segunda-feira, 4 de junho de 2018


Maurilio Oliveira

This ancient fish was bigger than a whale shark—and faster than scientists ever imagined


Este peixe antigo era maior que um tubarão-baleia - e mais rápido do que os cientistas imaginavam

Scientists have long struggled to explain why bony fishes are so small: The heaviest—the ocean sunfish—is just 2.3 metric tons, but cartilaginous fishes like whale sharks can weigh up to 34 metric tons. Now, a new study of an ancient giant suggests this modern difference is merely an evolutionary accident.

Bony fish, which make up some 95% of all fish species, might be constrained by their metabolism according to one argument. Larger animals generally have to make do with less oxygen per gram of tissue; because bony fish seem to have higher metabolic requirements than sharks, it might simply be impossible for them to grow much larger than the ocean sunfish.

Enter Leedsichthys problematicus. The extinct fish—thought to be the largest on record—lived about 165 million years ago in Europe and South America. It grew to at least 16.5 meters in length and might have weighed 45 metric tons, which means it was larger even than today’s whale shark.
Realizing modern biologists had left ancient fish out of their equation, scientists decided to calculate L. problematicus’s metabolic requirements. They used data from living bony fish as a guide, and they found that it would have not only survived, but thrived: In theory, the giant fish could have cruised along at speeds of 17.8 kilometers per hour while still keeping its tissues adequately oxygenated, they report this month in Palaeontology. For comparison, the speediest living fish probably swim no faster than 30 kilometers per hour.

It’s still a mystery why there are no gigantic bony fish today, but metabolically speaking there’s no reason why they shouldn’t exist, the researchers conclude.

 Os cientistas há muito lutam para explicar por que os peixes ossudos são tão pequenos: o mais pesado - o peixe-lua do oceano - é de apenas 2,3 toneladas, mas os peixes cartilaginosos, como os tubarões-baleia, podem pesar até 34 toneladas. Agora, um novo estudo de um gigante antigo sugere que essa diferença moderna é meramente um acidente evolucionário.

 Peixes ósseos, que compõem cerca de 95% de todas as espécies de peixes, podem ser limitados pelo seu metabolismo de acordo com um argumento. Animais maiores geralmente têm que se contentar com menos oxigênio por grama de tecido; porque os peixes ósseos parecem ter maiores necessidades metabólicas do que os tubarões, pode ser simplesmente impossível que eles cresçam muito mais do que os peixes-lua oceânicos.

 Digite Leedsichthys problemticus. O peixe extinto - considerado o maior já registrado - viveu há cerca de 165 milhões de anos na Europa e na América do Sul. Ele cresceu para pelo menos 16,5 metros de comprimento e pode ter pesado 45 toneladas, o que significa que era maior até do que o tubarão-baleia de hoje.

Percebendo que os biólogos modernos haviam deixado os peixes antigos fora de sua equação, os cientistas decidiram calcular as exigências metabólicas de L. problematicus. Eles usaram dados de peixes ósseos vivos como guia, e descobriram que não apenas sobreviveriam, mas prosperariam: em teoria, os peixes gigantes poderiam ter navegado a velocidades de 17,8 quilômetros por hora, mantendo seus tecidos adequadamente oxigenados, eles relatam este mês em Paleontologia. Para comparação, os peixes vivos mais velozes provavelmente não nadam mais de 30 quilômetros por hora.


Ainda é um mistério por que hoje não há peixes ósseos gigantescos, mas metabolicamente não há razão para que eles não existam, concluem os pesquisadores.



Posted in:
doi:10.1126/science.aau3243