Autoplay

quarta-feira, 16 de março de 2016

Origem evolutiva

Fóssil de réptil primitivo encontrado no Rio Grande do Sul pode ajudar a explicar a evolução de dinossauros, aves e jacarés. O animal combina características que nunca haviam sido observadas em uma mesma espécie. 
 
Por: João Paulo Rossini
Publicado em 14/03/2016 | Atualizado em 14/03/2016
Origem evolutiva
A posição do focinho e o formato dos dentes levam a crer que 'Teyujagua paradoxa' vivia em ambientes aquáticos ou semiaquáticos e se alimentava de peixes e pequenos répteis. (ilustração: Voltaire Neto.
 
Um fóssil com apenas 11 centímetros de comprimento e 250 milhões de anos pode ajudar a explicar a origem evolutiva de diversos grupos animais, como dinossauros, pterossauros (répteis voadores), aves e jacarés. O exemplar foi encontrado no município de São Francisco de Assis (RS) por uma equipe de cientistas de três universidades brasileiras: Universidade Federal do Pampa (Unipampa), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Universidade do Vale do São Francisco. Os resultados de estudos sobre o material foram publicados na última semana no periódico científico Scientific Reports, do grupo Nature.

De acordo com os autores da pesquisa, o pequeno crânio, descoberto no início de 2015, revela um tipo de réptil primitivo com traços muito peculiares. A partir da análise do fóssil e de comparações com outras espécies parecidas, foram estabelecidas características físicas e alimentares do animal, batizado de Teyujagua paradoxa. Teyujagua significa “réptil feroz” em Guarani, em referência ao personagem mitológico indígena Teyú Yaguá, um lagarto com cabeça de cachorro.

A combinação de características pouco usuais do animal, que mistura feições morfológicas que até então nunca haviam sido encontradas juntas em uma mesma espécie, motivou o restante da nomenclatura: paradoxa vem do grego, significando “paradoxal”, “inesperado”.
“Tinha entre um e 1,5 metro de comprimento. Não era muito grande, seguindo a tendência dos outros animais da época"
 
“Tinha entre um e 1,5 metro de comprimento. Não era muito grande, seguindo a tendência dos outros animais da época, e as narinas se localizavam acima do focinho, indicando que era um animal aquático ou semiaquático”, explica o paleontólogo Felipe Pinheiro, coautor do trabalho e professor da Unipampa. O fóssil também apresenta dentes pontiagudos, curvados e serrilhados, característica que pode ter sido transmitida evolutivamente para crocodilos e dinossauros. O formato dos dentes evidencia os hábitos carnívoros do animal – segundo os pesquisadores, é bem provável que a alimentação deste lagarto consistisse em peixes e pequenos répteis.

Renascimento das cinzas

Os estudos realizados no Sul do Brasil tinham como objetivo inicial analisar a fauna dos pampas gaúchos na transição do período Permiano para o Triássico Inferior, aproximadamente 250 milhões de anos atrás, quando ocorreu uma extinção em massa dos seres vivos da Terra. Ao descobrir Teyujagua paradoxa, os pesquisadores acreditam ter localizado um intermediário entre os répteis primitivos e os chamados arcossauriformes (grupo que inclui, entre outros, os dinossauros, répteis e aves). A novidade pode ajudar a explicar a origem evolutiva desse grupo. “Os arcossauriformes têm uma origem nebulosa, mas Teyujagua paradoxa está nos dando novas pistas sobre seu surgimento”, ressalta Pinheiro.
Para o geólogo Cesar Schultz, professor da UFRGS e coautor do estudo, o fato de que a nova espécie viveu neste período turbulento da história terrestre aponta para novos horizontes de pesquisa sobre o que se passou e sobre as espécies que vieram a seguir. “Teyujagua paradoxa pode ser um dos precursores de vários dos seres vivos que existem hoje, porque viveu nesse período de renascimento da vida na Terra”, afirma.

João Paulo RossiniCiência Hoje Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.