Autoplay

terça-feira, 4 de outubro de 2016

9.ago.2016 - Fósseis de 2 mil anos atrás achados na última semana na Sérvia causam um mistério entre cientistas. Juntos aos restos humanos, pesquisadores encontraram dois amuletos de chumbo que continham dentro rolos de metais preciosos - ouro e prata - cobertos de símbolos e escritos. Entre os escritos, em aramaico, estão nomes de demônios conectados ao atual território da Síria. Os arqueólogos acreditam que os escritos sejam feitiços - magias eram enterradas com corpos que sofreram mortes violents.


15.set.2016 - Pesquisadores da Universidade George Washington (EUA) identificaram um tecido azul-índigo de 6.200 anos, em Huaca, no Peru. O pano pode ser reconhecido como a mais antiga peça de algodão azul índigo, uma cor tecnicamente desafiadora de produzir. A cor, que ficou famosa com o nascimento dos jeans por volta de 1890, era produzida através da extração de uma planta chamada Indigofera suffruticos. A produção sintética do índigo só foi possível a partir de 1880 por meio das pesquisas do químico alemão Adolf von Baeyer, que recebeu o Nobel da Química por esse feito.


O SENHOR DOS ANÉIS - O túmulo descoberto por pesquisadores da Universidade do Cincinnati na cidade de Pilos possui mais de 3.500 anos. O homem enterrado no local por volta de 1.500 a.C. pode ter sido um guerreiro ou um padre de cerca de 30 anos. Ao seu redor estavam mais de 2.000 objetos, incluindo quatro anéis de ouro sólido, taças de prata, pérolas, pentes de marfim, uma espada, dentre outros. Um dos anéis (foto) é o segundo maior com sinete de ouro já descoberto na região do mar Egeu. Ele mostra cinco figuras femininas reunidas em um santuário à beira do mar. Já o esqueleto foi apelidado de "guerreiro grifo", devido à presença de uma placa de marfim decorada com o animal mítico com corpo de leão e cabeça e asas de águia.

O SENHOR DOS ANÉIS - Uma descoberta rara de um túmulo intacto repleto de artefatos da Era do Bronze pode mudar o que se conhece sobre a história da Grécia. O local onde foi enterrado há cerca de 3500 anos um guerreiro da época áurea da civilização creto-micênica, que antecede a civilização grega, continha joias preciosas, armas, espelhos (foto) e outras riquezas com características que remetem aos minóicos, civilização de cultura ainda mais antiga. Até então, pensava-se que riquezas dos minóicos tinham sido roubadas no momento em que foram conquistados pelos micênicos na ilha de Creta. O achado, contudo, indica uma troca cultural e uma convivência mais ampla entre as duas culturas, lançando novo olhar sobre a civilização micênica, base da civilização grega.
9.ago.2016 - Arqueólogos trabalham no sítio de Viminacium, na Sérvia. Os cientistas estão tentando decifrar feitiços mágicos gravados em pequenos rolos de ouro e prata, que eles encontraram ao lado de esqueletos de seres humanos enterrados há quase 2.000 anos. Segundo os especialistas a inscrições estão em aramaico.

4.ago.2016 - Um grupo de cientistas encontrou provas de uma grande inundação ocorrida há 4.000 anos no vale do rio Amarelo dariam veracidade ao mito de fundação da primeira dinastia chinesa, a Xia, segundo um estudo divulgado pela revista "Science". De acordo com essa lenda de fundação, o criador da dinastia Xia, o imperador Yu, teria drenado as águas inundadas habilitando assim as terras para a agricultura e dando início à civilização chinesa.
1º.ago.2016 - Ao menos 80 esqueletos foram encontrados em uma vala comum no antigo cemitério grego em Falyron Delta, Atenas. Os pulsos dos esqueletos estão presos por algemas de ferro. Arqueólogos dizem que todos foram vítimas de uma execução em massa, mas o motivo é um mistério. "Eles foram executados da mesma maneira, eram jovens e saudáveis", afirmou à Reuters Stella Chyssoulaki, chefe das escavações. Testes de DNA serão feitos para estudar os esqueletos. Especialistas suspeitam que eles são vítimas de uma tentativa frustrada de golpe de estadoImagem: Alkis Konstantinidis/ Reuters.

Pesquisador afirma que rastros deixados por dinossauros na Bolívia não existem em outros lugares do mundo.

27.jul.2016 - O paleontólogo Sebastian Apesteguia mede uma pegada feita por um dinossauro carnívoro há 80 milhões de anos. A pegada de 1,20 metro de diâmetro foi encontrada na cratera de Maragua, na Bolívia.
10.jul.2016 - Pesquisadores em Israel afirmam ter descoberto um cemitério filisteu - seria, segundo eles, o primeiro a ser encontrado na história. O achado, ocorrido em 2013 e tornado público neste domingo (10), pode trazer respostas sobre o antigo mistério em torno da origem do povoImagem: Gil Cohen Magen/Xinhua.

10.jul.2016 - Pesquisadores em Israel afirmam ter descoberto um cemitério filisteu - seria, segundo eles, o primeiro a ser encontrado na história. O achado, ocorrido em 2013 e tornado público neste domingo, pode trazer respostas sobre o antigo mistério em torno da origem do povo.

8.jul.2016 - Arqueólogos encontraram no sítio de Tlailotlacan uma das ossadas mais completas do período pré-colombiano nas Américas. A chamada 'mulher de Tlailotlacana teria vivido há cerca de 1600 anos e pertencia à civilização maia.

7.jun.2016 - Arqueólogos encontraram restos mortais no local de um massacre ocorrido há 6.000 anos, em Achenheim, na Alsácia, na França. Funcionários do Instituto Nacional de Investigação Arqueológica Preventiva acreditam que os esqueletos sejam de um conflito entre recém-chegados à área. Segundo os arqueólogos, as fraturas encontradas nos esqueletos indicam que não se trata de ferimentos de batalha, mas de uma execução violenta.

HUMANOS HÁ 11 MIL ANOS EM SP - Descoberta arqueológica no interior de São Paulo pode apimentar o debate sobre a presença de povos na América. A datação de pedras lascadas de um sítio de São Manuel, no interior, feita por um laboratório americano aponta que os objetos são de 11 mil anos atrás. Os itens entram para a lista de objetos mais antigos já achados no Brasil, que variam no mesmo período - datações muito mais antigas do que esta são vistas com ceticismo por cientistas.

Mais um dos mistérios que envolvem o faraó Tutancâmon foi desvendado. Segundo uma pesquisa publicada na revista norte-americana "Meteoritics e Planetary Science", o punhal encontrado junto a múmia foi, de fato, feito com material vindo de um meteorito. Desde 1925, cientistas tentam comprovar as "lendas" egípcias que citavam o "ferro que caiu do céu". Agora testes científicos feitos com técnicas de fluorescência de raios X indicaram que a lâmina contém 10% de níquel e 0,6% de cobalto, concentrações de substâncias encontradas em meteoritos metálicos.

24.mai.2016 - Arqueólogos da Universidade Stanford escavaram ao longo do rio Wei, na China, e acharam equipamentos para fabricação de cerveja. Incluindo este funil.
18.mai.2016 - Ossos fossilizados de um mamute ficam expostos em local de escavação do INAH (Instituto Nacional de Antropologia e História do México). Os fósseis datam do Pleistoceno e foram descobertos em dezembro de 2015 por trabalhadores enquanto cavavam uma fossa séptica. A foto da descoberta foi divulgada pelo INAH na quarta-feira (18).

22.abr.2016 - Arqueólogos estudam tampa de urna funerária em sítio arqueológico, em São José dos Campos, em São Paulo. A peça foi encontrada em local pertencente a tribo tupi-guarani.



Um enorme dente de cachalote foi achado em uma praia em Beaumaris Bay, perto de Melbourne (Austrália). O dente fossilizado mede 30 cm e teria 5 milhões de anos.
 
4.abr.2016 - Arqueólogos descobriram restos humanos antigos e diversas práticas funerárias em um dos lugares mais misteriosos da Ásia, a Planície dos Jarros na província de Xieng Khouang, em Laos. Os pesquisadores pretendem descobrir a razão dos corpos estarem enterrados ao lado de frascos. Este será o primeiro grande esforço desde 1930 para tentar entender o propósito do uso dos recipientes.
 
26.fev.2016 - A UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro) recebeu fósseis de 400 milhões de anos encontrados no Brasil. A universidade avaliará os objetos, que são oriundos do Programa de Monitoramento e Salvamento Paleontológico e foram achados em regiões que compreendem do Mato Grosso ao Triângulo Mineiro. Os fósseis, de origem animal, estão em 86 blocos de pedra.
 
Imagem mostra crânio com traços de afundamento, encontrado perto do lago Turkana, no Quênia, em um local chamado Nataruk. Cientistas afirmaram que o esqueleto corresponde a evidência mais antiga de uma guerra. O fóssil faz parte de um grupo de pessoas massacradas, mortas por ataques de flecha e lâminas de pedra há cerca de 10 mil anos.
 
20.jan.2016 - O esqueleto de um homem foi encontrado deitado no sedimento de uma lagoa a 30 km a oeste do Lago Turkana, no Quênia, em um local chamado Nataruk. Ele tinha sinais de múltiplas lesões na parte da frente e no lado esquerdo dele. Cientistas afirmaram que o esqueleto corresponde a evidência mais antiga de uma guerra. O fóssil faz parte de um grupo de pessoas massacradas, mortas por ataques de flecha e lâminas de pedra há cerca de 10 mil anos.
 
14.jan.2016 - O maior fóssil intacto da baleia Basulosaurus isis é exposto no Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, no oásis de Fayoum, no Egito. O governo inaugurou o primeiro museu de fósseis no Oriente Médio no local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, na tentativa de atrair turistas, afugentados pelos recentes ataques de radicais no país.
 
14.jan.2016 - Este fóssil gigante é de uma baleia e está exposto do lado de fora do Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, no oásis de Fayoum, no Egito. O espaço foi inaugurado na quinta-feira (14) em um local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, na tentativa de atrair turistas, afugentados pelos recentes ataques de radicais no país.
 
14.jan.2016 - Este fóssil gigante é de uma baleia e está exposto do lado de fora do Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, no oásis de Fayoum, no Egito. O espaço foi inaugurado na quinta-feira (14) em um local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, na tentativa de atrair turistas, afugentados pelos recentes ataques de radicais no país.
 
14.jan.2016 - O Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan tem um formato interessante e fica no oásis de Fayoum, no Egito, local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Nele, estão expostos fósseis gigantes de baleias e outros animais pré-históricos. É uma tentativa do governo egípcio de atrair turistas, afugentados pelos conflitos armados ocorridos no país.
 
14.jan.2016 - Visitante observa fóssil gigante de uma baleia Basilosaurus isis exposta no Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, durante a sua inauguração, no oásis de Fayoum, no Egito, local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. O animal foi um cetáceo pré-histórico que viveu entre 34 e 39 milhões de anos atrás, considerado antigo parente dos golfinhos e baleias atuais.
 
14.jan.2016 - Este fóssil gigante é de uma baleia e está exposto do lado de fora do Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, no oásis de Fayoum, no Egito. O espaço foi inaugurado na quinta-feira (14) em um local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, na tentativa de atrair turistas, afugentados pelos recentes ataques de radicais no país.
 
14.jan.2016 - O maior fóssil intacto da baleia Basilosaurus isis é exposto no Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, no oásis de Fayoum, no Egito. O animal foi um cetáceo pré-histórico que viveu entre 34 e 39 milhões de anos atrás, considerado antigo parente dos golfinhos e baleias atuais. O governo inaugurou o primeiro museu de fósseis no Oriente Médio no local considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, na tentativa de atrair turistas, afugentados pelos recentes ataques de radicais no país..
 
14.jan.2016 - Com a estratégia de atrair turistas, afugentados pelos recentes conflitos armados no Egito, nada mais lógico que enviar soldados do Exército para fazer a segurança durante a inauguração do Museu de Fósseis e Mudanças Climáticas Wati El Hitan, no oásis de Fayoum, no Egito. O local é considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco. O museu é o primeiro a reunir fósseis no Oriente Médio.
 
13.JAN.2016 - Um estudo feito por pesquisadores brasileiros com pontas de projéteis em pedra lascada sugere que o povoamento da América do Sul pode ser mais antigo do que se imagina. Antes se acreditava que a cultura Clovis, do Novo México (EUA), fosse a mais antiga das Américas, pois foram encontradas de pedra de 13,5 mil anos. No entanto, pontas achadas na Argentina têm datações que variam entre 12,9 mil e 12,3 mil. Já as de Monte Verde (Chile), datam também de 13,5 mil anos, enquanto o sítio arqueológico onde foram encontradas era ocupado há pelo menos 18 mil anos. As 32 pontas de projéteis encontradas no Brasil, e reunidas no estudo, não possuem data definida mas foram encontradas em sítios arqueológicos que datam, o mais antigo, de 32 mil anosImagem: Mercedes Okumura/Agência Fapesp/Divulgação.

12.jan.2016 - Imagem cedida pelo Departamento de Arqueologia da Universidade de Cambridge mostra vestígios de edifícios circulares construídos durante a Idade do Bronze ( 3300 a.C.) encontrado na pedreira Must Farm, Whittlesey, Reino Unido no último dia 8 de janeiro. A escavação recuperou vários instrumentos e objetos pertencentes a época e permitirá um estudo mais detalhado de como era a vida naquela época. Segundo os arqueólogos, o assentamento foi destruído pelo fogo e, posteriormente coberto pelo rio, graças ao qual os objetos encontrados nos sedimentos de turfa do rio Nene foram preservados em condições extraordinárias.

14.dez.2015 - O Museu Arqueológico de Madri, na Espanha, recebe a múmia guanche de Barranco de Herques, exemplo de restos mumificados das culturas pré-hispânicas das Ilhas Canárias com os quais o museu abre um espaço temático.
 
30.nov.2015 - Uma das ferramentas feitas a partir de pedra encontradas no sítio arqueológico de Monte Verde, no Chile. Novas descobertas apontam que a América do Sul contou com humanos há até 18.000 anos, contrariando teoria de que os primeiros habitantes não chegaram antes de 13.000 anos atrás. Na foto, pedra feita há entre 15.000 e 16.000 anos, encontrada no Chile.  
 
17.nov.2015 - Um esqueleto que data de quase 10 mil anos foi encontrado no abrigo Kotias Klde, no oeste da Geórgia. O DNA extraído do crânio e de um dente molar da ossada está ajudando a desvendar a ascendência multifacetada dos europeus modernos. Segundo cientistas da Universidade de Cambrigde, no Reino Unido, que sequenciaram o genoma, essa linhagem teria surgido da mistura das populações de caçadores-coletores, que resistiram à era glacial, com outras populações ancestrais.
 
11.nov.2015 - Foto feita do alto mostra monumento pré-histórico feito em pedra conhecido como Rujm el-Hiri, que em árabe quer dizer "pilha de pedras do gato selvagem", enquanto um piloto de parapente sobrevoa o lugar, em foto feita em 24 de julho de 2014. Por séculos, o monumento passou desapercebido mesmo estando em uma área descampada nas Colinas de Golã, em Israel. Só depois que Israel capturou o território da Síria em 1967, arqueólogos que estudavam a região descobriram o monumento, que seria contemporâneo de Stonehenge, na Inglaterra, sendo é uma das mais antigas e mais misteriosas estruturas do Oriente Médio.
 
5.nov.2015 - Esqueletos sepultados no século 19 são descobertos no subsolo de uma rua no coração do campus da New York University, em NY, durante as obras para trocar a tubulação de água principal da via. Acredita-se que as criptas sejam parte do cemitério de uma Igreja Presbiteriana. Há corpos de entre nove e 12 pessoas e alguns caixões de madeira. No fim do século 17, a região era palco de execuções públicas. Arqueólogos trabalharão na tentativa de identificar os corpos, se possível.
 
ANCESTRAL CHINÊS - O "Homo sapiens" chegou ao que hoje é a China entre 80 mil e 120 mil anos atrás. A descoberta mostra que nosso ancestral saiu do continente africano cerca de 70.000 anos antes do que se pensava. A pesquisa, publicada na revista Nature, foi possível após os pesquisadores encontrarem dentes humanos em uma caverna na província chinesa de Hunan. As descobertas colocam ainda em evidência que os primeiros humanos tal e como conhecemos - que supostamente emergiram na África Oriental há 200.000 anos - foram chineses antes de serem europeus.
 
Ao menos três esqueletos de dinossauros ainda no ovo ou pouco após a eclosão no momento da morte foram descobertos na região chamada "tumba do dragão" no deserto de Gobi na Mongólia - anunciaram nesta quarta-feira (14) os cientistas belgas.
 
RATO ANCESTRAL - RATO ANCESTRAL - A descoberta de um fóssil de 125 milhões de anos pode ajudar os cientistas a entender a evolução das espinhos e dos pelos entre mamíferos. O fóssil da espécie "Spinolestes xenarthrosus", semelhante a um rato, foi encontrado em Cuenca, na Espanha. Este fóssil estava muito bem preservado, com pelos (e seus folículos preservados), além de órgãos e tinha até uma infecção por fungos. Antes dele, o animal com pelos e espinhos mais preservados que se tinha notícia tinha cerca de 60 milhões de anos a menos que este. Acredita-se que os "Spinolestes xenarthrosus" mediam cerca de 24 centímetros e possuíam um peso estimado entre 50 e 70 gramas. Os resultados foram obtidos por pesquisadores da Universidade Autônoma de Madri e da Universidade de Chicago e serão publicados na revista Nature nesta quinta-feira (15).
 
29.set.2015 - PRÉ-HISTÓRIA - Pelo fossilizado de morcego conhecido como Palaeochiropteryx hassianycteris encontrado em Messel, na Alemanha. A pigmentação, baseada em microscópicas estruturas, permite saber a cor da espécie de 49 milhões de anos: marrom avermelhada.
 
29.set.2015 - Tomografia de rosto de múmia de Pompeia, atingida pela erupção do Vesúvio, em 79 d.C. Dentes eram perfeitos, consequência de alimentação saudável das vítimasImagem: Superintendência Arqueológica de Pompeia/EFE.



29.set.2015 - Tomografia axial computadorizada de múmia de Pompeia, na Itália. Um projeto investiga os hábitos e as classes sociais das vítimas da erupção do Vesúvio, no ano 79 d.C..

NOVA ESPÉCIE - Cientistas do Museu Universidade do Alasca do Norte descobriram uma nova espécie de dinossauro, a "Ugrunaaluk kuukpikensis", que habitou a encosta norte da região, no período cretáceo. A espécie se alimentava de plantas espessas e, por isso, possuía uma arcada dentária forte. O Ugrunaaluk chegava a medir até nove metros de comprimento e é do tipo hadrossauro, ou seja, possui uma espécie de "bico de pato". Esses animais viviam na escuridão por meses e provavelmente enfrentavam a neve. Outras duas espécies já foram identificadas na região, uma que se alimentava de plantas e a outra era carnívora. O estudo foi publicado nesta terça-feira (22) no periódico Acta Palaeontologica Polonica.

22.set.2015 - Esqueletos de soldados mortos na batalha de Lutzen (1632), são fotografados em uma vala comum no museu de Halle/ Saale, na Alemanha. Restos mortais de 47 soldados encontrados em uma vala comum serão exibido em uma exposição chamada "Uma busca arqueológica", que estará aberta ao público de 6 de novembro de 2015 a 22 de maio de 2016. A batalha de Lutzen aconteceu durante a Guerra dos Trinta Anos: conflito entre católicos e protestantes marcou Europa de 1618 a 1648.

17.set.2015 - 17.set.2015 - Esqueletos de soldados do grande exército de Napoleão são descobertos por arqueólogos em um canteiro de obras em Frankfurt, na Alemanha. Os restos mortais fazem parte da tropa de 200 mil soldados do Exército napoleônico mortos em 1813, durante o caminho de volta à Europa, após serem derrotados na Rússia.

10.set.2015 - Fragmentos de ossos são organizados com partes do esqueleto do 'Homo Naledi', a espécie recém-descoberta classificada dentro do gênero Homo, ao qual pertence o homem moderno. Juntos, os fragmentos mostram uma surpreendente mistura de características primitivas e semelhantes a da raça humana.

10.set.2015 - Cientista mostra a reconstrução da face do Homo Naledi durante o anúncio da descoberta em Magaliesburg, na África do Sul. Um conjunto de ossos mostrou que o novo membro da árvore genealógica humana apresenta uma surpreendente mistura de características humanas e primitivas.

10.set.2015 - O vice-presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, segura uma réplica do crânio da espécie Homo Naledi, recém-descoberta no país. Fósseis do acestral humano foram encontrados em uma caverna profunda de difícil acesso, perto de Johannesburgo, na área arqueológica conhecida como "Berço da Humanidade", que é considerada patrimônio mundial pela Unesco.

10.set.2015 - Arcada dentária do Homo Naledi foi encontrada em caverna profunda de difícil acesso, perto de Johannesburgo (África do Sul), na área arqueológica conhecida como "Berço da Humanidade", que é considerada patrimônio mundial pela Unesco.

10.set.2015 - Fragmentos de ossos são organizados com partes do esqueleto do Homo Naledi, a espécie recém-descoberta classificada dentro do gênero Homo, ao qual pertence o homem moderno. Juntos, os fragmentos mostram uma surpreendente mistura de características primitivas e semelhantes a da raça humana.

10.set.2015 - Uma antiga espécie do gênero humano desconhecida até agora foi descoberta em uma caverna da África do Sul, onde foram exumados os ossos de 15 hominídeos, anunciou nesta quinta-feira uma equipe internacional de cientistas. A nova espécia foi batizada de 'Homo Naledi' e classificada dentro do gênero Homo, ao qual pertence o homem moderno.

17.ago.2015 - FLOR ANCESTRAL - Paleobotânicos da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, juntamente com colegas europeus, identificaram uma planta de água doce de 125 milhões de anos, uma das primeiras angiospermas com flores encontradas no planeta Terra. A imagem foi publicada na segunda-feira (17) no periódico da Academia de Ciências dos Estados Unidos (PNAS). "Isso de 'primeira flor' é tecnicamente um mito, como o 'primeiro humano'", disse o paleobotânico David Dilcher, principal autor do estudo. "Mas com base nesta nova análise, sabemos que a Montsechia é contemporânea, inclusive mais antiga, do que a Archaefructus (sinensis)", uma planta aquática similar, encontrada na China.

6.ago.2015 - O mais completo exemplar de um esqueleto de tatu-­gigante foi encontrado numa caverna na região de Iramaia, na Chapada Diamantina (BA), durante expedição realizada por espeleólogos e pesquisadores da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos).O bicho de 220 kg, que pertencia à espécie Holmesina major, era herbívoro e preferia uma dieta de grama, diferentemente dos insetos e outros pequenos animais consumidos por seus parentes de hoje.
 
3.ago.2015 - O mais longo fêmur de um dinossauro foi encontrado no sítio arqueológico de Angeac-Charente, no sudoeste da França. O osso pertence à infraordem dos saurópodes, conhecido pelo corpo enorme, pescoço muito comprido e cabeça muito pequena. O sítio arqueológico francês é um dos mais importantes pela enorme quantidade de fósseis de dinossauros presentes.
 
Mandíbula e maxilar de Filipe 2° da Macedônia.
 
Veja mais: http://noticias.uol.com.br/ciencia/album/2013/10/31/veja-descobertas-arqueologicas.htm?fotoNavId=prf1116bc9342e81823b73959768f91e4b20161004#fotoNavId=pr344d34c7a021881709fc823ae21cf20150702
 
 


 
 
 
 
 
 
 




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.