Autoplay

sábado, 13 de fevereiro de 2016



ANTROPOCENO: UMA NOVA ERA GEOLÓGICA?

CABRAL, M.V.1,2

1Centro Universitário Hermínio Ometto – UNIARARAS, Araras, SP.; 2Docente;.



RESUMO

Os cientistas estão avaliando se a força e o resultado das atividades humanas na Terra são tão grandes e realmente expressivos que possam dar origem a uma nova época geológica, o Antropoceno. Para o início desta época há várias datas debatidas e estudadas, a exemplo da revolução industrial ou a era nuclear, e têm por embasamento as marcas humanas nos estratos geológicos. Nas décadas que sucederam a chegada de Cristóvão Colombo à América, em 1492, os habitantes que viviam há milhares de anos no local morreram aos milhões à custa das doenças levadas pelos europeus, bem como às guerras. O trágico drama ficou evidente na própria Terra: em 1610, a concentração de CO2 atingiu um valor mínimo que permaneceu deixou registros nas camadas de gelo na Antártica. A relação entre o dióxido de carbono e a mortandade é simples. Milhões de hectares de terra que eram anteriormente cultivados por aqueles povos foram abandonados. As florestas, nesses locais, voltaram a crescer e removeram muito dióxido de carbono da atmosfera, fato que levou a uma diminuição da concentração deste gás. Esta é uma das múltiplas memórias sobre a história da humanidade que os geólogos podem encontrar nos gelos e sedimentos mundo fora. A nossa espécie terá cerca de 200.000 anos de existência, um piscar de olhos na vida da Terra com os seus 4,5 bilhões de anos. E, no entanto, o rasto que fomos deixando é incontornável. Desde o fabrico de utensílios de pedra para a caça, que terá feito desaparecer muitas espécies de grandes mamíferos, passando pelo aparecimento da agricultura e das primeiras cidades, até à revolução industrial e ao lançamento de bombas nucleares, as atividades humanas ficaram registradas nos sedimentos dos últimos milhares de anos. Por tudo isto, surgiu recentemente a expressão "antropoceno", usada de um modo informal na geologia, arqueologia ou sociologia, para denominar a atual época geológica, dominada pelas atividades humanas, cujas consequências são visíveis nas alterações climáticas, na perda de biodiversidade e no aumento da acidez dos oceanos. Mas o conceito não tem o estatuto oficial da União Internacional das Ciências Geológicas (UICG), a entidade que define as unidades de tempo geológicas. Segundo esta união, a época que estamos agora a viver não é o Antropoceno, mas sim o Holoceno, iniciado no final da última era glacial, há cerca de 11.700 anos. Isso poderá vir a mudar. Para se tornar oficial, o Antropoceno tem primeiro, de ser bem documentado, ou seja, os geólogos e outros cientistas têm de encontrar, nas camadas estratigráficas da Terra, as marcas deixadas pelas atividades humanas que representam uma mudança global. Estas marcas terão de estar associadas a uma data.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Steffen, W.; Grinevald J.; Crutzen, P.; McNeill, J. (2011) The
Anthropocene: Conceptual and historical perspectives. Philos Trans A
Math Phys Eng Sci 369(1938):842–867.

Bellard, C.; Bertelsmeier C.; Leadley P.; Thuiller, W.; Courchamp, F.
(2012) Impacts of climate change on the future of biodiversity. Ecol
Lett 15(4):365–377.

Doney, S.C. et al. (2012) Climate change impacts on marine
ecosystems. Annu Rev Mar Sci 4:11–37.

Poloczanska, E.S. et al. (2013) Global imprint of climate change on
marine life. Nat Clim Chang 3(10):919–925.

Moritz, C.; Agudo, R. (2013) The future of species under climate
change: Resilience or decline? Science 341(6145):504–508.

Aronson, R.B.; Thatje S.; McClintock J.B.; Hughes, K.A. (2011)
Anthropogenic impacts on marine ecosystems in Antarctica. Ann N Y
Acad Sci 1223:82–107.

Bopp, L. et al. (2013) Multiple stressors of ocean ecosystems in the
21st century: Projections with CMIP5 models. Biogeosciences 10(10):
6225–6245.

Zalasiewicz, J.; Williams, M.; Waters, C.N. (2014) Can an Anthropocene
series be defined and recognized? Geol Soc Lond Spec Publ 395:39–53.
10 Marcott SA, Shakun JD, Clark PU, Mix AC (2013) A reconstruction of regional and global temperature for the past
11,300 years. Science 339(6124):1198–1201.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.