Autoplay

domingo, 17 de julho de 2011

Colisão de asteróides selou destino de dinossauros

Objeto que causou extinção em massa teria sido gerado por choque ocorrido há 160 milhões de anos
Por: Bernardo Esteves
Publicado em 05/09/2007 | Atualizado em 05/10/2009
Representação artística da colisão de dois asteróides há 160 milhões de anos. O maior tinha 170 km de diâmetro, e o menor, 60 km (arte: Don Davis / Southwest Research Institute).
O destino dos dinossauros foi selado há cerca de 160 milhões de anos, antes mesmo do surgimento de muitas das espécies que reinaram sobre o planeta. O choque entre dois grandes asteróides ocorrido nessa época é a provável origem do objeto que caiu na Terra cem milhões de anos depois, motivando o episódio de extinção em massa que dizimou inúmeras espécies de plantas e animais. A descoberta foi feita por geólogos que usaram simulações de computador para reconstituir a origem de uma família de asteróides do Sistema Solar.

O estudo ajuda a entender o chamado episódio de extinção K/T, ocorrido entre o final do período Cretáceo e o início do Terciário, por volta de 65 milhões de anos atrás. A teoria mais aceita para explicar esse evento defende que ele foi causado pelo impacto de um grande asteróide com a Terra, que teria levantado uma imensa nuvem de poeira, bloqueando a luz do Sol e afetando profundamente o equilíbrio ecológico do planeta. A cratera de Chicxulub, no México, com 180 km de diâmetro, é apontada como o local mais provável da queda desse asteróide.

A equipe do geólogo William Bottke, do Instituto de Pesquisa do Sudoeste, em Boulder (EUA), afirma ter mais de 90% de certeza de que esse objeto se originou em uma colisão ocorrida há 160 milhões de anos no cinturão de asteróides, situado entre as órbitas de Marte e Júpiter. A conclusão foi tirada após o grupo usar um modelo computacional para rastrear a origem dos asteróides da chamada família Baptistina, formada por objetos de órbita e composição similares. O trabalho foi publicado esta semana na Nature .

O grupo analisou a órbita desses asteróides e pôde retraçar sua trajetória desde o evento que levou à sua formação. Os cálculos da equipe mostraram que a família Baptistina surgiu provavelmente da colisão de dois asteróides, um com 170 km de diâmetro e outro com 60 km. O choque teria acontecido a uma velocidade aproximada de 11 mil km/h, gerando algumas centenas de corpos com mais de 10 km de diâmetro e milhares de fragmentos com mais de 1 km cada.
Fragmentos gerados pelo choque de asteróides descrito pelos geólogos seriam responsáveis pela formação das crateras Tycho, na Lua, e Chicxulub, no México (arte: Don Davis / Southwest Research Institute).
A simulação da trajetória dos fragmentos mostrou ainda que alguns deles tiveram sua órbita desviada do cinturão de asteróides, entrando em rota de colisão com a Terra e a Lua. O grupo afirma que é muito provável que um desses fragmentos tenha sido responsável pela formação, há 109 milhões de anos, da cratera Tycho, na Lua, com 85 km de diâmetro.

Composição incomum
O mais forte indício de que um desses fragmentos foi o responsável pela formação da cratera de Chicxulub, no México, é a composição incomum dos asteróides da família Baptistina: eles têm um teor de água e compostos orgânicos acima da média, configurando o que os geólogos chamam de condritos carbonáceos. E o tipo de asteróide que, acredita-se, gerou o impacto K/T é justamente um condrito carbonáceo com 10 km de diâmetro.

Para que se tenha mais certeza sobre a origem desse asteróide, Bottke afirma que é preciso investigar mais crateras formadas por volta de 100 milhões de anos atrás, no auge da chuva de asteróides causada pela colisão descrita por sua equipe. "Esperamos que a composição dos asteróides que fizeram essas crateras seja similar à do objeto que gerou o impacto K/T", disse ele à CH On-line . "Caso contrário, nossa hipótese pode não estar correta."

O trabalho de Bottke é importante ao mostrar como colisões ocorridas há dezenas de milhões de anos no cinturão de asteróides podem afetar de forma prolongada o sistema Terra-Lua. "Se estivermos certos, cerca de 20% dos objetos nas proximidades da Terra vieram dessa colisão particular", afirma o geólogo. "E isso nos diz algo importante sobre sua composição." 


Bernardo Esteves

Ciência Hoje On-line
05/09/2007

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.