicos dependia do desenvolvimento de produtos e métodos de extração para estudar os minerais. “A análise das propriedades de novos minerais muitas vezes revelava a presença de um elemento químico até então desconhecido”, explica.

A tabela periódica só surgiria no final dos anos 1860. Os químicos já haviam então percebido que os elementos, enfileirados em ordem crescente de massa atômica (a soma de seus prótons e nêutrons), formavam séries com propriedades físicas e químicas semelhantes, que se repetiam periodicamente ao longo da fila. A partir dessas observações, o químico russo Dmitri Mendeleev ordenou os 65 elementos identificados até então no que chamou de tabela periódica dos elementos químicos. Ele previu a existência de outros, como o gálio e o germânio, só descobertos anos depois.

Depois de preencherem quase todas as lacunas da tabela periódica entre o hidrogênio, que tem 1 próton, e urânio, com 92, começou-se a usar aceleradores de partículas nos anos 1940 para tentar produzir elementos químicos mais pesados que o urânio. Os primeiros elementos químicos sintéticos eram formados pela adição de um nêutron, que, ao aderir ao núcleo, converte-se em um próton, liberando um elétron e um neutrino. Essa estratégia funcionou até o férmio, que tem 100 prótons. A partir daí, os elementos pesados passaram a ser criados pela colisão e fusão de dois núcleos mais leves.

A produção desses elementos exige um ajuste fino entre as massas dos núcleos e a energia com que são lançados uns contra os outros. É que a colisão tem de ocorrer com energia suficiente para vencer a força de repulsão entre os núcleos, que têm carga elétrica positiva. Mas a energia não pode ser elevada demais a ponto de impedir a formação de um núcleo maior e estável, ainda que por instantes. O objetivo dos físicos não é apenas fabricar elementos químicos novos. Essa é também uma forma de testar as teorias sobre como prótons e nêutrons interagem e a matéria se comporta num nível ainda mais elementar. Essas teorias explicam como os elementos mais leves – como hidrogênio, hélio e lítio – se formaram na explosão que teria dado origem ao Universo, o Big Bang, e depois produziram os demais elementos por fusão nuclear no interior de estrelas e durante as explosões que as extinguem.

O núcleo dos átomos é uma região em constante tensão. Os prótons se repelem mutuamente por terem carga elétrica de mesmo sinal, positiva. Só se mantêm unidos pela ação de uma força contrária, de atração: a força nuclear forte. Esse equilíbrio entre essas forças é bastante delicado. Segundo Crema, os núcleos, além de prótons, contêm certo número de nêutrons, partículas eletricamente neutras. “Os nêutrons são uma espécie de estabilizadores nucleares”, diz. “Núcleos com muitos prótons exigem um número ainda maior de nêutrons em relação ao número de prótons, o que torna mais difícil formar núcleos superpesados.”

Uma teoria chamada de modelo de camadas propõe que, no núcleo dos átomos, os prótons e os nêutrons se encontram organizados em camadas concêntricas, cada uma delas comportando um número máximo de partículas – o chamado número mágico. De acordo com esse modelo, quanto mais completa a camada externa de um núcleo, mais estável ele é. Essa ideia, em princípio, explica por que alguns núcleos pesados se desmancham facilmente enquanto outros existem por mais tempo. Os físicos esperam fabricar elementos contendo números mágicos de partículas. Eles teriam chance de se manter estáveis por vários anos e permitiriam iniciar uma oitava ou até mesmo nona linha na tabela periódica. “Mas isso”, diz Crema, “ainda é só conjectura e esperança”.
059-061_Tabela periódica_240-02

Quando o mar era floresta

Mata Atlântica pode ter se espraiado para a plataforma continental na Era do Gelo
Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

Onde agora há mar na praia de Setiba, no Espírito Santo, o solo já esteve exposto
Onde agora há mar na praia de Setiba, no Espírito Santo, o solo já esteve exposto.

A plataforma continental brasileira, área hoje submersa ao longo da costa, pode ter abrigado uma extensa área de Mata Atlântica há cerca de 21 mil anos, período conhecido como Último Máximo Glacial. A ideia é do casal de biólogos Yuri Leite e Leonora Costa, professores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), e contraria a visão aceita por muito tempo de que o frio teria forçado o encolhimento da Mata Atlântica e ilhado pequenas populações de plantas e animais em fragmentos isolados de floresta – os refúgios. “A plataforma continental aparece no Google Maps, mas ninguém pensa nela como parte do continente”, explica o pesquisador. A ideia, lançada por ele e colaboradores em artigo publicado em janeiro na revista PNAS, se baseia no conhecimento de que na Era do Gelo o nível do mar chegou a ser 120 metros mais baixo, e por isso foi batizada de hipótese da Mata Atlântida, em referência ao lendário continente engolido pelo oceano.

A proposta surgiu de um encontro de colaborações catalisado pelo Laboratório de Mastozoologia e Biogeografia, coordenado por Leite e Leonora. Trabalhando com modelos ecológicos para inferir condições passadas, Carolina Loss, em estágio de pós-doutorado no laboratório, teve a ideia de considerar o contorno do continente na época glacial, quando o nível do mar baixou e a costa avançou centenas de quilômetros para leste, expondo 270 quilômetros quadrados da plataforma, o equivalente a três vezes o território de Portugal. Ao mesmo tempo, num projeto em parceria com a bióloga Renata Pardini, da Universidade de São Paulo, e outros colegas, o grupo buscava avaliar a resposta dos pequenos mamíferos à fragmentação da Mata Atlântica. Espera-se que essas situações de redução do hábitat disponível e de isolamento em trechos distantes causem redução populacional e a consequente perda de variedade genética. Mas não era isso que eles viam nos modelos demográficos analisados pela bióloga portuguesa Rita Rocha, também em pós-doutorado na Ufes: não havia uma assinatura genética de redução populacional e todos os cenários eram rejeitados nos modelos computacionais.

“Juntei as duas coisas e decidi testar uma situação de expansão da Mata Atlântica”, conta Leite. O modelo acusou ser essa a explicação mais plausível para a diversidade genética detectada em trechos do DNA de cinco espécies de pequenos mamíferos típicos desse tipo de floresta. As análises indicaram que as espécies se deslocaram para o norte e em menores altitudes, onde a temperatura era mais alta, em concordância com o que outros estudos já tinham indicado. As surpresas foram ver que a área adequada para esses animais estava menos subdividida em fragmentos durante o Último Máximo Glacial do que hoje e no período anterior à glaciação, e que a distribuição dessas espécies avançava pela plataforma então exposta. Os resultados contrariam a teoria dos refúgios, principal explicação para a formação da diversidade biológica nas florestas brasileiras, sobretudo na Amazônia (ver Pesquisa FAPESP nº 208).

Estudos palinológicos feitos há mais de uma década pela bióloga Aline Freitas, atualmente em estágio de pós-doutorado na Universidade de Murcia, na Espanha, sob a supervisão do botânico José Carrión, corroboram a presença de Mata Atlântica no litoral, expandindo-se para a plataforma continental durante o Último Máximo Glacial. Inicialmente na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde fez pós-graduação sob orientação do biólogo Marcelo Carvalho, ela vem analisando um testemunho retirado do fundo do mar na bacia de Campos, na parte norte do estado fluminense. As amostras de pólen fossilizado retiradas desse material indicam que ali havia um mosaico de árvores, arbustos, samambaias e plantas herbáceas típico da Mata Atlântica e da restinga associada. “Tudo indica que a vegetação dessa região parece não ter sofrido grandes mudanças durante as fases glaciais e interglaciais, senão adaptações de acordo com as variações relativas do nível do mar”, avalia, ressaltando que seus dados ainda não permitem assinar embaixo da hipótese da Mata Atlântida.

Potencial para expansão: larga na porção centro-sul da costa brasileira, a plataforma continental (em azul claro) se estreita da Bahia para o norte
Potencial para expansão: larga na porção centro-sul da costa brasileira, a plataforma continental (em azul claro) se estreita da Bahia para o norte.

Colcha de retalhos
Não está descartada a ideia de que trechos isolados de floresta estavam em localizações que lhes permitiram resistir à glaciação e manter, como arcas de Noé, um acervo de animais e plantas que evoluíram separadamente e deram origem à diversidade que se vê hoje. Mas a história deve ter sido muito mais complexa do que isso. “O principal é a topografia como um todo”, explica Leite. As regiões mais a norte, onde os mamíferos incluídos no estudo permaneceram durante a glaciação, são menos acidentadas e, em parte por isso, teriam permitido uma distribuição mais contínua. O mesmo vale para a plataforma continental, com um relevo mais plano.

O biólogo Henrique Batalha-Filho, da Universidade Federal da Bahia (Ufba), coautor do artigo da PNAS, não abandonou os refúgios. No mesmo dia em que a parceria com os colegas da Ufes veio a público, ele teve outro artigo publicado no site da revista Journal of Zoological Systematics and Evolutionary Research. Nele, o pesquisador infere que as choquinhas-de-garganta-pintada (Rhopias gularis) seguiram o padrão previsto pela teoria dos refúgios para a Mata Atlântica, conforme o modelo proposto em 2008 pela bióloga brasileira Ana Carolina Carnaval, da Universidade da Cidade de Nova York, e pelo australiano Craig Moritz, da Universidade Nacional da Austrália. Batalha conta que, no sul de sua distribuição, essas aves são encontradas no nível do mar. Na porção norte, na Bahia, elas só existem a altitudes acima de 600 metros, o que restringe bastante sua distribuição.

Ele não vê contradição entre os dois trabalhos. “No meu ponto de vista, a Mata Atlântica parece ser um mosaico de histórias e cada espécie responde de forma diferente à situação à qual está sujeita”, propõe. Ele começou a pensar nisso durante o doutorado (ver Pesquisa FAPESP nº 210), no qual viu indícios de que espécies de aves passaram por históricos distintos durante a era glacial. Embora ele tenha observado que animais dependentes de floresta, em muitos casos, parecem ter obedecido ao padrão clássico de ter a distribuição restrita a refúgios, outros se mantiveram estáveis. É o caso da ave Myiothlypis leucoblephara (pula-pula-assobiador) estudadas por ele. Especializadas em áreas mais altas, portanto frias, seu hábitat não parece ter rareado durante a glaciação. “Comecei a pensar que as ecologias tinham uma participação importante nessa história.”
Em alguns pontos da costa capixaba a Mata Atlântica avança quase até a água, como na região de Linhares, próximo ao rio Doce
Em alguns pontos da costa capixaba a Mata Atlântica avança quase até a água, como na região de Linhares, próximo ao rio Doce

O novo olhar também permite uma nova interpretação para a divisão que muitos pesquisadores observaram na região do rio Doce, em termos da genética das populações de vários tipos de animais. “Desde o doutorado me debruço sobre o norte e o sul da Mata Atlântica, olhando os rios”, conta Leonora. “Fui percebendo que rio não é barreira na história mais profunda da Mata Atlântica.” Outras feições parecem ser mais importantes nessa região. Ao sul do rio Doce, a serra está muito próxima à costa, enquanto ao norte está mais distante. A plataforma continental tem um estreitamento ao sul desse mesmo rio e mais ao norte, a partir do arquipélago de Abrolhos, se torna muito estreita. Todo esse relevo deverá fazer parte das análises daqui para a frente.

“O artigo joga lenha na fogueira e traz mais uma hipótese para ser testada”, afirma a bióloga Maria Tereza Thomé, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Rio Claro, que não fez parte da pesquisa. A nova visão pode fazê-la olhar seus próprios resultados com outros olhos, já que em estudos com os sapos do grupo Rhinella crucifer ela encontrou resultados condizentes com a hipótese da Mata Atlântida: não detectou flutuações demográficas fortes. Na parte sul da floresta, ao contrário, infere que as populações tenham permanecido estáveis. Em artigo publicado em 2014 na Molecular Ecology, ela e colaboradores sugerem a necessidade de identificar barreiras hoje invisíveis à movimentação dos animais. A proposta da plataforma continental se encaixa. “Para os meus bichos faz todo o sentido”, declara.
Maria Tereza ressalta a importância de ser um trabalho pensado e feito apenas por pesquisadores brasileiros, publicado em um periódico renomado apenas por ser uma boa ideia, e bem exposta. “Na nossa área sofremos com a falta de hipóteses; agora obrigatoriamente todos terão que incluir esta”, prevê. Mas ainda precisará passar por testes para estabelecer-se.

“Novas hipóteses são importantes para enriquecer o debate”, avalia o biólogo Fabio Raposo do Amaral, do campus de Diadema da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Para ele, serão necessários estudos com mais espécies e uma abrangência maior no material genético. “Me pergunto se aquele conjunto de dados tem poder estatístico para explorar os eventos em questão, com o grau de precisão necessário para separar períodos que diferem em poucos milhares de anos – precisão que provavelmente apenas dados genômicos podem proporcionar”, ressalva. Batalha, que participou da execução dos testes de cenários históricos de como as populações se mantiveram, usando como base a teoria da coalescência (que infere as alterações no DNA a partir do presente em direção ao passado), concorda que “essas análises clamam por mais marcadores”. Mesmo enxergando um sinal confiável, ele concorda que o uso de vários trechos do DNA daria mais força à hipótese levantada no trabalho publicado na PNAS. “Talvez nunca se saiba o que aconteceu na Mata Atlântica, mas vamos acrescentando mais pecinhas ao quebra-cabeça”, diz.

Artigos científicos
BATALHA-FILHO, H. & MIYAKI, C. Late Pleistocene divergence and postglacial expansion in the Brazilian Atlantic Forest: multilocus phylogeography of Rhopias gularis (Aves: Passeriformes). Journal of Zoological Systematics and Evolutionary Research. on-line. 11 jan. 2016.

FREITAS, A. G. de et al. Pollen grains in quaternary sediments from the Campos Basin, state of Rio de Janeiro, Brazil: Core BU-91-GL-05. Acta Botanica Brasilica. v. 27, n. 4, p. 761-72. out./dez. 2013.

LEITE, Y. L. R. et al. Neotropical forest expansion during the last glacial period challenges refuge hypothesis. PNAS. v. 113, n. 4, p. 1008-13. 26 jan. 2016.

THOMÉ, M. T. C. et al. Barriers, rather than refugia, underlie the origin of diversity in toads endemic to the Brazilian Atlantic Forest. Molecular Ecology. v. 23,24, p. 6152-64. 24 nov. 2014.

As camadas protetoras do céu

22 de fevereiro de 2016

Peter Moon | Agência FAPESP – A camada de ozônio da estratosfera, que se estende de 10 a 50 quilômetros (km) de altitude, bloqueia os raios ultravioleta nocivos à saúde. Mas o que muitos desconhecem é que a camada de ozônio é apenas uma das barreiras que a Terra dispõe contra as diversas radiações solares.

“A camada de ozônio é a última barreira aos raios ultravioleta. E nem é a principal. A maioria dos raios ultravioleta e ultravioleta extremo, além do fluxo de raios X emitido pelo Sol, é absorvida na ionosfera. A ionosfera é o nosso principal escudo às radiações ionizantes provenientes do Sol”, disse o físico Paulo Roberto Fagundes, da Universidade do Vale do Paraíba (Univap), em São José dos Campos. A ionosfera se estende entre 70 e 1.500 km de altitude, já na fronteira com o espaço sideral.
Apesar de a ionosfera ser o principal manto protetor da Terra, suas propriedades e a sua possível relação com o clima e com o meio ambiente só recentemente começaram a ser estudadas e compreendidas.
“No fundo, estamos tentando entender melhor a atmosfera, que é o meio ambiente do planeta”, disse Fagundes, coordenador do Projeto Temático “Estudo da variabilidade dia a dia da mesosfera, termosfera e ionosfera em baixas latitudes e região equatorial, durante o ciclo solar 24”, financiado pela FAPESP.

O objetivo do projeto é estudar a variação diária da dinâmica da alta atmosfera (mesosfera e termosfera) e da eletrodinâmica da ionosfera em baixas latitudes e na região equatorial, utilizando uma rede de observatórios no setor brasileiro, dados complementares de outros setores e dados de satélite.
Um dos resultados do Temático é o artigo Ionospheric response to the 2009 sudden stratospheric warming over the equatorial, low, and middle latitudes in the South American sector, publicado no Journal of Geophysical Research: Space Physics.

De acordo com Fagundes, o artigo deriva de um esforço internacional para entender o acoplamento vertical e longitudinal entre as várias camadas da atmosfera/ionosfera sobre as Américas e é fruto de uma colaboração entre a Univap, o Massachusetts Institute of Technology (MIT, Estados Unidos), o Istituto Nazionale di Geofisica e Vulcanologia (Itália) e a Universidad Nacional de La Plata (Argentina).


A alta atmosfera é formada por gás muito rarefeito, sendo os principais o oxigênio (O), o oxigênio molecular (O2) e o nitrogênio molecular (N2). As moléculas O, O2 e N2 são banhadas pelo fluxo de radiações solares, composto dos energéticos raios ultravioleta, ultravioleta extremo e raios X.

Ao entrar em contato com essas radiações, as moléculas e átomos absorvem sua energia, em um processo conhecido como fotoionização. Ao fazê-lo, as moléculas ou átomos perdem um ou mais elétrons e são criados íons (de carga positiva) e elétrons (de carga negativa). Daí vem o nome ionosfera: a região da atmosfera onde existem elétrons e íons livres.
É justamente essa capacidade de as moléculas e átomos ionizarem ao absorver as radiações mais energéticas que impede que as radiações atinjam a superfície terrestre.
A totalidade dos raios X é barrada na ionosfera, assim como a maioria dos raios ultravioleta e ultravioleta extremo. Os que conseguem escapar da ionosfera podem ou não ser barrados pela camada de ozônio, dependendo da concentração e espessura da camada de ozônio – daí o risco promovido pelo aumento no buraco da camada de ozônio sobre a Antártica. Onde há o buraco, os raios UV atingem a superfície em quantidades muito perigosas.

O fluxo de radiação solar que atinge a Terra não é constante. Ele altera de intensidade em função do ciclo solar, ou seja, do nível da atividade do Sol, que varia em intervalos de 11 anos. Em períodos de atividade solar mínima, a intensidade das radiações solares (ultravioleta, ultravioleta extremo e raios X) na ionosfera diminui, fazendo com que uma quantidade menor de átomos e moléculas ionizem.
De outra forma, quando a atividade solar está em seu máximo, o fluxo de radiação eleva e aumenta a quantidade de material ionizado. “O último mínimo solar ocorreu entre 2006 e 2012 e teve um comportamento atípico. Foi prolongado e atingiu valores muito pequenos. Agora, estamos no máximo solar”, disse Fagundes.

O fluxo de radiação solar também sofre oscilações bruscas, causadas pela ocorrência de tempestades solares. São erupções repentinas na superfície do Sol, que aumentam dramaticamente o fluxo de radiação emitida e, consequentemente, de material ionizado na ionosfera.
“A maioria dos satélites orbita o planeta entre 100 e 1.000 km de altitude e seu funcionamento é muito sensível em relação à atividade solar”, disse. Fagundes.

Densidade de elétrons

O estudo agora publicado mostra que a densidade de elétrons na ionosfera pode ser perturbada durante dias por fenômenos meteorológicos.
“Os meteorologistas sabem há muitos anos que, no hemisfério Norte e em menor grau no hemisfério Sul, existe um aumento súbito nas temperaturas na estratosfera sobre os polos, durante o inverno”, disse Fagundes.

Esse aquecimento se deve a uma mudança de direção de um vento específico na região do polo Norte. A consequência é o aumento da temperatura na estratosfera, até os 30 km de altitude.
“Começamos a perceber que ocorrem também alterações na densidade de elétrons na ionosfera, em altitudes de até 300 km. Essas alterações se propagam ao longo das latitudes, se deslocando do polo Norte, passando pelas latitudes médias do hemisfério Norte, pela Linha do Equador, pelo Brasil e chegando até o sul da Argentina”, disse Fagundes.

Uma das hipóteses em estudo no momento é que essa propagação não termine na Argentina, mas prossiga até a ionosfera sobre o polo Sul. Isso poderia se tratar de um acoplamento polo a polo.
“Ainda não sabemos se é esse o caso, mas, sob o ponto de vista das mudanças climáticas globais, é importante entender o funcionamento da atmosfera como um todo e da ionosfera em particular”, disse Fagundes.

O artigo Ionospheric response to the 2009 sudden stratospheric warming over the equatorial, low, and middle latitudes in the South American sector (doi: 10.1002/2014JA020649), de Paulo Roberto Fagundes e outros, pode ser lido por assinantes do Journal of Geophysical Research: Space Physics em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/2014JA020649/full.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016


Free Site Lets You Download and 3-D Print Fossils

Virtual museum brings thousands of digital specimens to your desktop, in 3-D
print |  
Durham, NC - Newest member of the human family tree, now in 3-D
3-D scan of the fossilized skull of Homo naledi, an ancient human whose remains were discovered in a South African cave. The creature is one of more than 500 extinct species whose fossil scans are available for anyone to download at http://MorphoSource.org. Reconstruction by Peter Schmid and Ashley Kruger, University of the Witwatersrand.
Duke assistant professor Doug Boyer’s office is more than 8,000 miles away from the vault at the University of Witwatersrand in Johannesburg, South Africa, where the fossil remains of a newly discovered human ancestor, Homo naledi, rest under lock and key.                
But with a few clicks of his computer’s mouse, he can have models of any one of hundreds of naledi bone fragments delivered to his desk in a matter of minutes.
Paleontologists like Boyer frequently travel halfway around the world to examine such unique and fragile specimens. That is, assuming their curators will even allow such access.
But the Homo naledi specimens are a different story. They, and hundreds of other species, are now available in a free online database of digital scans that anyone can download and print in 3-D.
MorphoSource, which Boyer launched at Duke in 2013, is the largest and most open digital fossil repository of its kind.
“We’re essentially taking bones out of museum catacombs and putting them online,” Boyer said.
Visitors to the site can zoom in or out and rotate the fossil scans, download them and even make their own physical copies to hold in their hands using 3-D printing.
It’s a far cry from past practices in the field of human origins.
“Paleoanthropology is traditionally a closed good ol’ boy network where fieldwork is done in secret and findings are kept secret,” said Duke evolutionary anthropology professor Steven Churchill, a member of the team that discovered and described Homo naledi.
“Researchers often sit on fossils for years and years before publishing, and then even after publication it can be hard to see the fossils or even see casts of them,” Churchill said.
By contrast, the Homo naledi team is taking advantage of MorphoSource to make their discoveries more accessible.
When the discovery was announced in September 2015, the authors released high-resolution scans of more than 80 key specimens to the MorphoSource repository.
The naledi find comes from a deep underground chamber where only a few can ever hope to gain access. The more than 1,500 bones brought to the surface so far represent parts of at least 15 individuals, ranging from infants to adults, making it one of the largest caches of fossil hominins ever found.
Less than 12 hours after the Homo naledi discovery was announced, students in anthropologist Kristina Killgrove’s class at the University of West Florida were already poring over 3D printed pieces of the creature’s jaw, legs, hands and skull that Killgrove had downloaded and printed on her lab’s desktop 3D printer.
Within three months, the Homo naledi 3D scans were viewed a staggering 43,000 times and downloaded an additional 7,600 times.
“We’re really proud of that,” Churchill said.
3-D imaging of fossils is not new. A technique called micro-computed tomography uses X-rays to create a 3-D model of a fossil from a series of cross-sectional slices, using an amped-up version of the CT scanners found in hospitals and emergency rooms.
The technology makes it possible to capture details many times finer than a human hair, and peer inside specimens without breaking them open or even laying a finger on the fragile originals.
“Many specimens in anthropology collections are pock-marked where dozens of researchers have set their calipers to retake the same measurements,” Boyer said.
In the last ten years, faster 3-D scanning and cheaper digital storage have made it possible to scan thousands of bones in a matter of weeks. Numerous institutions have rushed to scan and digitize their fossil collections, but MorphoSource is one of the only efforts to consolidate the resulting data and put it in one place.
In the three years since the archive was created, researchers and educators from more than 70 institutions across the globe have uploaded close to 9,000 image files. To date, the collection represents more than 500 species, including a 40-thousand-year-old Neanderthal skull from Israel, delicate water beetles from New Guinea, and bits of a swamp-dwelling dinosaur called Telmatosaurus.
Visitors will also find nearly two dozen teeth from a 60-foot prehistoric shark named Megalodon, vertebrae from a massive 40-foot, 2500-pound snake called Titanoboa, and the bizarre bones of a 16-inch devil frog from Madagascar that resembled a squashed beach ball.
Many of the fossil scans also come with lesson plans that teachers can use in the classroom through an intiative called PaleoTEACH.
The scans continue to come in. Earlier this month, Boyer and other researchers uploaded 3-D data for more than 400 skulls plus additional bones from 59 species of monkeys, apes and lemurs housed at the Museum of Comparative Zoology at Harvard.
“Paleoanthropology has been relying on digital data more and more,” Boyer said. “Before we released this dataset, only a dozen labs around the world had digital samples that large at their fingertips. Overnight we leveled the playing field in a significant way.”
MorphoSource is supported by Duke and by grants from the National Science Foundation.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Zika em expansão

Sequenciamento confirma que variedade em circulação no país veio da Polinésia e projeção estima que deve se espalhar por outros países
RICARDO ZORZETTO | Edição Online 18:29 12 de fevereiro de 2016
Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on FacebookShare on LinkedIn

Embrião de galinha...
Embrião de galinha…

Duas equipes brasileiras completaram nas últimas semanas o sequenciamento do material genético do vírus zika isolado nos estados de São Paulo e da Paraíba. Os resultados sugerem que a variedade do zika em circulação em diferentes regiões brasileiras é mesmo originária da Polinésia Francesa, onde houve um surto em 2013 e 2014. Também indicam que o vírus possivelmente foi introduzido no Brasil em um único evento.
No Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, o virologista Renato Pereira de Souza e sua equipe sequenciaram o material genético do zika extraído de uma pessoa que desenvolveu a doença em Campinas. Esse indivíduo contraiu o vírus ao receber uma transfusão de sangue. O doador adoeceu dias mais tarde e avisou ao hemocentro da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que estava com suspeita de dengue. Análises feitas no Adolfo Lutz descartaram a dengue e confirmaram a infecção por zika. “Os hemocentros terão de prestar atenção também a esse vírus, uma vez que muitos casos são assintomáticos”, afirma Souza. “No caso em questão, o vírus permaneceu viável e infectou outra pessoa”, conta o virologista, um dos coordenadores da análise, realizada em parceria com pesquisadores da Unicamp e da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto, e aceito para publicação na revista Genome Announcements.
O sequenciamento do material genético do vírus revelou um genoma enxuto. São cerca de 10,6 mil unidades (nucleotídeos) compondo uma fita simples de ácido ribonucleico (RNA). Essa fita abriga ao todo apenas seis genes, capazes de produzir 10 diferentes proteínas – alguns genes são polivalentes. “A análise do genoma indica que o vírus é de uma linhagem muito próxima à que circulou na Polinésia Francesa e na Ilha de Páscoa”, conta Souza.

Na Universidade Federal do Rio de Janeiro, o virologista Amilcar Tanuri e sua equipe também sequenciaram o genoma do zika extraído do líquido amniótico de duas gestantes que tiveram bebês com microcefalia na Paraíba. As conclusões são as mesmas. “Não tenho dúvida de que é a mesma linhagem da Polinésia”, afirma Tanuri. Segundo o virologista carioca, a diferença entre o material genético do vírus em circulação aqui e o de lá é pequena, cerca de 20 nucleotídeos e apenas 1 dos 3.500 aminoácidos (unidades formadoras das proteínas). Tamanha semelhança, segundo ele, indica que o vírus está se espalhando muito rapidamente e foi introduzido uma única vez no Brasil. Tanuri conta ainda que o zika sequenciado no Rio tem grande similaridade com o vírus da dengue, em especial o sorotipo 4, o que pode dificultar o desenvolvimento de um kit de diagnóstico que identifique especificamente os anticorpos contra o zika. “Teremos de driblar essa semelhança na hora de produzir o teste”, diz.
...e de zebrafish: modelos para estudar o desenvolvimento do sistema nervoso central
…e de zebrafish: modelos para estudar o desenvolvimento do sistema nervoso central.

Do Brasil para o mundo
O vírus que assombra o mundo com a ameaça da microcefalia levou quase 70 anos para atravessar metade do globo. Mas em pouco tempo conquistou um potencial explosivo de disseminação. Sua capacidade de se espalhar parece ter aumentado nos últimos tempos, em especial depois de chegar ao Brasil, onde, segundo estimativas do governo, já infectou de 440 mil a 1,3 milhão de pessoas.

Adaptações sofridas pelo vírus durante a sua viagem a partir da África aparentemente facilitaram a sua reprodução no organismo humano. Essa característica, somada à alta mobilidade da população atual e ao fato de que o vírus costuma pegar carona no sangue humano sem ser notado (em 80% dos casos a infecção não provoca sintomas), está transformando o zika em uma dor de cabeça internacional. Em um breve artigo apresentado na edição de 23 de janeiro da revista Lancet, uma das mais importantes da área médica, um grupo de pesquisadores do Canadá, dos Estados Unidos e da Inglaterra prevê um cenário de rápido espalhamento do zika por regiões com elevada concentração de pessoas nas Américas e na Europa.
A equipe chefiada pelo médico Kamran Khan, infectologista da Universidade de Toronto que investiga o espalhamento de doenças por viajantes, usou um modelo matemático que reproduz os surtos de dengue para estimar a capacidade de disseminação do zika. Os pesquisadores alimentaram o modelo com informações sobre as áreas de ocorrência atual dos mosquitos do gênero Aedes, que, além do zika, transmitem também os vírus da febre amarela, da dengue e da chikungunya, e as regiões com clima favorável à proliferação dos insetos. Com esses dados, eles conseguiram ter uma ideia de onde haveria condições favoráveis para o zika se espalhar, caso chegasse lá.

Numa etapa seguinte, os pesquisadores precisaram calcular a probabilidade de o vírus alcançar as regiões onde vive seu transmissor – o Aedes aegypti, nas Américas e na África, e o Aedes albopictus, na Ásia e na Europa. Para isso, mapearam o destino internacional de pessoas que entre setembro de 2014 e agosto de 2015 estiveram em regiões do Brasil onde havia transmissão de zika.

Nesse período, quase 10 milhões de pessoas viajaram para o exterior a partir de 146 aeroportos brasileiros situados em áreas onde circulava o vírus. Cerca de 6,5 milhões de pessoas (65% do total) foram para países das Américas do Sul e do Norte. Outros 27% viajaram para a Europa e 5% para a Ásia. Só os Estados Unidos receberam 2,8 milhões de pessoas vindas do Brasil, enquanto a Argentina acolheu 1,3 milhão e o Chile, 614 mil. Na Europa os destinos mais comuns foram Itália, Portugal e França, cada um recebendo 400 mil pessoas. Algumas dezenas de milhares também foram para a Ásia, em especial a China, e para a África, principalmente Angola.
Esse cenário preocupa as autoridades da saúde por várias razões. Em primeiro lugar, porque algumas regiões que receberam os viajantes abrigam uma elevada concentração de pessoas. “Mais de 60% da população da Argentina, da Itália e dos Estados Unidos vive em regiões favoráveis à transmissão sazonal do vírus”, escreveram os pesquisadores. No México, na Colômbia e também nos Estados Unidos entre 23 milhões e 30 milhões de habitantes estariam ainda em áreas com risco de transmissão contínua, nas quais insetos podem espalhar o vírus durante o ano todo.

O segundo motivo de inquietação é que o zika parece ter adquirido a capacidade de infectar mais facilmente o organismo humano no longo e lento caminho que percorreu na Ásia, desde que deixou as florestas de Uganda por volta de 1945, até chegar à Polinésia Francesa em 2013, de onde alcançou o Brasil. Nessa travessia, mapeada recentemente pelo biomédico Caio de Melo Freire, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), e colegas da USP e do Instituto Pasteur no Senegal, o vírus se humanizou: alguns de seus genes hoje contêm receitas para fazer proteínas mais compatíveis com o organismo humano, o que facilita a infecção (ver Pesquisa FAPESP nº 239). “Isso pode ter ocorrido porque ao longo dessa viagem o vírus circulou entre poucos vetores, provavelmente o ser humano e o inseto”, explica o biólogo Atila Iamarino, coautor do estudo. Membro da equipe da USP, Iamarino também faz divulgação científica e, com a zoóloga Sônia Carvalho Lopes, coordenou a produção de um material disponível no site Wikiversidade com orientações para professores do ensino básico e médio auxiliarem os alunos a desmentir boatos sobre o zika disseminados pela internet.
Enquanto o vírus avança, pesquisadores de todo o Brasil seguem com seus estudos para tentar entender o que o zika causa no organismo humano e como poderia provocar os casos de microcefalia a ele atribuídos. De 22 de outubro de 2015 a 30 de janeiro deste ano, o Ministério da Saúde registrou o nascimento de 4.783 bebês com suspeita de ter microcefalia (antes da epidemia de zika a notificação não era obrigatória).
Dos 1.113 casos já analisados, 404 foram confirmados. Esses bebês têm de fato o cérebro pequeno demais para a idade e, além dos sintomas clínicos, apresentam sinais de lesão cerebral compatíveis com os de uma infecção adquirida durante a gestação (congênita). Até agora, porém, só se conseguiu comprovar a infecção por zika em 17 dos 404 casos de microcefalia – os outros 387 dependem da realização de testes imunológicos, ainda não disponíveis, para descartar de vez essa associação.
Colônias de bactérias do gênero Bacillus...
Colônias de bactérias do gênero Bacillus

Síndrome congênita
Alguns grupos tentam caracterizar melhor os problemas apresentados por bebês filhos de mães possivelmente infectadas pelo vírus. Sob a coordenação da médica e geneticista Lavinia Schüler-Faccini, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, especialistas em anomalias congênitas de diferentes instituições brasileiras realizaram exames clínicos, genéticos e de imagem em 35 crianças com microcefalia relacionada ao zika nascidas em oito estados brasileiros, entre eles São Paulo. “Os exames permitiram excluir doenças genéticas ou infecção por outros agentes sabidamente causadores de microcefalia”, conta Lavinia.
Dessa análise, começou a emergir um padrão de alterações típico de infecções causadas por vírus durante a gestação. Embora não houvesse comprovação de que as mães tenham sido infectadas pelo vírus, 74% delas apresentaram sinais compatíveis com a febre zika durante a gravidez, como manchas vermelhas que coçam, febre baixa e dor nas articulações – a maior parte no primeiro trimestre da gestação, quando o feto se encontra em fase acelerada de desenvolvimento. Dos 35 bebês examinados, 25 (71% do total) tinham microcefalia grave, com o perímetro do crânio inferior a 31 centímetros no nascimento.
Os 27 bebês que passaram por exames de imagem apresentavam alterações neurológicas. A mais comum eram as calcificações, pequenos nódulos que funcionam como uma espécie de cicatriz no tecido cerebral. Uma em cada três crianças apresentava lisencefalia, ausência das dobras características do cérebro sadio, ou paquigiria, dobras mais alargadas. Mais graves, essas alterações sugerem que a infecção ocorreu em uma fase precoce do desenvolvimento.

Quatro bebês desenvolveram um problema articular grave, a artrogripose. Essa doença, que dificulta o movimento das articulações, manifestou-se principalmente nos joelhos, quadris e cotovelos e, segundo Lavinia, pode significar que o bebê não se movia muito durante o desenvolvimento intrauterino por causa das lesões neurológicas. “Já analisamos outros 15 casos e o padrão que vemos é sempre muito parecido, favorecendo a hipótese de que a infecção pelo zika não cause apenas microcefalia, mas uma síndrome nova, como já propuseram alguns pesquisadores”, conta a geneticista, que apresentou os resultados em um artigo na edição de 22 de janeiro da Morbidity and Mortality Weekly Report.
A caracterização dos danos associados ao zika é fundamental para orientar o trabalho de outros grupos que tentam esclarecer os mecanismos biológicos por trás da microcefalia. Em uma nova iniciativa de estudo do vírus organizada por Kleber Gomes Franchini, do Laboratório Nacional de Biologia (LNBio) do Centro de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), o médico e pesquisador José Xavier Neto e sua equipe em Campinas planejam inocular o vírus em embriões de camundongos, galinhas e zebrafish de diferentes idades.
Nos vertebrados, o extenso grupo animal que inclui de peixes a mamíferos (inclusive os seres humanos), a formação e o desenvolvimento dos órgãos do sistema nervoso central seguem uma sequência de passos conhecidos e padronizados. Interferências em diferentes estágios costumam levar a modificações distintas na arquitetura do cérebro, o que torna possível antecipar como o vírus atua. “Antes”, explica Xavier, “teremos de verificar qual modelo biológico é mais adequado para estudar a infecção”.
Xavier pretende examinar alterações no nível celular e genético. O padrão observado nos casos de microcefalia associados ao zika sugere que pode haver interferência tanto na multiplicação das células como na fase de migração, na qual elas se deslocam perifericamente até as posições que vão ocupar no cérebro fetal, fenômeno que ocorre no segundo trimestre da gestação. “Há muita informação chegando e ainda é preciso determinar o que é mais relevante”, diz Xavier. Nos seus experimentos, ele usará amostras do vírus que está sendo cultivado no laboratório de Lucio Freitas Júnior, também do LNBio. Freitas Júnior, por sua vez, está desenvolvendo ensaios de triagem para a busca de novos compostos que possam ser usados para tratar as infecções por zika.
... e Microbacterium: testes para avaliar se eliminam o vírus zika
… e Microbacterium: testes para avaliar se eliminam o vírus zika
O vírus e o mosquito
Enquanto alguns pesquisadores mapeiam os danos produzidos pelo vírus no organismo humano, outros buscam formas de tentar reduzir ou até bloquear a transmissão do vírus pelo mosquito. Na Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu, o biólogo Jayme Souza-Neto começa a investigar quais fatores tornam o Aedes mais suscetível a se infectar com o zika. Nesse trabalho, ele planeja usar o que já se aprendeu nos últimos anos sobre a interação entre o mosquito e o vírus da dengue.
Anos atrás, em seu pós-doutorado na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, Souza-Neto começou a observar que as bactérias que compõem a microbiota intestinal e são naturalmente encontradas no sistema digestivo do inseto em alguns casos o protegem do vírus da dengue. Esse efeito ficou evidente quando os pesquisadores trataram uma população de mosquitos com antibióticos – alterando a microbiota intestinal deles – e verificaram que eles se infectavam mais facilmente com o vírus do que aqueles com a microbiota intacta.
Num desdobramento desse trabalho, Souza-Neto constatou que alguns grupos de bactérias parecem desempenhar um efeito mais protetor do que outros. Fêmeas de Aedes alimentadas com uma mistura de sangue e alta concentração de certos grupos de bactérias – por exemplo, as bactérias do gênero Paenibacillus e Proteus – apresentavam uma quantidade menor de cópias do vírus nos intestinos. Além de estimularem o sistema imunológico do inseto, algumas dessas bactérias, já se sabe, atuam diretamente sobre o vírus, inibindo a sua replicação. “Como o vírus da dengue e o da febre zika são evolutivamente muito próximos, é possível que algumas variedades de bactérias que agem contra um também funcionem contra o outro”, diz Souza-Neto. Se for bem-sucedida, essa estratégia de combate ao vírus pode se somar ao combate ao próprio mosquito; por ora, a forma mais eficiente de evitar o avanço do zika.
Além de buscar formas de evitar que o mosquito se infecte com o vírus, impedindo o inseto de o passar adiante, Souza-Neto planeja comparar a eficiência do Aedes aegypti em transmitir o vírus da dengue com a de propagar o da zika. Esse trabalho será realizado em parceria com a equipe da entomologista Margareth Capurro, da USP, e pode ajudar a explicar por que este vírus parece se disseminar mais rapidamente do que aquele. Em um projeto a ser desenvolvido com pesquisadores do Imperial College de Londres, ele pretende ainda verificar se o Aedes albopictus, comum na Europa e encontrado em regiões de mata no Brasil, também pode ser um bom propagador do zika.
Simultaneamente aos estudos de mais longo prazo, Souza-Neto desempenhará uma tarefa de impacto imediato. Assim como outras equipes da Rede Zika, seu grupo em Botucatu fará a busca ativa de mosquitos nas áreas com casos suspeitos da doença. “Assim, esperamos conhecer a quantidade de mosquitos infectados no ambiente e a variedade do vírus em circulação”, conta o biólogo, que trabalhará com Margareth Capurro e Lincoln Suesdek, do Instituto Butantan, ambos integrantes da rede de pesquisa que começou a se estruturar em dezembro em São Paulo e agora deve ganhar eficiência com uma gestão otimizada.
Rede mais eficiente
Em uma reunião realizada no início de fevereiro no Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp), os pró-reitores de Pesquisa da USP, da Unicamp e da Unesp propuseram às lideranças da Rede Zika a criação de uma estrutura que permita otimizar o uso dos recursos disponíveis, coordenar a interação entre essas universidades e outras instituições do país e do exterior, além de acelerar o acesso a mais verbas para pesquisa. Essa estrutura será composta por um comitê científico e um consultivo, ambos integrados por membros das três universidades, além de um porta-voz, que se encarregará da interlocução com os meios de comunicação.
O objetivo, segundo os pró-reitores, é desenhar um programa de ação que leve mais rapidamente à compreensão de como o vírus zika atua no organismo humano, ao desenvolvimento de testes de diagnóstico eficazes, à produção de um soro ou uma vacina contra o vírus, além do controle do vetor. Um primeiro passo será fazer o levantamento de todos os pesquisadores da rede e de suas áreas de atuação. “Assim, queremos ter mais claro o cenário com que estamos trabalhando para verificar de quais recursos dispomos e quais será preciso buscar, inclusive no exterior”, diz Maria José Giannini, pró-reitora de Pesquisa da Unesp. “Será uma tentativa de fazer essas colaborações obterem resultados mais rapidamente para uma questão que se tornou de urgência nacional e internacional”, completa.
“Talvez não se precisasse dessa coordenação até este momento”, afirmou o pró-reitor de Pesquisa da USP, José Eduardo Krieger. “Agora, porém, sentimos que ela se tornou necessária para a rede ganhar eficiência.” Segundo Krieger, essa estruturação permitirá aproveitar melhor o uso dos recursos e da infraestrutura das três universidades. “Ainda não se tinham aliado as capacidades internas de cada instituição e pode haver mais de um grupo trabalhando isoladamente num mesmo tema”, conta Glaucia Pastore, pró-reitora de Pesquisa da Unicamp. “Nesse momento de emergência, precisamos de um novo modelo de trabalho, em que se atue de forma complementar para vencer as barreiras mais rapidamente.”
Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, participou da reunião e solicitou às três universidades que preparem um programa com propostas, metodologias e objetivos que possa ser encaminhado a algumas fontes de financiamento. “Nossa pretensão era ter um novo programa subvencionado pela FAPESP, visando ao melhor entendimento, principalmente do vírus zika, e também em relação à dengue e chikungunya”, disse Brito. “Teremos mais reuniões a respeito.”

Caracterização dos mecanismos de ação antidengue mediados pela microbiota intestinal de populações naturais do mosquito Aedes aegypti (nº 2013/11343-6); Modalidade Programa Jovens Pesquisadores; Pesquisador responsável Jayme Augusto de Souza Neto (IBTec-Unesp); Investimento R$ 1.843.243,92

Artigos científicos
CUNHA, M. S. et al. First complete genome sequence of zika virus (Flaviviridae, Flavivirus) from an autochthonous transmission in the Americas. Genome Announcements. No prelo.

SCHÜLER-FACCINI, L. et al. Possible association between zika virus infection and microcephaly – Brazil, 2015. Morbidity and Mortality Weekly Report. 22 jan. 2016.

BOGOCHI, I. I. et al. Anticipating the international spread of zika virus from Brazil. Lancet. v. 387, p. 334-5. 23 jan. 2016.

OLIVEIRA MELO, A. S. et al. Zika virus intrauterine infection causes fetal brain abnormality and microcephaly: tip of the iceberg? Ultrasound Obstretics and Gynecology. v. 47. p. 6-7. 2016.

VENTURA, C. V. et al. Zika virus in Brazil and macular atrophy in a child with microcephaly. Lancet. v. 387. p. 228. 23 jan. 2016.