sexta-feira, 6 de julho de 2018

An 1856 illustration of dog sledding in Siberia.
Bulychov, Ivan Dmitriyevich (fl.1856)/Scott Polar Research Institute, University of Cambridge, U.K./Bridgeman Images

Earliest evidence for dog breeding found on remote Siberian island

Os caçadores-coletores da ilha de Zhokhov eram um povo resistente. Nove mil anos atrás, eles sobreviveram a temperaturas frias o ano todo em tendas de peles de animais, cerca de 500 quilômetros ao norte do que hoje é o continente russo, e eram as únicas pessoas conhecidas a caçar um grande número de ursos polares sem armas de fogo. Agora parece que esses antigos habitantes do Ártico fizeram algo ainda mais notável: eles podem ter sido um dos primeiros humanos a criar cães para um propósito específico. Uma análise de ossos caninos de Zhokhov sugere que os cães foram criados para puxar trenós, tornando-se a primeira evidência - por milhares de anos - de criação de cães no registro arqueológico.


"É muito convincente e muito emocionante", diz Melinda Zeder, arqueologista do Museu Nacional de História Natural do Smithsonian Institution, em Washington, D.C. A descoberta pode ajudar a explicar por que as pessoas domesticaram os cães em primeiro lugar: colocá-los para trabalhar. “Ele preenche uma peça que faltava no quebra-cabeça dos primeiros relacionamentos entre humanos e cães e até mesmo a domesticação em si”, acrescenta Angela Perri, zoologista do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, em Leipzig, Alemanha. Zhokhov nem sempre foi uma ilha.
Quando as pessoas da Idade da Pedra viviam ali, e antes que os mares subissem, ela estava conectada à Sibéria. Além dos ursos polares, que eram caçados principalmente no inverno, os zhokhovianos perseguiam centenas de quilômetros de renas através de vastas planícies. "Eles precisavam de um meio de transporte", diz Vladimir Pitulko, arqueólogo da Academia Russa de Ciências de São Petersburgo, que faz escavações em Zhokhov desde 1989. Ele já havia encontrado ossos de cachorros e restos de trenós de madeira na ilha, mas Nunca ficou claro se os animais foram realmente criados para trenó.
The Zhokhov site being excavated in 2004. (Vladimir Pitulko in the blue jacket).
Elena Pavlova
Agora Pitulko tem provas de que eles eram. Para confirmar que os cães eram de fato cachorros, ele e Aleksey Kasparov, arqueozoologista da mesma academia, compararam os dois crânios mais completos com os dos lobos e os Huskies Siberianos da região. Eles descobriram que duas taxas principais - a altura do focinho até o comprimento do crânio e a altura do crânio até o comprimento do crânio - poderiam distinguir com segurança as duas. Por essas medidas, suas amostras eram realmente cães - embora um parecesse ser um híbrido de lobo-cão.


To figure out what the Zhokhov dogs looked like, the team extrapolated their sizes from the fossil bones of 11 individuals. Ten of the dogs weighed between 16 and 25 kilograms and may have resembled Siberian Huskies, the team will reveal next month in the Journal of Archaeological Science: Reports. The remaining dog—the putative wolf-dog hybrid—weighed about 29 kilograms and may have been similar to an Alaskan Malamute. Good sled dogs typically weigh between 20 and 25 kilograms, Pitulko says, as dogs of this size are big enough to pull sleds yet don’t overheat like larger dogs. He concludes that the inhabitants of Zhokhov probably bred the smaller dogs for sledding, and may have bred the larger one to hunt polar bears. “They were clearly shaping these animals to do something special.”

“If this is indeed a breeding program, it would be the earliest evidence of dog breeding for any purpose,” Perri says. The next closest example, she says, would probably be herding dogs in the Near East, which were bred about 7000 years ago. But she thinks the wide range of weights of the ancient dogs argues against strictly controlled breeding. “I think there were a lot of different kinds of dogs—and maybe even some wolves—mating with each other, producing random litters of pups.” From those litters, however, humans may have selected the best sled dogs, which would still indicate some sort of focus on breed. “It’s as convincing as you’re going to get with the material they have,” Zeder says.
An ancient dog skull found on Zhokhov Island.
Elena Pavlova
A descoberta pode esclarecer porque os cães foram domesticados em primeiro lugar. Embora os cientistas não concordem quando isso aconteceu, pesquisas recentes sugerem que isso ocorreu há pelo menos 15 mil anos. Significativamente, isso foi na época em que a Terra estava começando a se aquecer, com grandes espécies como mamutes desaparecendo e pequenos jogos migratórios como renas começando a dominar a paisagem. Cães poderiam ajudar a caçar essa presa menor e até mesmo fornecer um meio para as pessoas segui-los. “Antes disso, não havia uma razão real para ter um cachorro”, diz Pitulko, que dedica seu trabalho a “Liverpool”, um dachshund de 15 anos que ele chama de “amigo verdadeiro”. “Nós nos voltamos para eles quando realmente precisava deles. ”


Zeder concorda. Seu próprio trabalho mostrou que uma variedade de animais - de raposas a texugos - ficava por perto dos primeiros acampamentos humanos, e que alguns podem até se tornar inofensivos. A razão pela qual não temos raposas de estimação hoje, ela especula, é que nunca encontramos utilidade para elas. "Começar uma via de mão dupla com cães e moldá-los nos animais que precisávamos - essa era a verdadeira domesticação." Outro estudo publicado no ano passado concluiu que os cães podem ter sido domesticados na Europa e no leste da Ásia. O novo trabalho não necessariamente desafia essa ideia, embora sugira que os cães primitivos também tenham desempenhado um papel importante no Ártico. E Pitulko acha que os cães poderiam ter sido domesticados independentemente nesta região.
“The Arctic should be a bigger part of the domestication equation,” Perri agrees. “It’s holding some secrets. Something interesting is going on there.”
doi:10.1126/science.aan6897