quinta-feira, 3 de maio de 2018

Sula Vanderplank, San Diego Natural History Museum

Supposedly extinct kangaroo rat resurfaces after 30 years

The last time anyone saw the San Quintin kangaroo rat was more than 30 years ago, in the arid scrublands of Baja California in Mexico. Mexican authorities declared the small mammal critically endangered, and possibly extinct, in 1994. So biologists couldn't believe their eyes when not one, but four San Quintin kangaroo rats (Dipodomys gravipes) hopped into their survey traps in 2017.

Named for their ability to leap like kangaroos, the rats are key species in arid areas across western North America, dispersing seeds and feeding predators such as coyotes and foxes. The San Quintin kangaroo rat is about 12 centimeters long, with a long, tufted tail and enormous hind legs that allow it to leap about 2 meters and speed away at 10 kilometers per hour. They once lived by the thousands in a narrow coastal valley stretching 150 kilometers along the Pacific coast of northern Baja California.
But their numbers began to dwindle with the introduction of intensive agriculture in the 1970s, after which their habitat and food disappeared.

Then, just 9 months ago, a team of researchers doing a routine inventory of mammals in the region discovered the rats in their survey traps. None of them had ever seen the species before, so they had to compare it with museum specimens and photographs, they will report in an upcoming issue of the Bulletin of the Southern California Academy of Sciences.
The researchers attribute the kangaroo rat's comeback to a dramatic decrease in farming over the past decade, thanks to drought-related water shortages. Although the researchers are concerned that farmers may eventually make their own comeback, they are optimistic that the San Quintin kangaroo rat will persist, as it has also shown up in a nearby nature reserve. They say it also offers hope for other "extinct" small mammals, which may be findable if only researchers take the time and effort to track them down.

Rato canguru supostamente extinto ressurge após 30 anos
Por Elizabeth PennisiApr. 30, 2018, 9h55
A última vez que alguém viu o rato canguru San Quintin foi há mais de 30 anos, nas áridas baías da Califórnia, no México. As autoridades mexicanas declararam o pequeno mamífero criticamente ameaçado, e possivelmente extinto, em 1994. Assim, os biólogos não conseguiam acreditar em seus olhos quando nem um, mas quatro ratos cangurus San Quintin (Dipodomys gravipes) entraram em suas armadilhas de pesquisa em 2017.

 
Nomeados por sua capacidade de pular como cangurus, os ratos são espécies-chave em áreas áridas no oeste da América do Norte, dispersando sementes e alimentando predadores como coiotes e raposas.  


O rato canguru San Quintin tem cerca de 12 centímetros de comprimento, com uma longa cauda tufada e enormes patas traseiras que lhe permitem saltar cerca de 2 metros e acelerar a 10 km / h. Eles já viveram aos milhares em um estreito vale costeiro que se estendia por 150 quilômetros ao longo da costa do Pacífico no norte da Baixa Califórnia.
Mas o seu número começou a diminuir com a introdução da agricultura intensiva nos anos 70, após o que o seu habitat e comida desapareceram.
Então, apenas 9 meses atrás, uma equipe de pesquisadores fazendo um inventário de rotina de mamíferos na região descobriu os ratos em suas armadilhas de pesquisa. Nenhum deles jamais havia visto a espécie antes, então eles tiveram que compará-la com espécimes de museu e fotografias, eles irão relatar em uma próxima edição do Boletim da Academia de Ciências do Sul da Califórnia.
Os pesquisadores atribuem o retorno do rato canguru a uma queda dramática na agricultura na última década, graças à escassez de água relacionada à seca. Embora os pesquisadores estejam preocupados com o fato de que os fazendeiros possam eventualmente fazer seu próprio retorno, eles estão otimistas de que o rato canguru San Quintin persistirá, já que ele também apareceu em uma reserva natural próxima. Eles dizem que também oferece esperança para outros pequenos mamíferos "extintos", que podem ser encontrados se apenas os pesquisadores tiverem tempo e esforço para rastreá-los.



Posted in:
doi:10.1126/science.aau0305