quinta-feira, 26 de abril de 2018

Fossil of "one of the largest animals ever" discovered
Fóssil de "um dos maiores animais de todos os tempos" descoberto



























The massive jawbone of a 205-million-year-old ichthyosaur has been discovered in southwestern England, making it “one of the largest animals to ever live” — it was nearly the size of a blue whale.

The findings, published in the journal PLOS, show that the ichthyosaur lived close to the time of the Late Triassic extinction event and could represent the largest known fossil of an ichthyosaur ever found.

Experts estimate the body of the ichthyosaur was approximately 85 feet in length. By contrast, blue whales can reach nearly 100 feet in length and weigh as much as 200 short tons, with females generally outweighing males.

“The largest reported ichthyosaurs lived during the Late Triassic (~235–200 million years ago), and isolated, fragmentary bones could be easily mistaken for those of dinosaurs because of their size,” the study’s abstract reads.

The reinterpretation of the bones may also help solve a 150-year-old mystery. In 1850, a large bone from the Late Triassic period was discovered near Aust Cliff in Gloucestershire, U.K, and it was originally thought to be from a giant dinosaur.

“[The] Aust bones, previously identified as those of dinosaurs or large terrestrial archosaurs, are jaw fragments from giant ichthyosaurs. The Lilstock and Aust specimens might represent the largest ichthyosaurs currently known.”

A enorme queixada de um ictiossauro de 205 milhões de anos foi descoberta no sudoeste da Inglaterra, tornando-se "um dos maiores animais que já existiu" - era quase do tamanho de uma baleia azul.


As descobertas, publicadas na revista PLOS, mostram que o ictiossauro viveu perto da época do evento da extinção do Triássico Superior e pode representar o maior fóssil conhecido de um ictiossauro já encontrado.


Especialistas estimam que o corpo do ictiossauro tinha aproximadamente 85 pés de comprimento. Por outro lado, as baleias-azuis podem atingir quase 100 pés de comprimento e pesar até 200 toneladas curtas, com as fêmeas geralmente superando os machos.


“Os maiores ictiossauros relatados viveram durante o Triássico Superior (~ 235-200 milhões de anos atrás), e ossos fragmentados e isolados poderiam ser facilmente confundidos com os dos dinossauros por causa de seu tamanho”, diz o resumo do estudo.


A reinterpretação dos ossos também pode ajudar a resolver um mistério de 150 anos. Em 1850, um grande osso do período Triássico Superior foi descoberto perto de Aust Cliff, em Gloucestershire, Reino Unido, e foi originalmente pensado para ser de um dinossauro gigante.


“Os ossos de Aust, previamente identificados como os dos dinossauros ou grandes arcossauros terrestres, são fragmentos de mandíbula de ictiossauros gigantes. Os espécimes de Lilstock e Aust podem representar os maiores ictiossauros atualmente conhecidos. ”


“One of the Aust bones might also be an ichthyosaur surangular,” University of Manchester ichthyosaur expert Dean Lomax said in a press release. “If it is, by comparison with the Lilstock specimen, it might represent a much larger animal. To verify these findings, we need a complete giant Triassic ichthyosaur from the U.K. – a lot easier said than done!”

In the press release, fossil collector and co-author of the study Paul de la Salle notes the bone was found on a beach in Lilstock, Somerset in May 2016. He eventually returned to the site to get more bone fragments, before potentially realizing what he had found.
“Initially, the bone just looked like a piece of rock but, after recognizing a groove and bone structure, I thought it might be part of a jaw from an ichthyosaur and immediately contacted ichthyosaur experts Dean Lomax (University of Manchester) and Prof. Judy Massare (SUNY College at Brockport, NY, USA) who expressed interest in studying the specimen,” de la Salle said in the release.

“I also contacted Dr. Ramues Gallois, a geologist who visited the site and determined the age of the specimen stratigraphically.”
Lomax and Massare deciphered that the bone is part of the lower jaw of the giant ichthyosaur after comparing it with other specimens, including the largest ichthyosaur ever known, the shastasaurid Shonisaurus sikanniensis, which was approximately 68 feet long.

“As the specimen is represented only by a large piece of jaw, it is difficult to provide a size estimate, but by using a simple scaling factor and comparing the same bone in S. sikanniensis, the Lilstock specimen is about 25 percent larger,” Lomax added.

Ichthyosaur means “fish lizard,” an apt way to describe the giant sea-dwelling creature. The earliest known ichthyosaurs had long, flexible bodies and likely swam similar to modern-day eels, according to an article from the University of California Berkely.
Some ichthyosaur fossils discovered have shown the creatures to giving birth to live, developed young. Unlike dinosaurs, which ichthyosaurs have been confused for, they did not lay eggs.
It’s still unclear which group of modern-day vertebrates are the closest relative to ichthyosaurs, but researchers have suggested they may have been an offshoot of diapsids, which includes dinosaurs, birds, pterosaurs and more. Others have suggested that it may actually be a distant relative of sea turtles.
"Um dos ossos de Aust também pode ser um ictiossauro surangular", disse o especialista em ichthyossauro da Universidade de Manchester, Dean Lomax, em um comunicado à imprensa. “Se for, em comparação com o espécime de Lilstock, pode representar um animal muito maior. Para verificar essas descobertas, precisamos de um ictiossauro do Triássico gigante completo do Reino Unido - muito mais fácil de dizer do que fazer! ”

No comunicado à imprensa, o colecionador de fósseis e coautor do estudo Paul de la Salle observa que o osso foi encontrado em uma praia em Lilstock, Somerset, em maio de 2016. Ele finalmente retornou ao local para obter mais fragmentos ósseos, antes de perceber o que ele tinha encontrado.

“Inicialmente, o osso parecia apenas um pedaço de rocha, mas, depois de reconhecer um sulco e estrutura óssea, achei que poderia ser parte de um maxilar de um ictiossauro e imediatamente contatei os especialistas em ictiossauro Dean Lomax (Universidade de Manchester) e Prof. Judy. Massare (SUNY College em Brockport, NY, EUA) que manifestou interesse em estudar o espécime ”, disse de la Salle no lançamento.

 "Também entrei em contato com o dr. Ramues Gallois, um geólogo que visitou o local e determinou a idade do espécime estratigraficamente."

Lomax e Massare decifraram que o osso é parte da mandíbula gigante do ictiossauro gigante depois de compará-lo com outros espécimes, incluindo o maior ictiossauro já conhecido, o shastassaurídeo Shonisaurus sikanniensis, que tinha aproximadamente 68 pés de comprimento.

 “Como o espécime é representado apenas por um grande pedaço de mandíbula, é difícil fornecer uma estimativa de tamanho, mas usando um fator de escala simples e comparando o mesmo osso em S. sikanniensis, o espécime de Lilstock é cerca de 25% maior” Lomax adicionou.

 Ichthyosaur significa "lagarto de peixe", uma maneira apropriada de descrever a criatura gigante que habita o mar. Os primeiros ictiossauros conhecidos tinham corpos longos e flexíveis e provavelmente nadavam como as enguias modernas, de acordo com um artigo da Universidade da Califórnia Berkely.

Alguns fósseis de ictiossauros descobertos mostraram que as criaturas deram à luz a viver jovens desenvolvidos. Ao contrário dos dinossauros, para os quais os ictiossauros foram confundidos, eles não botaram ovos.
Ainda não está claro qual grupo de vertebrados modernos é o mais próximo dos ictiossauros, mas os pesquisadores sugeriram que eles podem ter sido um desdobramento de diapsídeos, que incluem dinossauros, pássaros, pterossauros e muito mais. Outros sugeriram que na verdade pode ser um parente distante das tartarugas marinhas.